Obama regressou à Casa Branca para celebrar com o "vice-presidente" 12 anos de Obamacare

Agência Lusa , BCE
5 abr, 23:35
Joe Biden e Barack Obama voltam a estar juntos na Casa Branca (EPA/SHAWN THEW)

Antigo presidente dos Estados Unidos referiu-se a Joe Biden como o seu número dois

O antigo presidente dos Estados Unidos Barack Obama voltou esta terça-feira à Casa Branca para celebrar o 12.º aniversário da sua lei de cuidados de saúde, conhecida por 'Obamacare', e impulsionar os esforços do atual presidente, Joe Biden, para expandi-la.

Biden, que era o "número dois" de Obama quando o 'Affordable Care Act' (ACA) ou 'Obamacare', se tornou lei em março de 2010, quer estender o alcance da lei para que esta abranja um número ainda maior de cidadãos, apesar das repetidas tentativas de revogação dos republicanos.

“É por sua causa”, disse Biden, depois de se apresentar com bom humor como vice-presidente de Obama.

O presidente norte-americano afirmou que a lei “mostra que a esperança leva à mudança”, uma brincadeira com o slogan da campanha “esperança e mudança” de Obama.

O antigo chefe de Estado esteve pela última vez na Casa Branca em 20 de janeiro de 2017, quando saiu para escoltar Donald Trump, o seu sucessor que esteve empenhado em rever a lei.

“É bom estar de volta à Casa Branca. Já faz algum tempo", assumiu Obama, após a atual vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, o ter apresentado na Sala Leste, num encontro pontuado por abraços, gargalhadas e diversas provocações bem-humoradas.

Obama abriu os discursos referindo-se a Biden como "vice-presidente" antes de reconhecer que era uma piada "planeada" e abraçar o seu ex-número dois.

Obama afirmou que juntamente com Biden realizaram "muito" nos seus oito anos de governo, mas "nada o deixou mais orgulhoso do que fornecer melhores cuidados de saúde e mais proteção a milhões de pessoas em todo o país".

“A ACA foi um exemplo do motivo pelo qual se concorre a um cargo em primeiro lugar”, afirmou Obama, chamando-o de “ponto alto" do seu executivo.

Biden chamou o 'Affordable Care Act' de legislação mais importante desde que os programas de saúde 'Medicare' e 'Medicaid' foram criados em 1965, e insistiu que deveria ser expandido para mais pessoas.

"Nós podemos fazer isso. Devemos fazer isso. Temos de fazer isso”, apelou Biden, afirmando que o termo 'Obamacare' é "o mais adequado”.

No evento desta terça-feira, Biden assinou uma ordem executiva para fechar uma “falha familiar” na implementação da lei de 2010, que o seu governo acredita que ajudará a alargar a 200.000 pessoas a cobertura de cuidados de saúde acessíveis.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados