Da polémica na eletricidade à "superioridade" no gás: ministro do Ambiente garante que "Portugal está mais protegido que a maioria dos países"

1 ago, 21:54

Duarte Cordeiro falou das situações que estão a preocupar os portugueses, dizendo mesmo que há quem vá pagar menos pela eletricidade nos próximos tempos

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, reiterou esta segunda-feira que não está previsto um aumento de 40% no preço da eletricidade em agosto e assegurou que o Governo não deverá introduzir medidas adicionais para a poupança do consumo de gás.

Em entrevista ao Jornal das 8 da TVI (do mesmo grupo da CNN Portugal), Duarte Cordeiro começou por dizer que "não vai haver um aumento de 40% no preço da eletricidade no mês de agosto", lembrando que a Endesa já veio "desmentir" as declarações do seu presidente que davam conta de um aumento dos preços nesse valor. 

"No que diz respeito ao mercado regulado, não só não vamos ter aumentos, como tivemos uma diminuição neste semestre de 2,6% nos preços", aponta, lembrando que "a maioria dos clientes está protegida por tarifa fixa, por contrato, que vai além do período de duração até ao final do ano". 

Em relação aos clientes que "não têm necessariamente de ir ao mercado", o ministro considera que estes "sabem que o contexto do preço atual é muito diferente do praticado no ano passado" como consequência da invasão da Ucrânia. Ainda assim, o ministro faz uma ressalva: "Devem comparar os preços entre os vários comercializadores - foi reconfortante saber que a Endesa não vai aumentar os preços até ao final do ano, e, se necessário, [os clientes] poderão sempre migrar para a tarifa regulada."

Além disso, acrescenta, os clientes que estão dependentes do preço de mercado sabem também que "o Governo adotou o mecanismo ibérico que permite reduzir o preço no mercado livre face àquele que seria se não houvesse este mecanismo" - uma redução de cerca de 18%, de acordo com a Entidade Reguladora dos Serviços Elétricos.

"Portugal está mais protegido do que a grande maioria dos países, a grande generalidade dos consumidores não vai ter qualquer aumento para quem está no mercado regulado, vamos ter reduções de 2,6% e, para quem está no mercado livre, ou está protegido por tarifa fixa, vai encontrar um preço mais baixo do que encontraria se não houvesse mecanismo e, em última análise, as famílias poderão recorrer à tarifa regulada", resumiu.

Poupança de gás em Portugal "já é superior" à meta da UE

Questionado sobre se os portugueses terão de cumprir novas medidas para a poupança no consumo de gás para satisfazer as necessidades da União Europeia (UE), Duarte Cordeiro sublinhou que a redução do consumo de gás em Portugal "já é superior à meta estabelecida pela UE", como consequência do preço do gás, que "disparou", pelo que não estão previstas medidas adicionais nesse sentido.

"Só com o preço do gás como ele está, os portugueses têm conseguido alcançar níveis de redução de poupança de consumo de gás muito significativos e acima das metas da UE. Acreditamos que Portugal vai contar em condições de cumprir com os objetivos de redução de consumo de gás", afirma.

Ainda assim, o ministro adiantou que o Governo vai adotar um pacote de segurança já este mês de agosto que poderá incluir "medidas simbólicas que ajudem à sensibilização da população ao consumo" de gás.

Relacionados

Governo

Mais Governo

Patrocinados