Reservas a menos de metade levam a cortes no consumo de água em Espanha

Agência Lusa , FMC
3 ago, 16:52
Seca (EPA/Jorge Zapata)

Governos regionais e município do país estão a adotar medidas de controlo, como o corte no abastecimento durante as horas noturnas, limites de consumo por pessoa em cada casa ou proibição de chuveiros nas praias, lavagem de carros e regas

Os governos regionais e municípios espanhóis estão a impor cortes no consumo de água por todo país, que vive a maior seca desde 1981 e tem as reservas de água em 40,4% da capacidade.

Segundo o Governo espanhol, as reservas hídricas do território continental estavam na terça-feira em 40,4% da capacidade total das albufeiras e barragens, com 22.689 hectómetros cúbicos de água armazenada, uma diminuição de 832 hectómetros cúbicos no período de uma semana.

Há um ano, havia 27.092 hectómetros cúbicos armazenados e a média dos últimos dez anos são 33.595, segundo os mesmos dados oficiais.

O armazenamento na terça-feira na bacia do rio Guadiana, um dos que Portugal e Espanha partilham, estava em 26,2% da capacidade total no território espanhol, um dos valores mais baixos registados no país.

Já no Douro e Tejo, outros rios que cruzam os dois países, as reservas de água estavam em 43,7% e 41,5% em Espanha, respetivamente, enquanto no caso do Minho superavam os 51%.

No caso do Guadiana, os 2.490 hectómetros cúbicos de água armazenada é menos de metade da média dos últimos dez anos (5.256).

No Douro, havia na segunda-feira reservas de 3.278 hectmómetros cúbicos de água na terça-feira, menos do que os 4.691 do ano passado e a média de 5.026 dos últimos dez anos.

No Tejo, o armazenamento está em 4.587, quando era 4.916 há um ano e a média da última década são 5.986.

O nível das reservas hídricas espanholas é resultado de "chuvas escassas" em todo o país, segundo o Ministério para a Transição Ecológica e Desafio Demográfico, que divulga estes dados.

Espanha vive este ano a maior seca desde 1981 e um verão até agora marcado por temperaturas "extremas" e três ondas de calor, segundo a agência espanhola de meteorologia (Aemet).

A falta de água tem levado governos regionais e municípios de todo o país a adotar medidas de controlo do consumo, com efeitos, sobretudo, desde o início deste mês, como corte no abastecimento durante horas noturnas, limites de consumo por pessoa em cada casa ou proibição de chuveiros nas praias, de lavagem de carros, regas de jardim e de encher piscinas privadas.

A situação afeta em especial as regiões da Galiza, Andaluzia e Catalunha, mas há medidas para corte de consumo de água a serem adotadas por todo o país.

No caso a Andaluzia, as barragens e bacias dos rios estão já abaixo da capacidade necessária para abastecer a população nos próximos meses, segundo as autoridades regionais.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados