Brasil patriota

3 nov, 08:18

A transição de poder num país polarizado

Brasil patriota, só na hora do gol
Brasil patriota, só na hora do show
Mas quando a lama avança
A pátria não é tão gentil

Há por estes dias um regresso obrigatório às linhas da extraordinária reflexão de Lucas Santtana em Brasil Patriota, protesto triste, amargurado, alegórico, contra a ideia de uma união tão ténue, tão frágil, ilusória, contaminada pelas divisões.

E é nesta linha suspensa que caminha um Brasil partido ao meio, polarizado, a democracia em andamento mas num processo de transição pontuado por silêncios calculados e deliberados, preenchidos depois por meias palavras e reconhecimentos tácitos que semeiam dúvidas e abrem espaço a qualquer tipo de interpretação. É o que temos visto nas ruas de vários estados brasileiros com os bloqueios nas estradas em apoio ao Presidente recandidato, derrotado nas urnas. As mesmas urnas que engrossaram as bancadas dos partidos aliados desse Presidente recandidato e que fizeram dele Presidente-eleito há quatro anos. No jogo do tudo ou nada, o jogo dos silêncios e das meias palavras também marca golos. Com que resultado? Ficará por aqui? As autoridades, enroladas num caldo de interesses políticos, desorganização e até extremos cuidados para não inflamar reações ainda mais extremadas, vão desfazendo os bloqueios. Mas desfeitos estes bloqueios, outros virão?

São questões que valem 58 milhões de respostas, a metade de um campo de dois países e que apenas reconhece um líder,  inconformado com o desfecho da noite eleitoral, num estado de negação que acelerou o seu isolamento político,  precisamente pelos receios dos resultados desse jogo de tudo ou nada alimentado durante anos. Uma linha de separação tão ténue, tão frágil e que tão dificilmente contém o ódio cego num barril de pólvora a fervilhar. Até estalar em imagens de saudações nazi feitas por centenas ou brasileiros a atropelarem brasileiros. Ou ainda pior, se vier. 

E o canto dos pássaros

No aparente fatalismo do tema de Santtana, há também um apelo ao recomeço necessário, total, libertado dos ódios que contaminaram o Brasil recente. O verdadeiro patriotismo é esse.

Colunistas

Mais Colunistas

Patrocinados