Desempregados inscritos nos centros de emprego aumentam 8,5% em maio

Agência Lusa
20 jun, 14:40
Números de inscritos nos centros de emprego é uma "fasquia simbólica"

No fim do mês de maio de 2024, estavam registados, nos serviços de emprego do continente e regiões autónomas, 310.263 pessoas desempregadas

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego diminuiu 2,5% em maio face ao mês anterior, mas aumentou 8,5% na comparação com o mesmo mês do ano passado, para 310.263 pessoas, divulgou esta quinta-feira o IEFP.

No fim do mês de maio de 2024, estavam registados, nos serviços de emprego do continente e regiões autónomas, 310.263 pessoas desempregadas, indicou o Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP), número que traduz um acréscimo de 24.408 pessoas sem trabalho face ao observado exatamente um ano antes.

Na comparação com a situação registada no mês imediatamente anterior, o IEFP assinala uma redução de 8.068 pessoas desempregadas.

Os dados estatísticos hoje divulgados mostram que para o aumento homólogo do desemprego registado contribuíram, sobretudo, as pessoas sem trabalho há menos de 12 meses (que aumentaram em 21.587), bem como os que procuram um novo emprego.

Em maio os centros de empregos tinham registados 193.584 desempregados há menos de 12 meses (abaixo dos 202.179 contabilizados em abril mas superando os 171.997 de há um ano). Já os inscritos há mais de um ano (o que os coloca na categoria de desempregados de longa duração) eram 116.679, tendo-se mantido estáveis face ao mês anterior e ligeiramente acima dos cerca de 114 mil registados em maio de 2023.

A nível regional, o desemprego aumentou em termos homólogos em todo o continente, com o valor mais acentuado a observar-se na região do Algarve (+13,6%). Já nos Açores e na Madeira, a comparação face à situação registada em maio de 2023 aponta para um recuo de, respetivamente, 15,6% e 19,6%.

Considerando os grupos profissionais dos desempregados registados no continente, o IEFP salienta como os mais representativos, os “trabalhadores não qualificados" (27,1%), “trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção segurança e vendedores” (19,9%), "pessoal administrativo" (12,2%) e "especialistas das atividades intelectuais e científicas" (10,4%).

Relativamente ao mês homólogo de 2023, o IEFP assinala um acréscimo no desemprego, na maioria dos grupos profissionais, com destaque para os "operadores de instalações e máquinas e trabalhadores da montagem" (+13,1%) e "trabalhadores qualificados da indústria, construção e artífices" (+12,5%) e "especialistas das atividades intelectuais e científicas" (+11,8%).

Ao longo do mês de maio inscreveram-se nos serviços de emprego de todo o país, 42.128 desempregados, o que corresponde a menos 357 em termos homólogos e a menos 3.739 face a abril.

As ofertas de emprego recebidas durante o mês de maio totalizaram 10.073, o que representa menos 2.687 ofertas face ao número registado em maio de 2023, mas mais 149 do que as de abril.

Economia

Mais Economia

Patrocinados