Rússia liberta prisioneiros se eles lutarem na Ucrânia. Muitos estão a fazer a aposta mortal

Rússia liberta prisioneiros se eles lutarem na Ucrânia. Muitos estão a fazer a aposta mortal

CNN Portugal

Nick Paton Walsh, Daria Markina, Sebastian Shukla, Oleksandra Ochman e Darya Tarasova, CNN

Promessas de liberdade e de riqueza são feitas aos condenados em celas apertadas. As frenéticas chamadas telefónicas entre familiares e reclusos pesam na proposta. Depois, os prisioneiros desaparecem, deixando os seus entes queridos a peneirar os relatos de feridos que chegam aos hospitais.

Esta cena está a decorrer em comunidades de condenados em toda a Rússia. Com um exército regular esticado, após quase seis meses de execução de uma desastrosa e sangrenta invasão da Ucrânia, há cada vez mais provas de que o Kremlin está a fazer escolhas repulsivas na sua guerra repugnante, e a recrutar prisioneiros da Rússia para combater.

Ao longo de um mês de investigação, a CNN falou com reclusos apanhados no mais recente esquema de recrutamento da Rússia, juntamente com familiares e amigos seus. Os ativistas acreditam que centenas foram abordados em dezenas de prisões em toda a Rússia - desde assassinos a delinquentes de droga. Alguns foram mesmo retirados da prisão na Rússia onde se encontra preso um norte-americano de alto perfil, Paul Whelan. O seu irmão David disse, num comunicado de julho, que tinha ouvido que dez voluntários tinham deixado o IK17 na Mordovia para as linhas da frente na Ucrânia.

Dezenas de mensagens de texto entre familiares, que foram revistas pela CNN, detalham as tentadoras recompensas oferecidas para lutar na Ucrânia, onde o risco de morte é elevado. As últimas avaliações ocidentais sugerem que até 75 mil militares russos foram mortos ou feridos desde o início da invasão (uma reivindicação que o Kremlin negou).

Um prisioneiro falou com a CNN a partir da sua cela apertada, um gato a rastejar pelos beliches e uma ventoinha presa em cima de uma televisão velha tentava arrefecer o ar entre janelas com fortes barras. Preso durante vários anos por delitos relacionados com drogas, ele falou sob condição de anonimato usando um smartphone de contrabando - bastante comum no sistema prisional da Rússia - para delinear as condições oferecidas.

"Aceitarão assassinos, mas não violadores, pedófilos, extremistas ou terroristas", contou ele. "A oferta está numa amnistia ou perdão em seis meses. Alguém fala de 100 mil rublos por mês [cerca de 1600 euros], outros 200 mil [cerca de 3200 euros]. Tudo é diferente". Segundo disse, a oferta foi feita quando homens não identificados, que se acredita fazerem parte de uma empresa militar privada, chegaram à prisão na primeira quinzena de julho; a aceitação no programa levaria a duas semanas de treino na região de Rostov, no sul da Rússia. Embora tivesse dois anos de serviço militar, disse que os recrutadores não pareciam insistir na experiência militar.

"No meu caso, se for real, então sou a favor", disse o prisioneiro. "Pode fazer uma verdadeira diferença para mim: estar preso durante quase uma década ou sair em seis meses, se tiver sorte. Mas isso se tiver sorte. Só quero ir para casa, para as crianças, o mais depressa possível. Se esta opção é possível, então porque não?".

O prisioneiro disse que 50 reclusos já tinham sido selecionados para recrutamento e colocados em quarentena na prisão, mas ele tinha ouvido dizer que 400 se tinham candidatado. Os ativistas de direitos que trabalham no sistema prisional russo disseram desde o início de julho que tinham sido inundados com relatos de toda a Rússia de familiares ansiosos, preocupados com o destino dos seus reclusos.

"Nas últimas três semanas [em julho], há uma onda muito grande deste projeto para recrutar milhares de prisioneiros russos e enviá-los para a guerra", disse Vladimir Osechkin, chefe do Gulagu.net, um grupo de defesa dos prisioneiros.

Segundo Osechkin, a alguns foi prometido um pagamento às suas famílias de cinco milhões de rublos (cerca de 80 mil euros) se morressem, mas todas as recompensas financeiras poderiam nunca ser honradas. "Não há garantia, não há contrato real. É ilegal", afirmou.

"Pode fazer uma verdadeira diferença para mim: estar preso durante quase uma década, ou sair em seis meses, se tiver sorte. Mas isso se tiveres sorte". Um prisioneiro que falou com a CNN sob anonimato

 

Alguns dos prisioneiros e membros das suas famílias pareceram interessados em que o recrutamento prossiga, disse Osechkin, fazendo eco das respostas de algumas famílias de reclusos vistas pela CNN.

Osechkin especulou que os prisioneiros eficazmente seriam utilizados como isco, para atrair o fogo das posições ucranianas e permitir que os militares russos habituais atacassem com precisão. "Eles vão primeiro, e quando o exército ucraniano os vê, atacam-nos. Depois os soldados russos veem onde estão os ucranianos e bombardeiam o local".

A CNN contactou o Ministério da Defesa e o serviço prisional russo (FSIN) para comentários sobre as alegações de que os prisioneiros estão a ser recrutados para combater na Ucrânia. Nenhum deles respondeu.

Embora o recrutamento esteja no seu início, os primeiros relatórios surgiram entre familiares de prisioneiros feridos que foram hospitalizados na zona separatista de Luhansk, apoiada pela Rússia.

A CNN tem visto mensagens de texto trocadas entre familiares de reclusos que aparentemente já foram enviados para a linha da frente. Uma mulher detalha como contactou o seu marido, que se encontrava ferido num hospital de Luhansk. A mulher disse que apenas três prisioneiros da unidade de dez do seu marido ainda estavam vivos. A CNN está ciente da identidade do prisioneiro ferido, mas não pôde confirmar a sua hospitalização, uma vez que as instalações médicas separatistas estão veladas em segredo.

Outras mensagens entre parentes também detalhavam o desespero silencioso dos prisioneiros, apanhados num sistema judicial russo onde 99% dos casos levados a julgamento resultam em condenação, e a corrupção pesa muito sobre um sistema penal sobrecarregado. Este mês, um prisioneiro enviou uma mensagem ao seu irmão no WhatsApp sobre a sua decisão de ir a julgamento.

As opções de Moscovo para pessoal para combate diminuíram ao longo dos mais de cinco meses de invasão desajeitada e esgotante. O Presidente russo, Vladimir Putin, declarou inicialmente que não tinham sido destacados recrutas para a guerra, antes de o seu Ministério da Defesa admitir que tinham retirado alguns deles da linha da frente após o seu destacamento por aparente erro. O Kremlin disse que não haverá mobilização geral na Rússia, talvez temendo que essa política se revelasse impopular, especialmente se as perdas espalhadas pela população não alterassem significativamente a dinâmica no campo de batalha.

O recrutamento prisional está, segundo ativistas e prisioneiros, sob os auspícios do grupo militar privado Wagner, que não está sujeito à proibição dos militares russos de empregar prisioneiros. Os prisioneiros não partilharam quaisquer cópias dos seus contratos com os seus familiares ou ativistas, pelo que os termos precisos e o empregador permanecem pouco claros. O grupo Wagner - que opera a nível global e é liderado por Yevgeny Prigozhin, um homem conhecido como o chef de Putin - é o contratante militar mais ubíquo da Rússia. Prigozhin nega quaisquer laços com o grupo Wagner.

A falta de clareza, aliada ao silêncio dos seus entes queridos, só aumenta a ansiedade dos familiares. Oksana, meia-irmã de um prisioneiro russo a quem tinha sido proposto o destacamento, disse que a sua mãe estava inicialmente interessada em receber o salário do serviço do seu filho, mas, desde que ele desapareceu das suas aplicações de mensagens, estava preocupada.

"Eles são a parte menos protegida da população. Putin disse que não seriam enviados recrutas, mas foram. Com os condenados, será muito difícil revelar que eles foram enviados". Oksana, a meia-irmã de um prisioneiro a quem tinha sido proposto o destacamento

"Sabemos que ele estava em Rostov Oblast", disse Oksana, acrescentando que ele tinha dito estar na fábrica de outra prisão. "Ele telefonou-lhe com um novo número WhatsApp a 10 de julho e pediu-lhe que enviasse uma cópia do seu passaporte para que ela recebesse o seu salário", contou. Isto significava que era menos provável que ele estivesse na prisão, segundo ela, uma vez que os salários de um recluso do trabalho prisional são normalmente pagos na sua própria conta.

"Estou em contacto com muitos familiares e todos eles enfrentam o mesmo cenário: ‘Enviar detalhes do passaporte. Sem contacto", disse ela. "Eles são a parte menos protegida da população. Putin disse que não seriam enviados recrutas, mas foram. Com os condenados, será muito difícil revelar que foram enviados". O nome de Oksana foi alterado devido a preocupações de segurança.

Em finais de julho, a mãe recebeu uma mensagem de outro novo número, familiarmente em russo mal escrito, do seu filho. Ele insistiu que estava saudável, e OK, mas não deu pormenores sobre o seu paradeiro. "Ainda há algum tempo mas está a ir depressa", escreveu ele. "Quando puder eu telefono-lhe".

A mãe recebeu mais tarde uma chamada de uma pessoa que se apresentou como "contabilista", que se comprometeu a trazer-lhe o salário do seu filho em dinheiro uma semana depois.