Dois ex-polícias condenados a penas de prisão por violarem direitos civis de George Floyd

Agência Lusa , CF
27 jul, 22:57
Funeral de George Floyd

Alexander Kueng e Tao Thao foram condenados a três e três anos e meio de cadeia, respetivamente, por não terem impedido a morte do afro-americano

Dois ex-polícias de Minneapolis, EUA, que tinham sido condenados por violar os direitos civis de George Floyd, no seu assassínio em maio de 2020, foram sentenciados esta quarta-feira em tribunal a três e a três anos e meio de cadeia.

O polícia J. Alexander Kueng foi condenado a três anos e o seu colega Tao Thao a três anos e meio de cadeia, por duas acusações de violação dos direitos civis de George Floyd, o afro-americano de 46 anos que morreu asfixiado às mãos da polícia, em 25 de maio de 2020.

O júri considerou que os dois ex-agentes privaram Floyd de cuidados médicos e não conseguiram travar o seu colega Derek Chauvin enquanto este se ajoelhou no pescoço de Floyd por nove minutos e meio, provocando a sua morte.

O juiz do tribunal federal disse que as penas refletem o seu nível de culpa, num caso que provocou manifestações em todo o mundo contra o racismo e a violência policial.

O tribunal deu como provado que, enquanto Chauvin se ajoelhou sobre o pescoço de Floyd, Kueng segurou as costas do afro-americano, Thomas Lane (um outro agente que se deu como culpado) segurou os pés e Thao manteve os transeuntes afastados durante o assassínio, que foi registado em vídeo.

Um mês depois de Chauvin ter sido condenado por assassínio e homicídio num tribunal estadual, o Governo federal apresentou em maio de 2021 as acusações contra todos os quatro polícias envolvidos no episódio.

Esse gesto de Washington foi interpretado como uma afirmação das prioridades do Departamento de Justiça para lidar com as desigualdades raciais na polícia, uma promessa feita pelo Presidente Joe Biden antes da sua eleição.

Derek Chauvin - que se declarou culpado no ano passado por violar os direitos civis de Floyd e os direitos civis de um adolescente em um caso não relacionado - foi condenado a 21 anos de prisão federal.

Lane – que, durante os incidentes, perguntou por duas vezes se Floyd deveria ser colocado de lado para que pudesse respirar - foi condenado e sentenciado na semana passada a dois anos e meio de cadeia – uma sentença que o irmão de Floyd, Philonise, chamou de “insultuosa”.

Kueng e Thao ainda podem recorrer das condenações no tribunal federal.

Se vierem a declarar-se culpados num tribunal estadual, qualquer recurso federal será discutível, disse Mike Brandt, advogado de defesa criminal que acompanha o caso, embora admitindo que é difícil ganhar um recurso num tribunal federal.

Lane, que se declarou culpado de uma acusação estadual por ajudar e favorecer o ato de homicídio - foi autorizado a permanecer em liberdade sob fiança, após ter recorrido da sentença federal.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados