Arundhati Roy: “Não há democracia quando se pode linchar, matar, encarcerar e boicotar 200 milhões de pessoas”
Faça scroll para continuar

Arundhati Roy: “Não há democracia quando se pode linchar, matar, encarcerar e boicotar 200 milhões de pessoas”

CNN

Arundhati Roy é autora de "O Deus das Pequenas Coisas", que ganhou o Prémio Booker em 1997, e de "O Ministério da Felicidade Suprema", que foi inscrito na lista do Prémio Man Booker em 2017. Coleções dos seus escritos políticos foram publicadas em "Coração Rebelde" (2018) e "Azadi" (2020). Vive em Nova Deli. As opiniões expressas neste artigo são suas.

Quando dois porta-vozes do partido nacionalista hindu Bharatiya Janata [Partido do Povo Indiano], que governa na Índia, fizeram comentários pejorativos sobre o Profeta Maomé no mês passado, isso provocou uma tempestade internacional.

O incidente provocou protestos entre a minoria muçulmana indiana em vários estados. Algumas nações de maioria muçulmana convocaram os seus embaixadores indianos. O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Índia disse que os comentários não refletiam a opinião do governo, e os funcionários envolvidos - um dos quais retirou mais tarde os seus comentários - enfrentaram um processo disciplinar.

Mas para os 200 milhões de muçulmanos na Índia, estes comentários não foram um incidente isolado.

Pelo contrário, foram o culminar de uma "fabricação de ódio contra um inimigo comum" por parte do BJP, afirma a escritora best-seller indiana Arundhati Roy.

"A tragédia da Índia não é ser o pior lugar do mundo - é estarmos a caminhar para isso. Estamos a incendiar a nossa casa. A Índia é uma experiência que está a falhar perigosamente", diz à CNN.

"Muitos, muitos dos meus amigos queridos - poetas, escritores, professores, advogados, ativistas de direitos humanos e jornalistas - estão na prisão, muitos deles acusados ao abrigo de uma lei terrível, chamada Lei de Prevenção de Atividades Ilegítimas, todos eles por falarem em nome das minorias, Dalits e habitantes da floresta que enfrentam deslocações e terror de Estado.”

"Entre eles estão pessoas que considero serem as mentes mais importantes da Índia. Faz-nos pensar no que significa viver como pessoa livre no tempo do fascismo. O que significa ser uma escritora best-seller quando o mundo está a colapsar?", escreve Roy.

Nesta entrevista por e-mail à CNN, Roy afirma que a política indiana tem algo em comum com os motins do Capitólio nos Estados Unidos, que o primeiro-ministro Narendra Modi está a alimentar o ódio, e fala sobre com quem está o verdadeiro poder na Índia.

 

CNN: O que é que este incidente envolvendo os comentários de funcionários do BJP sobre o Profeta Maomé revela sobre a política indiana de hoje?
Roy:
Revela quão grande tem sido o sucesso em mascarar a atual e clara ameaça existencial, representada pelo nacionalismo hindu na Índia, na face que apresenta ao mundo exterior. Sabe as pessoas com roupas estranhas, o homem com peles e chifres que assaltou o Capitólio dos EUA? Estamos a ser governados pelo seu equivalente aqui. A diferença é que eles não são uma coleção aleatória de lunáticos. São membros da organização mais poderosa da Índia - a RSS (Rashtriya Swayamsevak Sangh [“Organização Nacional de Voluntários”]), cujos ideólogos fundadores admiraram abertamente Hitler e compararam os muçulmanos da Índia aos judeus da Alemanha. O RSS é o verdadeiro poder na Índia.

CNN: Qual é a ligação entre o BJP e o RSS?
Roy:
O partido no poder, o BJP (Bharatiya Janata Party), considerado um dos partidos políticos mais ricos do mundo, é apenas a face visível do RSS. Fundado em 1925, o RSS, tradicionalmente controlado por um punhado de brâmanes, tem agora milhões de membros, incluindo o primeiro-ministro, Narendra Modi, que é membro desde a sua adolescência, e a maioria dos seus ministros.

Tem a sua própria vasta milícia, as suas próprias escolas, sindicatos de trabalhadores e organizações de mulheres. Não é um partido político, é algo metamórfico, mestre da linguagem dupla, as suas fontes de financiamento são amorfas e não deixam qualquer rasto legal, trabalha através de uma série de afiliados, mas é uma nação dentro de uma nação.

O RSS acredita que a Índia deve ser declarada nação hindu, tal como o Paquistão, o Irão e vários países do Golfo Pérsico são nações islâmicas, tal como Israel é legalmente o "Estado-nação do povo judeu".

Uma manifestação contra a demolição pelo governo estatal da casa de um líder muçulmano local em Prayagraj, a 13 de junho. A demolição seguiu-se a confrontos depois de comentários controversos feitos por dois funcionários do BJP sobre o Profeta Maomé. Foto: Amarjeet Kumar Singh / Getty Images 

De facto, o RSS acredita no que chama "Akhand Bharat", uma espécie de fantasia que é futurista e antiga ao mesmo tempo - uma Índia Antiga futura, que inclui o Paquistão e o Bangladesh, que será conquistada e sujeita ao domínio hindu. Aplanar as espantosas identidades religiosas, sociais e subnacionais da Índia, mais diversas do que em toda a Europa, na rigorosa hierarquia de uma nação hindu moribunda, ligada por castas, é um processo inimaginavelmente violento. Significa pôr de lado a Constituição e desfazer a própria ideia da Índia.

Na primeira linha de fogo está a comunidade muçulmana. Logo a seguir estão os cristãos - uma minoria minúscula que também está a ser brutalizada. Só no ano passado, houve mais de 400 ataques contra cristãos. As igrejas foram vandalizadas, padres e freiras foram espancados, as suas congregações ameaçadas e humilhadas.

Nas duas últimas eleições nacionais, em 2014 e 2019, o BJP mostrou que pode ganhar uma maioria sólida no parlamento nacional sem os votos da forte comunidade muçulmana indiana de 200 milhões de pessoas. Isto resultou efetivamente numa espécie de privação de direitos e isolamento político dos muçulmanos, o que é extremamente perigoso.

Há também uma nova lei de cidadania antimuçulmana, uma espécie de política de fabricação-de-refugiados em que aqueles que não conseguem produzir um conjunto obrigatório de "documentos de legado", que poucas pessoas têm, podem ver-se privados de cidadania. Quase dois milhões de pessoas no Estado de Assam foram já retiradas do Registo Nacional de Cidadãos. Em todo o país estão a ser construídos centros de detenção em massa para aqueles que têm sido privados da cidadania.

Mas isolar os muçulmanos não é suficiente. Criar uma maioria artificial a partir de uma comunidade hindu muito diversa, que consiste em milhares de castas e etnias, é igualmente importante para que o BJP permaneça no poder. O cimento para isso é o ódio fabricado contra um inimigo comum. Isto requer um aumento gradual do fanatismo.

Além das mortes em massa e do linchamento de muçulmanos por vigilantes hindus nos últimos anos, temos o tamborilar constante do ódio e da estranha desinformação transportada para as casas das pessoas por cerca de 400 canais de televisão e inúmeros jornais. Nas redes sociais vistas por milhões de pessoas, há apelos abertos ao genocídio dos muçulmanos - e vídeos que demonstram como ele deve ser feito.

Assistimos regularmente a manifestações provocatórias de milhares de homens hindus empunhando espadas, marchando por áreas onde vivem muçulmanos. Os comentários profundamente desrespeitosos sobre o Profeta Maomé feitos por uma porta-voz do BJP na televisão nacional neste mês de maio fizeram parte deste exercício de construção de circunscrições eleitorais. Tal como o arrasar irrefletido, pelas autoridades municipais, das casas dos muçulmanos que se atreveram a sair em protesto.

Aplanar as identidades religiosas, sociais e subnacionais da Índia... na estrita hierarquia de uma nação hindu moribunda, ligada por castas, é um processo inimaginavelmente violento. Arundhati Roy

Alguns dos manifestantes pediram publicamente decapitações e enforcamentos, e pediram uma lei de blasfémia que o BJP provavelmente teria todo o prazer em aprovar e utilizar para silenciar os seus críticos de forma mais rápida e mortífera. Estes indivíduos ajudaram a confirmar todos os preconceitos profundamente impregnados sobre os muçulmanos, que a direita hindu trabalha tão arduamente para perpetuar.

Como concessão à fúria internacional, o BJP suspendeu a sua porta-voz, Nupur Sharma, mas ela foi abertamente abraçada pelos da sua linha. A polarização tem funcionado a favor do BJP.

CNN: E o que é que o primeiro-ministro, Narendra Modi, tem a ver com ela?
Roy:
Modi não fez qualquer comentário sobre a porta-voz ou sobre os protestos. Uma tática padrão da sua parte. Em situações como esta, os seus seguidores, creio, leram corretamente o seu silêncio como apoio. Embora ele se posicione cada vez mais como um messias, ele é um homem RSS, e sabe que a organização está a preparar outros líderes que estão à espera nas alas. Mas, por enquanto, ele é o incontestado cabeça de proa.

Modi fez a sua estreia política em outubro de 2001. Foi nomeado, e não eleito, ministro chefe do Estado de Gujarat. Foi apenas algumas semanas após os ataques de 11 de Setembro nos Estados Unidos. O mundo entrou em convulsão com a islamofobia. Era o clima político perfeito para o RSS.

Narendra Modi

Alguns meses mais tarde, em fevereiro de 2002, na sequência de um ato de fogo posto em que foi queimada uma carruagem ferroviária que transportava peregrinos hindus, houve um brutal pogrom contra os muçulmanos nas aldeias e cidades de Gujarat. Durou semanas. Enquanto a polícia observava, mais de mil pessoas foram chacinadas em plena luz do dia, mulheres foram violadas e queimadas vivas por bandos, e dezenas de milhares foram deslocadas das suas casas. Subsequentemente, os assassinos foram apanhados pelas câmaras a gabarem-se dos seus atos. Muitos falaram de como foram inspirados e protegidos por Modi.

Modi não se desculpou e ficou conhecido como "Hindu Hriday Samrat" - o Imperador dos Corações Hindus. Pouco depois do massacre de 2002, apelou à realização de eleições estatais e venceu com uma maioria maciça. Desde então, nunca mais olhou para trás - foi eleito ministro Chefe de Gujarat três mandatos e, em 2014, foi eleito primeiro-ministro. E nós, na Índia, começámos a considerar os massacres e o ódio contra os muçulmanos como parte integrante das campanhas eleitorais. Durante o mandato de Modi como ministro chefe de Gujarat, Hitler entrou num manual escolar publicado pelo Conselho Estadual de Gujarat como sendo um líder inspirador.

CNN: Ao longo dos anos, a popularidade de Modi e a sua marca de política não diminuiu. Porquê?
Roy:
Pelas mesmas razões que os estudos dos algoritmos do Facebook e Twitter mostram que o ódio ganha muito mais tração do que a decência. Pessoas miseráveis, pessoas oprimidas, desempregados, pessoas que vivem na pobreza esmagadora estão a votar em mais inferno, com os seus olhos fundos fixados no objeto do seu ódio.

Depois da chocante demonstração de incompetência insensível durante a pandemia - o súbito encerramento na primeira vaga que levou milhões de trabalhadores ao abandono, muitos dos quais tiveram de caminhar milhares de quilómetros até às suas aldeias, os milhões de mortos na segunda vaga - alguns ainda abanam a cabeça em pavor doloroso e dizem: "Sem Modi, teria sido pior".

Eles engoliram a história que lhes foi sendo alimentada sobre si próprios, sobre as suas próprias vidas. Entretanto, Modi não é sujeito a qualquer verificação. Nunca se dirigiu a uma única conferência de imprensa em todos os seus anos como primeiro-ministro. Tudo o que recebemos são atuações encenadas e operações fotográficas.

CNN: O que tem contribuído para esta situação em que o governo Modi se sente imune a qualquer reação ou ação internacional?
Roy:
Não creio que seja de todo imune. Pelo contrário, o nosso primeiro-ministro, um chefe de Estado que viaja e abraça pelo mundo, preocupa-se profundamente com a opinião internacional. Nenhum de nós jamais o viu abraçar um companheiro indiano. A imagem das suas viagens ao estrangeiro é cuidadosamente preparada. Os seus milhões de seguidores referem-se a ele como "Vishwa-Guru", o Guru de Todo o Mundo.

Barack Obama, Donald Trump, Angela Merkel, Emmanuel Macron, Boris Johnson, todos lhe fizeram a vontade. A ação e reação internacional é apenas um jogo de pragmatismo e oportunismo. Tem a ver com comércio e geopolítica, raça, religião e etnia, e muito pouco com valores e moralidade.

Se a Índia estiver a comprar uma frota de aviões de combate, digamos, à França, sabe que um linchamento ou um pequeno assassinato em massa irá, no máximo, provocar um delicado balançar de dedos. Um grande mercado é um excelente seguro contra a censura moral.

Neste momento, as relações externas são um pouco complicadas para a Índia devido à guerra da Ucrânia e à proximidade da Índia com a Rússia. Assim, os crimes da Índia em Caxemira e esta forma muito violenta de nacionalismo hindu estão a ser objeto de um pequeno escrutínio. Mas tudo isto são apenas fichas de negociação no Grande Jogo. Lamento soar tão cínica, mas sou.

CNN: Como devem os parceiros comerciais muçulmanos internacionais da Índia reagir? (E o mundo, já agora?)
Roy:
A maioria dos países a que se refere como os "parceiros comerciais muçulmanos" da Índia desistiram há muito tempo de qualquer pretensão de democracia ou diversidade. Eles já estão no destino para onde Modi e o BJP estão a tentar arrastar a Índia. O destino a que tememos chegar, o Estado teocrático.

A tragédia da Índia não é ser o pior lugar do mundo - é estarmos a caminhar para isso. Estamos a incendiar a nossa casa. A Índia é uma experiência que está a falhar perigosamente. A falhar porque os nossos líderes eleitos estão cegos pelo ódio - e diminuídos por uma falta grave de inteligência, que é a coisa mais perigosa. As consequências serão inimagináveis.

Quanto ao que o resto do mundo pode fazer, tudo o que se pode esperar é que as pessoas prestem atenção e criem uma opinião informada. E perceber que os seus lucros deste imenso "mercado" vão secar se o mercado deixar de existir. A economia indiana está em grandes dificuldades. Pessoas abastadas, empresas grandes e pequenas, começaram a fugir. São indicadores meteorológicos bons e precisos.

CNN: Será a Índia verdadeiramente a maior democracia do mundo?
Roy:
Uma democracia não significa apenas ter eleições regulares. Não se pode ser uma democracia quando se espera que 200 milhões de pessoas, que constituem uma minoria religiosa, vivam sem direitos. Quando se pode linchá-las, matá-las, encarcerá-las, boicotá-las económica e socialmente, arrasar as suas casas com total imunidade e ameaçar despojá-las da cidadania. Quando os assassinos e os linchadores podem aspirar a subir rapidamente a escadaria política.

CNN: O dano causado à democracia indiana - é reversível?
Roy:
A doutrinação sistemática de pessoas na escala em que tem acontecido ao longo de décadas é difícil de reverter. Todas as instituições que supostamente constituem o sistema de controlos e equilíbrios foram esvaziadas, redirecionadas e utilizadas contra as pessoas como uma arma do nacionalismo hindu. Em termos de oposição política, existem partidos políticos que se opuseram com sucesso ao BJP a nível estatal em Tamil Nadu, Bengala, Kerala, Maharashtra, Punjab, mas a oposição é praticamente inexistente a nível nacional.

Manifestantes muçulmanos num protesto, exigindo a prisão de Nupur Sharma, oficial do Partido Bharatiya Janata (BJP), na sequência dos seus comentários sobre o Profeta Maomé, em Calcutá, a 10 de Junho. Foto Samir Jana Getty Images

Todo o sistema de eleições foi tornado num jogo. É possível ganhar uma enorme maioria de assentos mesmo sem nada que se aproxime de uma maioria de votos reais. Na Índia, temos uma democracia multipartidária de maioria simples de votos. Isto significa que mesmo que se tenha, digamos, apenas 20% dos votos num círculo eleitoral, desde que este seja superior ao seu rival mais próximo, ganha-se. Um partido rico pode apresentar candidatos espúrios para dividir os votos. Mas isso é apenas um dos truques de um saco inteiro de truques.

E, de qualquer forma, como se seduz uma população doutrinada? Provando que se é um hindu melhor e mais orgulhoso? Ninguém consegue vencer o BJP nesse jogo. E, neste momento, esse é o único jogo que existe. No que diz respeito à política dominante.

Por isso, não, não acredito que os estragos sejam reversíveis. Acredito que vamos ser quebrados e depois renasceremos. A mudança só virá quando e se um povo acolhedor, ingénuo e fatalista se aperceber do que lhe está a ser feito. E então virá de repente, e da rua. Não do sistema. Até lá... Deus nos ajude.

CNN: Que mudanças experimentou pessoalmente, que façam eco das mudanças que ocorrem em geral na Índia?
Roy:
Para começar, muitos, muitos dos meus amigos queridos - poetas, escritores, professores, advogados, ativistas de direitos humanos e jornalistas - estão na prisão. Entre eles estão pessoas que considero serem as mentes mais importantes da Índia. Faz-nos pensar no que significa viver como pessoa livre no tempo do fascismo.

O que significa ser uma escritora best-seller quando o mundo está a colapsar? O que significa ser considerada um "sucesso" quando o mundo está a falhar e tudo o que lhe interessa está a ser dizimado? Qual é a forma moral de ser? A coisa moral a fazer?

Sou uma daquelas desafortunadas pessoas que viram há décadas isto a chegar. Eu disse-o. Eu escrevi-o. Na altura, isso fez de mim uma espécie de louca à parte - uma daquelas pessoas que dispara um alarme de incêndio quando a festa está a correr muito bem e todos estão felizes. De certa forma, isso tirou-me do lar (não da casa) de todas as maneiras, literal e metaforicamente - o que, na verdade, não é mau para um escritor.

O que significa ser uma escritora best-seller quando o mundo está a colapsar? Arundhati Roy

 

A ideia do patriotismo foi fundida com a ideia do nacionalismo hindu, pelo que pessoas como eu estão na lista A de "antinacionais". Claro que ajuda à sua causa o facto de eu não ser hindu. A mãe que me criou é cristã. O meu pai afastado, que nunca conheci realmente, veio de uma família hindu e converteu-se ao cristianismo, tal como o seu pai e o pai do seu pai. Mas isto não os enfurece tanto como as coisas que eu escrevo e digo. Particularmente sobre Caxemira. Um actor de Bollywood e membro do Parlamento do BJP sugeriu que eu fosse amarrada a um jipe do exército e usada como escudo humano pelo exército indiano em Caxemira. Eles deviam mesmo tentar isso.

Infelizmente, a macro-radicalização do BJP resultou em micro-versões da mesma coisa. É espelhado pelos seus aliados, pelos seus porteiros, pelos seus concierges e pelo pessoal de manutenção, bem como pelas suas vítimas. À medida que todos se voltam para dentro, amargos e doutrinários, à medida que toda a forma de solidariedade se desmorona, à medida que as montanhas de lixo crescem e os rios encolhem, à medida que as personagens-modelo presas nas suas pequenas bolhas ideológicas gritam uns com os outros na televisão, sinto a minha própria pele a apertar-me à minha volta, contendo-me também a mim. Luto contra isso todos os dias. A única casa que se tem é a literatura e a poesia. Aquela frase que te faz ofegar - ou rir em voz alta. A canção que te parte o coração.

A CNN: Que tipo de Índia gostaria de ver - e como chegamos lá?
Roy:
Os meus sonhos não são, nem nunca foram, limitados pela forma do mapa da Índia, ou de qualquer país. Sempre foram ou muito mais pequenos ou muito maiores. O sonho que vale a pena sonhar é o de ver o nosso mundo avançar para uma compreensão partilhada da justiça, por mais lenta que seja, em vez de nos afastarmos disso ao ritmo a que estamos.