Depois de ter comprado o Twitter (onde há um certo pânico em curso), Elon Musk apela ao voto nos republicanos

Agência Lusa , CE
7 nov, 17:18
Elon Musk (Getty Images)

Esta terça-feira há eleições intercalares nos EUA

O magnata Elon Musk apelou esta segunda-feira ao voto no Partido Republicano, nas eleições intercalares de terça-feira, argumentando a necessidade de tornar o Congresso um contrapeso à Casa Branca controlada pelos Democratas.

"A partilha de poder limita os piores excessos de ambos os partidos. É por isso que recomendo o voto por um Congresso Republicano", escreveu Musk no Twitter, a rede social que adquiriu recentemente.

A recomendação de voto de Musk está a alimentar preocupações nos eleitores norte-americanos, que temem que o novo dono do Twitter use esta rede social com fins políticos.

O empresário tem dito que acredita que os militantes dos dois partidos dificilmente alterarão o seu sentido de voto, pelo que o seu apelo de hoje é dirigido aos independentes, “que são quem realmente decidirá”.

Nas últimas semanas, Musk recebeu elogios do ex-presidente Republicano Donald Trump, que aplaudiu a compra do Twitter por Musk, dizendo que esta rede social passou a estar nas mãos de “uma pessoa sã”.

As eleições intercalares norte-americanas, em 8 de novembro, determinarão qual o partido que controlará o Congresso nos dois últimos anos do mandato do Presidente Joe Biden, estando também em jogo 36 governos estaduais e vários referendos estaduais a medidas sobre questões-chave, incluindo aborto e drogas leves.

Em disputa estarão todos os 435 lugares na Câmara dos Representantes, onde os democratas atualmente têm uma estreita maioria de cinco assentos, e ainda 35 lugares no Senado, onde os democratas têm uma maioria apenas graças ao voto de desempate da vice-presidente Kamala Harris.

As eleições podem não apenas mudar a cara do Congresso norte-americano, mas também levar ao poder governadores e autoridades locais totalmente comprometidos com as ideias de Donald Trump. Uma derrota muito pesada nestas próximas eleições pode complicar ainda mais o cenário de um segundo mandato presidencial para Joe Biden.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados