A maioria das pessoas não conhece estes possíveis sinais de Alzheimer precoce

CNN , Kristen Rogers
28 mar, 10:00
"Não somos impotentes na luta contra a perda de memória e o declínio cognitivo", afirma o especialista Morgan Daven. Foto: Thierry Zoccolan/AFP/Getty Images

Muitas pessoas confundem a perda subtil de memória ou de outras capacidades cognitivas com o envelhecimento normal, mas este pode ser o início de um défice cognitivo que mais tarde pode levar à doença de Alzheimer

Se não conhece a expressão "défice cognitivo ligeiro," não é o único. Mais de 80% dos americanos desconhece este estado que afeta até 18% das pessoas com 60 ou mais anos e pode levar à doença de Alzheimer, segundo um novo estudo.

O défice cognitivo ligeiro é uma fase precoce da perda subtil de memória ou outras perdas de capacidade cognitiva, tais como de linguagem ou perceção visual/espacial, segundo uma pesquisa publicada no relatório de 2022 de Factos de Números da Doença de Alzheimer da Associação Alzheimer. Os indícios podem ser suficientemente graves para serem notados pela pessoa afetada e entes queridos, contudo, suficientemente moderados para que a pessoa afetada consiga manter a sua capacidade de realizar a maioria das atividades da vida quotidiana.

Muitas pessoas confundem este défice, frequentemente designado por DCL, com o envelhecimento normal, mas é diferente – cerca de um terço das pessoas com défice cognitivo ligeiro desenvolvem demência num período de cinco anos, devido à doença de Alzheimer, segundo a pesquisa.

Dependendo do tipo de DCL que as pessoas têm, podem ter dificuldade em recordar conversas, manter o controlo de tudo, manter o fio do raciocínio durante uma conversa, navegar num local normalmente familiar ou completar tarefas diárias, como pagar uma conta. Alguns indivíduos não entram em declínio crescente e outros revertem à função normal, de acordo com o relatório.

Para entender melhor a consciencialização, o diagnóstico e o tratamento do DCL nos Estados Unidos, a Associação Alzheimer encomendou uma pesquisa com mais de 2400 adultos e 801 médicos de cuidados primários, no final do ano passado. Todas as perguntas foram respondidas online ou por telefone. Mais de 80% dos participantes inicialmente tinham pouco ou nenhum conhecimento sobre o DCL; em seguida, quando informados sobre o que era a DCL, mais de 40% disseram que estavam preocupados com o desenvolvimento do estado no futuro.

"Foi surpreendente validar que tanto o público como os médicos de cuidados primários têm dificuldade na distinção entre défice cognitivo ligeiro vs. o que é considerado 'envelhecimento normal'", disse via e-mail Morgan Daven, vice-presidente de sistemas de saúde da Associação Alzheimer. "Esses resultados sublinham o muito trabalho que há a fazer para continuar a educar."

Oitenta e cinco por cento dos adultos disseram que gostariam de saber cedo se tinham a doença de Alzheimer para que pudessem planear, tratar os sintomas mais cedo, tomar medidas para preservar a função cognitiva ou entender o que está a acontecendo, segundo a pesquisa.

Mas apesar desta sensação de urgência, esses adultos também mostraram relutância em obter aconselhamento profissional se começassem a ter sintomas. Apenas 40% disseram que falariam com seu médico imediatamente se tivessem sintomas de DCL. Preocupações sobre a obtenção de ajuda incluíam possivelmente receber o diagnóstico ou o tratamento errado, descobrir um problema de saúde grave, ou acreditar que os sintomas podem desaparecer.

Hispânicos e negros americanos foram os menos propensos a quererem saber cedo.

O que causa o défice cognitivo ligeiro

Múltiplos fatores podem contribuir para o DCL, assim, DCL é mais um termo abrangente do que uma condição específica, segundo a pesquisa.

"Pode ser causado por fatores que são reversíveis, como deficiências vitamínicas ou situações médicas como disfunção da tiroide," afirmou o Dr. Richard Isaacson, diretor da Clínica de Prevenção de Alzheimer no Centro de Saúde Cerebral do Schmidt College of Medicine da Universidade Atlântica da Flórida.

"Algumas das causas melhoram e algumas pioram. Quando uma pessoa tem demência neurodegenerativa, essas pessoas, obviamente, tendem a entrar em declínio."

Outras causas possíveis incluem efeitos secundários da medicação; privação do sono; ansiedade; distúrbios neurológicos ou psiquiátricos; genética; distúrbios sistémicos, como tensão alta; acidente vascular cerebral ou outra doença vascular; e lesão cerebral traumática.

No geral, a variedade de fatores, sintomas amplos e a ausência de um teste de DCL podem tornar o diagnóstico de DCL difícil e desconfortável para muitos médicos, mostrou o estudo.

Protegendo o seu cérebro

Quando os médicos detectam DCL em doentes, geralmente recomendam mudanças de estilo de vida, fazem testes laboratoriais ou encaminham os doentes a um especialista, escreveram os escreveram.

"As pessoas podem assumir o controlo de sua saúde cerebral fazendo mudanças ativas nas suas vidas quotidianas", afirmou Isaacson. "Não se trata apenas de exercício, dieta, sono e stresse, mas também de situações médicas que os médicos de cuidados primários podem ajudar a otimizar e tratar -- como tensão alta, colesterol elevado e diabetes."

"Não somos impotentes na luta contra a perda de memória e o declínio cognitivo", acrescentou.

Mesmo que se sintam assustadas, procurar de imediato um médico é a coisa mais importante que as pessoas que estão a passar por alterações cognitivas podem fazer, afirmou Daven. "O diagnóstico precoce é importante e é a melhor oportunidade para gestão e tratamentos."

Família

Mais Família

Patrocinados