Lembra-se dos D'zrt? E de como tudo começou? Factos e curiosidades que pode recordar hoje

29 jul, 21:33

 

 

 

Banda nasceu na série da TVI "Morangos com Açúcar", em 2004, e tornou-se na boysband de mais sucesso dos anos 2000. Agora, três fotos publicadas por Paulo Vintém, Edmundo Vieira e Vítor Fonseca deixaram os fãs em polvorosa. Será que vem aí um novo "Verão Azul"?

Corria o ano de 2004, "Morangos com Açúcar" era um sucesso na televisão e Angélico Vieira, Paulo Vintém, Edmundo Vieira e Vítor Fonseca (Cifrão) foram os escolhidos para a banda da série da TVI que se viria a tornar na boysband portuguesa de mais sucesso deste século. Depois de um intervalo de 12 anos, a banda anunciou no Jornal das 8 da TVI, esta sexta-feira, um regresso aos palcos agendado para o final de abril, em Lisboa

Os jovens foram escolhidos em casting para a série e, sem imaginar o "sucesso" que se seguiria", acabariam escolhidos para integrar a banda. Mas, se na série a banda até era para ter tido uma vocalista feminina, certo é que os nervos de palco acabariam por deitar essa ideia por terra e os fãs de "Morangos com Açúcar" veriam nascer os D'zrt (que nem eram para se chamar assim, mas já lá vamos) e ouvir pela primeira vez a música que liderou os tops das rádios ao longo de 33 semanas consecutivas.

"Quase que não tivemos essa noção da ascensão e do crescimento, porque foi tudo tão fulminante a partir do momento em que a série sai e fizemos o nosso primeiro concerto", explicou Paulo Vintém, no programa "D'zrt - O Reencontro", transmitido na TVI Ficção, em dezembro do ano passado.

"Para Mim Tanto Me Faz", single de estreia da banda, era uma cover da música "Teenage Superstar" (2003), da cantora neerlandesa Kim-Lian, e tornou-se um êxito em Portugal, levando o álbum, lançado em 2005, a ser o mais vendido do ano. 

"'Para mim tanto me faz' é um publishing. Era aquela primeira música e não é nossa", afirmou Paulo Vintém.

Angélico Vieira, Paulo Vintém, Edmundo Vieira e Vítor Fonseca em concerto em 2005

No mesmo ano, a banda, que arrastava multidões em concertos pelo país fora, lançou o álbum "Ao Vivo no Coliseu", que ficou no top ao longo de 34 semanas. Já o álbum "Original", lançado em 2006, recebeu tripla platina. 

A banda anunciaria o seu fim em 2007 e, como presente para os fãs, lançaram o álbum "A Despedida". No entanto, em 2009, a banda ainda lançou "Project" e só viria a terminar mesmo em 2010, após o concerto no Rock in Rio. No total, os cinco álbuns venderam mais de 500 mil cópias em Portugal e alcançaram 13 platinas.

Para além de "Para Mim Tanto Me Faz", "Verão Azul" e "Querer Voltar" foram outros dos grandes sucessos do grupo.

A banda que cresceu para lá da série

Mas, afinal, como nasceram os D'zrt? A banda fazia parte da série da TVI e era formada por quatro alunos da aula de música, cujo professor era Jorge Kapinha (ex-D'Arrasar). Inicialmente formada por Vicky (Rita Viegas), Zé Milho (Cifrão), Ruca (Edmundo Vieira) e Topê (Paulo Vintém), os nervos da personagem feminina acabaram por traí-la antes da primeira apresentação da banda e esta acabou substituída por David (Angélico Vieira). 

Apesar de a banda ter ficado conhecida pelo nome que irá sempre remeter para a tradução de sobremesa, a verdade é que, como explicou Patrícia Tavares, em entrevista ao programa "D'zrt - O Reencontro", o nome não era para ser esse.

"Os D'zrt eram quatro miúdos cheios de vontade de aprender, quando apareceram estavam cheios de vontade que tudo corresse bem e de andar nesta profissão e conseguiram. E há um dia que calha eles gravarem uma cena em que iam revelar o nome da banda. E o nome da banda seria Mecânica, porque tinha a lógica de que eles ensaiavam na oficina do pai da Ana Luísa [Cláudia Vieira]. Mas eles não gostaram. A quem é que eles foram pedir ajuda? A mim", recordou Patrícia Tavares.

A atriz, que fazia parte da direção de atores da série e dava vida à professora Bárbara (que fez par romântico com Angélico Vieira), contou ainda que estava adoentada nesse dia e que ficou "sem saber como solucionar aquilo".

"Mas eles estavam tão tristes e a cena para ser gravada que tínhamos de fazer alguma coisa. E assim, num momento de grande inspiração, que até hoje não consigo entender o que aconteceu, talvez a febre -, escrevi os nomes deles e, quase assim à primeira, pegando nas primeiras letras do nome de cada um deles [das personagens David, Zé Milho, Ruca e Topê], percebi que aquilo dava para escrever D’zrt. ‘Desert’ é ‘sobremesa’ em inglês e sobremesa podem ser morangos com açúcar", explicou, mostrando-se orgulhosa pelo "grande sucesso" que a banda alcançou.

Tendo ficado para sempre conhecidos como a banda dos "Morangos com Açúcar", os quatro jovens somaram concertos, clubes de fãs, recordes nas rádios, entrevistas em todos os meios de comunicação, produtos de merchandising e até cursos foram "tirando" nas horas de viagem e de espera dentro da carrinha da banda.

"Íamos para os concertos, marcávamos a hora de saída e o Cifrão chegava sempre à hora marcada, ou cinco ou dez minutos antes. Eu chegava sempre cinco ou dez horas depois. Estou a brincar. Eu chegava lá e o Cifrão começava a dar-me na cabeça", recordou Edmundo Vieira.

Já Vítor Fonseca lembrou que, perante estes atrasos, de Edmundo e de Angélico, quer ele quer Vintém já tinham "hobbies para fazer" enquanto esperavam que os colegas chegassem ou ficassem prontos. 

"Eu lia livros, ele tocava guitarra", recorda Cifrão, acrescentando que se Edmundo chegava "meia hora atrasado, o Angélico chegava uma hora atrasado". No entanto, nunca existiram discussões em que se deixassem de falar e o facto de passarem os dias inteiros juntos só os uniu ainda mais.

"Naquela altura, por mais cansaço que houvesse, por mais que quiséssemos parar para conseguir recuperar energias, entrávamos em palco e era como se tivéssemos dormido 12 horas. Aquela energia alimentava-nos."

O concerto cancelado em Bragança e a sessão de autógrafos que correu mal

A série estava a ser gravada em Tróia e a banda viajava entre a localização das gravações e o Norte do país, para dar concertos. O sono era reposto na carrinha durante as deslocações, garante Vintém.

"Houve uma semana em que gravámos em Tróia das 8 às 20, tivemos concerto em Vila Real, voltámos para Tróia, concerto em Braga, voltámos para Tróia, concerto em Bragança, voltámos para Tróia. Foram quatro concertos lá em cima no Norte em que voltámos para gravar [no dia seguinte] em Tróia às 8:00. Aquilo foi de loucos", recordou Paulo Vintém.

No entanto, um desses concertos haveria de ser cancelado quando a banda já tinha feito a viagem para o Norte e, para não desperdiçar a viagem (nem da banda, nem dos fãs), o manager sugeriu que dessem autógrafos às pessoas que o esperavam, uma ideia que acabou por não correr bem.

"Houve um concerto em que o palco voou, então o nosso road manager decidiu 'okay, as pessoas estão cá todas e vocês têm que fazer qualquer coisa porque está tudo a ficar maluco'. O concerto foi cancelado e então resolveram-nos pôr a dar autografos com aquelas fitas no meio das pessoas e estavam 20 mil pessoas. 20 mil pessoas à nossa volta. Obviamente aquelas baiazinhas de plástico voaram, as pessoas entraram, tudo chateado, tudo apertado, uma confusão gigante. Quando a carrinha entrou para nos tirar de lá, era tudo a bater nas janelas", contou Cifrão.

O final da banda

Foram três anos e meio de sucessos intensos, que veriam o fim anunciado logo em 2007. A notícia levou os fãs do grupo a correrem para comprar os bilhetes para os concertos que faltavam. 

Em 2008, no concerto marcado para o Pavilhão Atlântico, os maiores fãs estavam lá e houve muitas lágrimas no momento de dizer adeus. (Recorde aqui a reportagem da TVI).

O espectáculo teve a duração de três horas e contou com vários convidados, entre os quais Zé Pedro, dos Xutos e Pontapés, Paulo Gonzo, Rita Viegas (a "Vicky"), Rita Guerra e Zé Manel.

O concerto ficou marcado pelas lágrimas, não só dos fãs, mas também dos membros da banda, que não conseguiram conter a emoção na hora do adeus.

No entanto, o adeus não foi definitivo, uma vez que a banda voltaria a subir ao palco, em 2010, no Rock in Rio Lisboa, onde já haviam marcado presença em 2006.

D'zrt no Rock in Rio

A banda portuguesa fez as honras da casa e abriu o palco mundo e os fãs de Cifrão, Edmundo, Angélico e Vintém mostraram que também tinham ensaiado para aquele momento. De "Verão Azul", passando por "Feeling" do novo projeto (e muitas coreografias mais sensuais com os músicos já em tronco nu), os D'zrt fechariam o concerto ao som de "Para Mim Tanto Me Faz" perante uma plateia ao rubro.

Os fãs ficaram na esperança de um regresso da banda, mas isso nunca aconteceu. Um ano depois, Angélico Vieira morreu, após um acidente na A1.

"Sentimos mesmo que, naquele momento, os D'zrt tinham acabado, porque os D'zrt não éramos nós individualmente. Cada um de nós tinha o peso repartido na banda e era impossível nós continuarmos qualquer tipo de coisa enquanto D'zrt a partir daquele momento. (...) Para nós, deixou mesmo de fazer sentido continuarmos com o projeto, porque o Angélico era uma das peças-chave", afirmou Vintém no programa da TVI Ficção.

"Preparados para um Verão Azul"?

Em dezembro do ano passado, a TVI Ficção exibiu o programa "D'zrt - O Reencontro", uma entrevista conduzida por Ana Rita Clara (que pode ser vista no TVI Player) e no dia de Natal exibiu o concerto da banda no Pavilhão Atlântico, em 2008. 

Foi nesse concerto que Vítor Fonseca acabou por rapar a crista, que se tinha tornado na sua imagem de marca (e da personagem "Zé Milho"), em frente ao público. Para Edmundo Vieira, esse momento significou que a banda tinha acabado e era altura de seguir em frente.

"Era o último concerto que nós íamos dar, para iniciarmos as nossas carreiras a solo. O momento simbólico em que o Cifrão corta o cabelo é aquele em que as pessoas percebem que é o ponto final", relembra Edmundo.

E assim fizeram. Cifrão enveredou pela dança, enquanto os restantes membros lançaram as carreiras a solo, com álbuns e concertos pelo país. Mas no coração dos fãs ficou sempre um sentimento de nostalgia, que se adensava cada vez que os membros da banda publicavam nas redes sociais fotos ou vídeos dos tempos dos "D'zrt". Esta semana não foi diferente. Três fotos publicadas em simultâneo por Paulo Vintém, Edmundo Vieira e Vítor Fonseca deixaram os fãs em polvorosa.

"Preparados para um Verão Azul?", questionou mesmo Vítor Fonseca. Os fãs inundaram os comentários das publicações a questionar se era desta que a banda se voltava a juntar. A banda confirmaria isso no Jornal das 8.

 

 

Música

Mais Música

Patrocinados