Emmanuel Macron pede sinal "positivo e claro" a pedido de adesão da Moldova à UE

Agência Lusa , FMC
15 jun, 20:47
Emmanuel Macron ( EPA/GUILLAUME HORCAJUELO)

Contudo, o presidente francês sublinha que devem ser mantidas as condições de adesão "para construir precisamente a unanimidade, o consenso"

O Presidente francês, Emmanuel Macron, pediu esta quarta-feira aos países da União Europeia para darem um "sinal positivo e claro" ao processo de adesão da Moldova à União Europeia (UE), mesmo que seja com "condições".

"A resposta será clara, mas haverá condições", disse Emmanuel Macron durante uma conferência de imprensa conjunta com a sua homóloga moldava, Maia Sandu, quando a França ocupa a presidência rotativa do Conselho da União Europeia, até 30 de junho.

"Devemos enviar um sinal positivo e claro à Moldova. No entanto, quero manter as condições para construir precisamente a unanimidade, o consenso”, defendeu Macron, na capital da Moldova.

O Presidente francês estabeleceu uma relação entre esta "mensagem positiva" que deseja e a situação geopolítica, marcada pela guerra na Ucrânia, país vizinho da Moldova, que acolheu dezenas de milhares de refugiados.

A Moldova apresentou a sua candidatura à UE em 3 de março, alguns dias depois da Ucrânia e algumas horas depois da Geórgia.

"Sabemos que a integração europeia da Moldova será um processo longo e complexo, que exigirá esforços sustentados. Sejamos claros, não procuramos atalhos neste processo. (...). Queremos ser julgados pelos nossos méritos”, reagiu a Presidente Maia Sandu.

Como “complemento” ao processo de adesão à UE, Emmanuel Macron voltou a defender o projeto de uma “comunidade política europeia”, proposto no início de maio e que poderá ser “finalizado a curto prazo” para tentar dar respostas nas áreas da “segurança, defesa, energia, infra-estruturas".

A presidente moldava apreciou positivamente esta solução alternativa avançada por Macron, que foi criticada por outros líderes como representando um "tratamento de segunda classe".

Macron viajou até à Roménia e à Moldova, num périplo inteiramente dedicado à guerra na Ucrânia, enquanto decorre em França a segunda volta das eleições legislativas, em que está em jogo a sua maioria parlamentar.

Esta foi a sua primeira visita ao leste da Europa desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Europa

Mais Europa

Patrocinados