Cientistas já invertem o envelhecimento em ratos. Seguem-se os seres humanos (até lá, ficam umas dicas para se sentir mais jovem)

CNN , Sandee LaMotte
12 jun, 09:00
Investigação sobre envelhecimentos em ratos

No laboratório do biólogo molecular David Sinclair, na Escola de Medicina de Harvard, os ratos velhos estão a tornar-se jovens novamente.

Utilizando proteínas que podem transformar uma célula adulta numa célula estaminal, Sinclair e a sua equipa reconfiguraram células envelhecidas de ratos transformando-as em versões rejuvenescidas dessas células. Na primeira descoberta da sua equipa, publicada em finais de 2020, ratos velhos com má visão e retinas danificadas puderam, de repente, voltar a ver, com uma visão por vezes ainda melhor do que a dos seus descendentes.

"É uma reconfiguração permanente, tanto quanto podemos dizer, e acreditamos que possa ser um processo universal aplicável em todo o corpo para reajustar a nossa idade", afirmou Sinclair, que passou os últimos 20 anos a estudar formas de inverter os malefícios do tempo.

"Se invertermos o envelhecimento, há doenças que não deverão ocorrer. Temos hoje a tecnologia necessária para podermos chegar aos 100 anos sem nos preocuparmos em contrair cancro aos 70, doenças cardíacas aos 80 e Alzheimer aos 90", revelou Sinclair a uma audiência na Life Itself, um evento de saúde e bem-estar apresentado em parceria com a CNN.

"É esta a realidade para onde o mundo se encaminha. É literalmente uma questão de quando lá chegaremos e, para a maioria de nós, isto vai acontecer no nosso período de existência", disse Sinclair à audiência.

"As suas pesquisas mostram que se pode retardar o envelhecimento para manter a juventude durante mais tempo. Agora ele quer mudar o mundo e fazer do envelhecimento uma doença", afirmou Whitney Casey, uma investidora que está a fazer uma parceria com Sinclair para criar um autoteste biológico de idade.

A medicina moderna estuda a doença, mas não aborda a causa subjacente, "que para a maioria das doenças, é o próprio envelhecimento", referiu Sinclair. "Sabemos que quando se inverte a idade de um órgão como o cérebro de um rato, as doenças do envelhecimento desaparecem. A memória regressa; não há mais demência."

"Acredito que, no futuro, atrasar e inverter o envelhecimento será a melhor forma de tratar as doenças que afligem a maioria das pessoas."

Um botão para reconfigurar

No laboratório de Sinclair, dois ratos sentam-se lado a lado. Um é o retrato da juventude, o outro é velho e fraco. No entanto, são irmão e irmã, nascidos da mesma ninhada - apenas um foi sujeito a alterações genéticas para envelhecer mais rapidamente.

Se se conseguiu fazer isto, conseguiremos fazer o contrário também?, perguntou Sinclair à sua equipa. O investigador biomédico japonês Shinya Yamanaka já tinha reprogramado células cutâneas adultas humanas para se comportarem como células estaminais embrionárias ou pluripotentes, capazes de se desenvolverem em qualquer célula do corpo. A descoberta de 2007 levou o cientista a merecer um Prémio Nobel, e as suas "células estaminais pluripotentes induzidas", rapidamente ficaram conhecidas como "fatores Yamanaka."

No entanto, as células adultas que são reconfiguradas e transformadas em células estaminais através de fatores Yamanaka perdem a sua identidade. Esquecem-se de que são células de sangue, coração e pele, tornando-as perfeitas para o renascimento como "cell du jour", mas péssimas no processo de rejuvenescimento. Não queremos que Brad Pitt no "The Curious Case of Benjamin Button" se torne um bebé de uma só vez; queremos que vá rejuvenescendo tendo sempre consciência de quem é.

Laboratórios de todo o mundo começaram a debruçar-se sobre este problema. Um estudo publicado em 2016 por investigadores do Salk Institute for Biological Studies em La Jolla, Califórnia, comprovou que alguns sinais de envelhecimento em ratos geneticamente envelhecidos, expostos durante um curto período a quatro fatores Yamanaka principais, poderiam ser eliminados sem apagar a identidade das células.

Mas houve um lado negativo em toda esta investigação: em certas situações, os ratos sujeitos a alterações genéticas desenvolveram tumores cancerígenos.

Em busca de uma alternativa mais segura, Yuancheng Lu, o geneticista do laboratório Sinclair, escolheu três dos quatro fatores e adicionou-os geneticamente a um vírus inofensivo. O vírus foi concebido para fornecer os fatores Yamanaka rejuvenescedores às células ganglionares danificadas da retina, na parte de trás do olho de um rato envelhecido. Depois de injetar o vírus no olho, os genes pluripotentes foram então ligados, alimentando o rato com um antibiótico.

"O antibiótico é apenas um instrumento. Pode, na verdade, ser qualquer produto químico, é apenas uma forma de ter a certeza de que os três genes estão ativos", referiu Sinclair. "Normalmente estão ativos apenas em embriões em desenvolvimento, muito jovens, e depois tornam-se inativos à medida que envelhecemos."

Surpreendentemente, os neurónios danificados nos olhos dos ratos injetados com as três células rejuvenesceram, desenvolvendo até novos axónios, ou projeções do olho para o cérebro. Desde esse estudo original, Sinclair afirmou que o seu laboratório inverteu o envelhecimento dos músculos e cérebros dos ratos e está agora a trabalhar no rejuvenescimento de todo o corpo de um rato.

"As células sabem, de alguma forma, que o corpo pode regenerar-se a si próprio, e sabem ainda quais os genes que deveriam estar ativos quando eram jovens", afirmou Sinclair. "Pensamos estar a entrar num antigo sistema de regeneração que alguns animais utilizam -- quando se corta o membro de uma salamandra, este volta a crescer. A cauda de um peixe volta a crescer; um dedo de um rato volta a crescer."

Essa descoberta indica que existe uma "cópia de segurança" de informação sobre a juventude armazenada no corpo, acrescentou.

"Chamo-lhe a teoria da informação sobre o envelhecimento", disse ele. "É uma perda de informação que leva as células envelhecidas a esquecer como funcionam, a esquecer que tipo de célula são. E agora podemos tocar num interruptor de reconfigurar que restabelece a capacidade de a célula ler corretamente o genoma novamente, como se fosse jovem."

Embora as mudanças tenham durado meses em ratos, as células renovadas não congelam no tempo sem nunca mais envelhecerem, referiu Sinclair. "É tão permanente como o envelhecimento. É uma reconfiguração, e depois vemos que os ratos envelhecem novamente, por isso repetimos o processo.

"Acreditamos ter encontrado o interruptor de controlo principal, uma forma de retroceder o relógio", acrescentou. "O corpo irá então acordar, lembrar-se-á de como se comportar, de como se regenerar e será novamente jovem, mesmo que já esteja velho e tenha alguma doença."

A ciência já sabe como retardar o envelhecimento humano

Os estudos - sobre se a intervenção genética que revitalizou os ratos fará o mesmo para as pessoas - estão em fases iniciais, revelou Sinclair. Serão necessários anos até que os ensaios em seres humanos estejam concluídos, analisados e, se forem seguros e bem-sucedidos, serão então ajustados para a amostra necessária para se obter um selo de aprovação federal.

Enquanto esperamos que a ciência determine se também nós podemos reconfigurar os nossos genes, existem muitas outras formas de retardar o processo de envelhecimento e reajustar os nossos relógios biológicos, afirmou Sinclair.

"As melhores dicas são simples: faça uma alimentação à base de vegetais, coma menos vezes, durma o suficiente, faça exercício físico de perder o fôlego durante 10 minutos, três vezes por semana, para manter a sua massa muscular, não dê importância a pequenos problemas e mantenha boas relações sociais", aconselhou Sinclair.

 

Todos estes comportamentos afetam o nosso epigenoma, proteínas e químicos que constituem uma espécie de sinais ou marcas de cada gene, que estão à espera se ativar para dizer ao gene "o que fazer, onde fazê-lo, e quando fazê-lo", de acordo com o Instituto Nacional de Investigação do Genoma Humano. O epigenoma ativa e desliga literalmente os genes.

O que controla o epigenoma? O comportamento humano e o próprio ambiente desempenham um papel fundamental. Digamos que nasceu com uma predisposição genética para doenças cardíacas e diabetes. Mas como praticou exercício físico, seguiu dieta à base de vegetais, dormiu bem e geriu o seu stress durante a maior parte da sua vida, é possível que esses genes nunca tenham sido ativados. É assim, dizem os especialistas, que podemos controlar uma parte do nosso destino genético.

Comer menos já pode ajudar

O impacto positivo para a nossa saúde de seguir uma dieta à base de vegetais, ter relações de amor próximas, fazer exercício e ter um sono adequado está bem comprovado. A restrição calórica, contudo, é uma forma mais controversa de acrescentar anos à vida, afirmam os especialistas.

Cortar na alimentação - sem induzir a desnutrição - tem sido uma forma cientificamente conhecida de prolongar a vida durante quase um século. Existem estudos sobre vermes, caranguejos, caracóis, moscas da fruta e roedores que revelaram que restringir as calorias "atrasa o aparecimento de doenças relacionadas com o envelhecimento", tais como cancro, doenças cardíacas e diabetes, de acordo com o Instituto Nacional sobre o Envelhecimento. Alguns estudos encontraram também um prolongamento da esperança de vida: Num estudo de 1986, ratos alimentados apenas com um terço das calorias de um dia típico viveram até 53 meses - um rato mantido como animal de estimação pode viver até cerca de 24 meses.

Os estudos nas pessoas, contudo, têm sido menos esclarecedores, em parte porque muitos se concentram na perda de peso em vez de se centrarem na longevidade. Para Sinclair, contudo, o corte nas refeições foi um fator significativo no reajustamento do seu próprio relógio biológico pessoal: os testes recentes mostram que tem uma idade biológica de 42 anos, num corpo nascido há 53 anos.

"Tenho estado a fazer um teste biológico há 10 anos, e tenho vindo a ficar cada vez mais jovem na última década", afirmou Sinclair. "A maior mudança no meu relógio biológico ocorreu quando comia com menos frequência - agora só como uma refeição por dia. Isso trouxe a mais significativa diferença à minha bioquímica."

 

Outras formas de andar para trás no tempo

Sinclair incorpora outras ferramentas na sua vida, com base na investigação do seu laboratório e noutros. No seu livro "Lifespan: Why We Age and Why We Don't Have To" (Tempo de vida: Porque envelhecemos e porque não temos de o fazer – em tradução livre), escreve que pouco do que faz foi submetido ao tipo de "testes clínicos rigorosos a longo prazo" necessários para ter um “conhecimento global da vasta gama de potenciais resultados". Na verdade, acrescentou, "não faço ideia se isto é sequer a coisa certa a fazer."

Com essa advertência, Sinclair está disposto a partilhar os seus conselhos: ele mantém os seus amidos e açúcares a um nível mínimo e desistiu das sobremesas aos 40 anos de idade (embora admita roubar dos outros pratos de vez em quando). Ingere uma boa quantidade de vegetais, evita comer carne de outros mamíferos e mantém o seu peso corporal no limite mínimo do ideal.

Exercita-se, dando muitos passos todos os dias, sobe as escadas em vez de andar de elevador e vai ao ginásio com o seu filho levantar pesos e correr para depois ir à sauna e dar um mergulho numa piscina gelada. "Tenho o meu corpo de 20 anos de idade de volta", disse, com um sorriso.

Falando de frio, a ciência há muito que apurou que as temperaturas mais baixas aumentam a longevidade em muitas espécies, mas que isso seja verdade ou não pode resultar do próprio genoma, de acordo com um estudo de 2018. Independentemente disso, parece que o frio pode aumentar a gordura castanha nos seres humanos, que é o tipo de gordura que os ursos utilizam para se manterem quentes durante a hibernação. Foi demonstrado que a gordura castanha melhora o metabolismo e combate a obesidade.

Sinclair toma diariamente vitaminas D e K2 e aspirina para bebés, juntamente com suplementos que se têm revelado promissores no aumento da longevidade em leveduras, ratos e células humanas em tubos de ensaio.

Um suplemento que toma depois de ter descoberto os seus benefícios é 1 grama de resveratrol, a substância antioxidante encontrada na pele das uvas, mirtilos, framboesas, amoras, amoras e amendoins.

Toma também 1 grama de metformina, um alimento básico no arsenal de fármacos utilizados para baixar os níveis de açúcar no sangue em pessoas com diabetes. Acrescentou-a na sequência dos estudos que demonstraram que poderia reduzir a inflamação, os danos oxidativos e a senescência celular, que ocorre quando as células estão danificadas, mas se recusam a morrer, permanecendo no corpo como um tipo de "célula zombie" com mau funcionamento.

No entanto, alguns cientistas questionam a utilização da metformina, apontando casos raros de acumulação de ácido láctico e uma falta de conhecimento sobre o seu funcionamento no organismo.

Sinclair também toma 1 grama de NMN, ou nicotinamida mononucleotídeo, que no corpo se transforma em NAD+, ou nicotinamida adenina dinucleotídeo. Coenzima que existe em todas as células vivas, o NAD+ desempenha um papel central nos processos biológicos do organismo, tais como a regulação da energia celular, o aumento da sensibilidade à insulina e a inversão da disfunção mitocondrial.

Quando o corpo envelhece, os níveis de NAD+ diminuem significativamente, reduzindo pela meia-idade para cerca de metade dos níveis da juventude, contribuindo para doenças metabólicas relacionadas com a idade e perturbações neurodegenerativas. Diversos estudos demonstraram que a restauração dos níveis de NAD+ melhora a saúde em geral e aumenta a esperança de vida em determinadas leveduras, ratos e cães. Os ensaios clínicos que testam a molécula em seres humanos estão em curso há três anos, afirmou Sinclair.

"Estes suplementos, e o estilo de vida que estou a fazer, foram concebidos para ativar as nossas defesas contra o envelhecimento", acrescentou. "No entanto, se fizermos isto, não andamos necessariamente para trás no tempo. Estas são apenas medidas que atrasam os danos epigenéticos e estas outras marcas terríveis do envelhecimento."

"Mas o verdadeiro avanço, a meu ver, foi a capacidade de simplesmente dizer ao corpo: 'Esquece isto tudo. Basta seres jovem de novo', ativando apenas num interruptor. Porém, não estou a dizer que vamos todos voltar a ter 20 anos de idade", afirmou Sinclair.

"Mas estou otimista de que podemos duplicar este processo muito fundamental que existe em todos os seres, desde um morcego, uma ovelha, uma baleia, a um ser humano. Fizemo-lo com um rato. Não há razão para pensar por que não pode funcionar também numa pessoa."

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Ciência

Mais Ciência

Patrocinados