Musk ridiculariza publicamente no Twitter funcionário que queria saber se tinha sido despedido

Agência Lusa , BC
8 mar 2023, 09:28
Twitter (AP Photo/Jeff Chiu)

Haraldur Throleifsson, que reside na Islândia e é deficiente motor, deixou de ter acesso ao computador do Twitter, empresa para a qual trabalhava desde 2021. Perante a falta de resposta do empregador, questionou o proprietário do Twitter na própria rede, que o maltratou e enxovalhou

O multimilionário proprietário da rede social Twitter, Elon Musk, despediu no domingo mais de 200 funcionários da empresa sem os avisar, entre os quais o deficiente motor Haraldur Throleifsson, que insistiu em obter uma confirmação do patrão.

Thorleifsson, que era, até há três dias, trabalhador do Twitter, só teve dúvidas sobre a sua situação laboral quando, no passado domingo, tentou entrar no seu computador para trabalhar e descobriu que deixara de ter acesso, o que aconteceu igualmente a mais 200 trabalhadores da empresa.

Poderia ter deduzido que, como muitos antes dele, nos caóticos meses de ‘layoff’ e despedimentos desde que Elon Musk tomou conta da empresa, tinha sido despedido.

Mas, em vez disso, após nove dias sem resposta do Twitter sobre se ainda tinha ou não emprego, Thorleifsson decidiu enviar a Musk uma mensagem na própria rede social (um ‘tweet’), para ver se chamava a atenção do multimilionário e obtinha uma resposta conclusiva sobre o seu posto de trabalho.

“Talvez se um número suficiente de pessoas ‘retweetar’ (reencaminhar para os seus contactos) esta mensagem, você me responda aqui?”, escreveu Thorleifsson na segunda-feira.

Ao fim de algum tempo, acabou por obter a sua resposta, após um diálogo surreal no Twitter com Musk, em que este o questionou sobre que trabalho fazia e sobre a sua deficiência e necessidades de acomodação (Thorleifsson tem distrofia muscular e desloca-se numa cadeira de rodas).

Elon Musk escreveu então um ‘tweet’ afirmando: “Thorleifsson tem uma conta ativa e conhecida no Twitter e é rico [e] a razão pela qual me confrontou em público foi para conseguir uma grande indemnização”.

 

Enquanto a conversa estava em curso, Thorleifsson indicou ter recebido uma mensagem de correio eletrónico a comunicar-lhe que já não trabalhava na empresa.

Residente na Islândia e com cerca de 141.000 seguidores no Twitter (Musk tem mais de 130 milhões), Thorleifsson começou a trabalhar para a empresa em 2021, quando os anteriores proprietários adquiriram a sua ‘startup’, Ueno.

Na altura, foi elogiado na comunicação social islandesa por ter optado por receber o preço da compra em forma de salários mensais - em vez de uma enorme quantia de uma só vez -, porque assim, pagaria impostos mais elevados à Islândia, o que contribuiria para apoiar os serviços sociais e a rede de segurança que o país oferece.

Thorleifsson respondeu a Musk também no Twitter, dizendo-lhe: “A razão pela qual lhe perguntei em público [se ainda tinha emprego ou não] foi porque nem o senhor, nem qualquer outra pessoa na empresa respondeu às minhas mensagens privadas”.

“Tinha todo o direito de me despedir. Mas teria sido bom avisar-me!”, acrescentou.

Questionado na rede social sobre o que vai fazer agora, o informático islandês respondeu: “Vou abrir um restaurante no centro de Reiquiavique em breve. Terá o nome da minha mãe”.

Relacionados

Mundo

Mais Mundo

Mais Lidas

Patrocinados