Taxa de inflação desacelera para 9% em agosto

Agência Lusa , FMC
31 ago, 09:46

Os dados divulgados pelo INE indicam que a inflação desceu de 9,1% para 9,0%

A taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) terá diminuído para 9,0% em agosto, face aos 9,1% de julho, estimou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com a estimativa rápida divulgada pelo instituto estatístico, “tendo por base a informação já apurada, a taxa de variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) terá diminuído para 9,0% em agosto (9,1% em julho)”.

Quanto ao indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) terá registado uma variação de 6,5% (6,2% no mês anterior), registo mais elevado desde março de 1994.

Inflação na zona euro atinge novo máximo

A inflação anual voltou a subir na zona euro em agosto, atingindo um novo máximo de 9,1%, face aos 8,9% de julho, um aumento novamente motivado sobretudo pelos preços da energia, segundo estimativa esta quarta-feira publicada pelo Eurostat.

A estimativa rápida esta quarta-feira divulgada pelo gabinete oficial de estatísticas da União Europeia revela que a taxa de inflação anual - medida pelo Índice Harmonizado de Preços ao Consumidor – continua a subir e atinge em agosto um novo ‘pico’ no espaço da moeda única, de 9,1%, duas décimas acima do valor registado no mês anterior mas que compara com 3,0% em agosto de 2021.

Analisando as principais componentes da inflação da zona euro, o serviço estatístico comunitário adianta que a energia volta a ser, de forma destacada, a que mais pesa (38,3%, contra 39,6% em julho passado), seguida da alimentação, álcool e tabaco (10,6%, contra 9,8% em julho), dos bens industriais não energéticos (5,0%, contra 4,5% em julho) e dos serviços (3,8%, contra 3,7% um mês antes).

A taxa de inflação na zona euro tem vindo a acelerar desde junho de 2021, principalmente devido à subida dos preços da energia, e a atingir valores recorde desde novembro.

Relacionados

Economia

Mais Economia

Patrocinados