Elon Musk lança visto cinzento do Twitter e acaba com ele horas depois. "Vamos fazer uma data de coisas parvas"

10 nov, 12:43
Elon Musk (Getty Images)

Nova funcionalidade iria distinguir contas pagas das contas governamentais, de grandes companhias empresariais e de empresas de comunicações. Mas durou pouco

O Twitter revelou, esta quarta-feira, a nova etiqueta oficial do Twitter: cinzenta e que seria atribuída a altos perfis daquela rede social. Mas a novidade durou pouco. Horas depois do anúncio, e tão rápido como apareceu, a nova etiqueta (um visto cinzento, semelhante ao azul) desapareceu.

"Acabei com ela", assumiu Elon Musk no Twitter, horas depois do "visto" ter sido adicionado a contas governamentais, de grandes companhias empresariais e de empresas de comunicações, como foi o caso da AFP, BBC News, Apple, BMW, Casa Branca e até a conta do Papa Francisco, segundo a agência France Presse (AFP).

Para além de anunciar que tinha acabado com a novidade em poucas horas, o novo dono do Twitter explicou ainda que, nos próximos meses, aquela rede social vai fazer "uma data de coisas parvas". 

Please note that Twitter will do lots of dumb things in coming months.

We will keep what works & change what doesn’t.

— Elon Musk (@elonmusk) November 9, 2022

A nova etiqueta, que não vingou, seria uma forma de distinguir as contas que são verificadas pelo processo do Twitter daquelas que comprassem o visto azul através da nova subscrição Blue (por 7,99 dólares, cerca de oito euros).

De acordo com a AFP, apesar do visto cinzento ter caído, esta nova etiqueta ainda faz parte dos planos de mudança da rede social. Esther Crawford, a executiva que anunciou a mudança, garantiu que, por agora, se estão a "focar no governo e entidades comerciais para começar" o relançamento. 

Por sua vez, o novo dono do Twitter afirmou que a novidade precisa de algum trabalho, assim como a própria rede social, até porque ainda não está como deseja. 

"Temos muito que fazer do lado do software. Não posso enfatizar isso o suficiente", afirmou Musk no Twitter.

Musk assumiu o controlo do Twitter na passada semana, depois de comprar a rede social por 44 mil milhões de euros, tendo dissolvido de imediato o conselho de administração, além de expulsar os principais quadros e demitir cerca de metade dos 7.500 funcionários, incluindo toda a equipa dedicada aos direitos humanos.

Relacionados

Tecnologia

Mais Tecnologia

Patrocinados