Cinco dicas para negociar um aumento salarial

21 nov, 15:13
Em 2021, a remuneração bruta mensal média aumentou 3,4% para 1.362 euros, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE). O aumento de 20% pedido pelo governo elevaria o salário médio mensal bruto para 1.633 euros em 2026 (Pixabay)

Antes de abordar o assunto deve fazer o seu trabalho de casa, de modo a saber exatamente o que quer e o que deve pedir

om uma conjuntura económica que regista a mais alta taxa de inflação desde há 30 anos, salário inalterados significam perda do poder de compra. Algumas empresas estão a rever a remuneração dos seus colaboradores, procedendo a aumentos salariais de acordo com a taxa de inflação, outras estão a optar por oferecer um ‘cheque inflação’ aos trabalhadores. No entanto, nem todos os profissionais são contemplados por uma destas opções.

“Se é um colaborador que traz valor à sua empresa, o momento não poderia ser melhor para negociar um aumento de salário”, sugere a Adecco Portugal.

Mas, antes de abordar o assunto de um aumento com o líder de equipa, deve fazer o trabalho de casa. “Para encontrar o aumento salarial desejado, utilize dados relevantes. Não solicite um aumento de 5% ou 10% com base num sentimento instintivo de que isso é o quanto merece”, aconselha a Adecco Portugal, em comunicado. Para ser mais eficaz, a recrutadora faz algumas recomendações.

1. Pesquise entre pares a remuneração média de profissionais com cargos similares

Para encontrar o número ‘mágico’, comece por pesquisar a remuneração média de profissionais com cargos similares ao seu. A pesquisa mais imediata que poderá fazer será consultar os seus pares, como ex-colegas de formação, profissionais com quem tenha estado em conferências ou em ações de requalificação, grupos nas redes sociais ligados a determinado ramo profissional. Desta forma, poderá obter informações sobre a média dos ordenados que estão a ser praticados.

“É importante falar em números líquidos e ilíquidos: um salário bruto está sujeito a descontos, nomeadamente Segurança Social e IRS, que variam de escalão em função do valor acordado, pelo que o salário líquido que recebe será sempre correspondente ao valor após dedução dos impostos em vigor”, esclarece.

Para saber qual o valor líquido do seu salário ideal, existem vários simuladores de vencimento online que pode consultar, entre os quais o simulador da Adecco Portugal.

2. Decida qual a faixa de salário que o satisfaz

Digamos que o salário médio anual mais justo para o seu título de emprego, nível de experiência e localização se situa entre os 20 e os 30 mil euros brutos por ano. De um modo geral, desejará apontar para o topo (regra dos 80-100%) dessa faixa. Neste caso, isso significaria que 24 a 30 mil euros preencheria as expectativas de aumento salarial.

“A chave da decisão é certificar-se de que se contentaria em receber um valor inferior ao seu intervalo de expectativas. Por outras palavras, a parte inferior do seu intervalo de objetivo é o aumento mínimo de salário que aceitaria. Se após múltiplas tentativas de negociação, o resultado ainda for o fundo do intervalo de variação solicitado, sentir-se-á feliz? É uma decisão pessoal que tem que ser colocada em perspetiva tendo em conta os seus objetivos e se, dentro da negociação a proposta final pode ser complementada com outros benefícios que lhe tragam valor.”

3. Determine o valor exato do salário

Agora que conhece o seu intervalo de salário, é altura de decidir sobre o valor exato que vai utilizar para fazer o pedido de aumento salarial inicial e abrir a porta às negociações. “Mais uma vez, é uma boa ideia começar pelo valor mais alto”, sugere a consultora. “Deve assumir que as suas lideranças lhe vão contrapropor uma proposta de valor inferior. Se lhe concederem imediatamente o aumento proposto, parabéns. No entanto, é provável que proponham um número mais baixo, altura em que terá de decidir se vai aceitar, ou não, a contraoferta de volta.”

Além de começar pelo valor mais alto, números precisos (em oposição aos números ‘redondos’) poderão dar-lhe vantagem na negociação. “Significa que fez uma pesquisa detalhada e atenta antes da negociação. Assim, em vez de pedir 30 mil euros por ano, poderá propor 30.350 euros por ano. Vale a pena tentar”, assegura a Adecco Portugal.

4. Prepare argumentos convincentes para justificar o aumento salarial

Embora a assimetria entre procura e oferta no mercado de trabalho possa funcionar a seu favor como candidato a um aumento, não é sensato depender inteiramente da conjuntura de mercado. Uma parte essencial do pedido de aumento é “demonstrar (usar métricas e/ou exemplos claros) o valor que trouxe para a sua empresa no tempo em que lá trabalhou”.

“Realce os frutos do seu trabalho com números concretos para quantificar o que traz para a mesa. Tal não é possível em todos os casos, mas há sempre formas de medir o impacto que determinadas iniciativas têm numa organização.”

5. Peça o au-mento

Finalmente, concretize. “O pior que pode acontecer perante um pedido fundamentado de aumento salarial é responderem-lhe ‘Não’. Claro que este não é o cenário ideal, mas, se acontecer, a liderança vai ficar a saber que não está satisfeito com o seu salário. A empresa pode até nem ter reunidas as condições para dar um aumento nesse mês, mas provavelmente ficará no primeiro lugar da fila dos aumentos quando houver possibilidades para tal ou oferecer outro tipo de incentivos que demonstrem que reconhecem o seu valor.”

“Acima de tudo, tenha confiança no seu valor e permaneça profissional. E, se lhe aparecerem ofertas muito baixas, não tenha nunca receio de propor uma contraoferta que lhe pareça justa e em linha com as possibilidades da empresa: é isto que define uma negociação”, refere a Adecco Portugal. E, ao mesmo tempo, alerta: “Tente não se tornar tão inflexível sobre o seu aumento salarial alvo que não consiga apreciar uma oferta altamente competitiva.”

Dinheiro

Mais Dinheiro

Patrocinados