As fotografias de Juergen Teller vão muito além da provocação

CNN , Fiona Sinclair Scott
22 nov, 14:48
Juergen Teller
Juergen Teller

Reenquadrar conceitos de sexo, fama e beleza. Há mais coisas no arquivo do criador de imagens alemão do que parece à primeira vista

PUB

O mais recente livro do fotógrafo Juergen Teller, "Donkey Man and Other Stories," é um tomo de 608 páginas de fotografias captadas ao longo de três décadas. A impressionante história por detrás do título e da imagem da capa – um autorretrato do fotógrafo alemão nu, deitado em cima de um burro – é contada dali a 50 páginas.

Uma pequena passagem chamada "A Viagem de Burro" conta a história de um angustiante incidente que ocorreu na Turquia, em meados da década de 80. Tal como Teller indica, ele e uma ex-namorada fizeram uma longa e assustadora viagem de autocarro que os levou a uma cidade deserta, onde a sua companheira de viagem se sentiu tão mal que foi parar ao hospital. Quando saiu um pouco da cabeceira da cama dela, Teller aventurou-se num passeio. Acabou por aceitar uma boleia, de burro, de um homem que o iria agredir sexualmente sobre o animal.

PUB

Ele conseguiu repelir o agressor, mas os pormenores da história são sinistros, e a experiência afetou-o de forma tão profunda que, durante anos, não conseguiu falar sobre o assunto. "Não contei a ninguém," disse ele durante uma entrevista no seu estúdio londrino. "Fiquei tão incomodado com aquilo, que obviamente... não consegui dizer nada à minha namorada da altura. Refugiei-me no meu próprio mundo e não interagia muito com o mundo exterior. Em parte, foi por causa disso que acabámos o namoro."

PUB
PUB
PUB

Após uma experiência tão horrenda, o que terá levado Teller a fotografar-se a si mesmo, décadas depois, nu e vulnerável, em cima de um burro?

A resposta tem origem em Frankfurt, em 2013, quando teve um flashback do incidente, enquanto trabalhava numa peça performativa com a artista alemã Anne Imhof. O papel de Teller era levar um burro do exterior da galeria Portikus para o espaço da exposição e amarrar o animal. Uma tarefa que não só o assustou (por medo de levar um coice) como também lhe trouxe memórias daquilo que acontecera na Turquia.

“Íntimo e pessoal”

Uns anos depois, foi o próprio Teller que arranjou um burro e fotografou a imagem da capa no seu estúdio, um amplo espaço em West London especialmente concebido para o efeito. "Eu disse: 'Preciso de um burro. Quero ter aqui um burro. E quero ficar nu em cima do burro. E quero escrever aquela história", explicou ele.

"Temos boas experiências, más experiências, experiências engraçadas. A vida está repleta de complexidades e eu queria mostrar isso."

PUB
PUB
PUB
Victoria Beckham, "Pernas, mala e sapatos," Campanha de Marc Jacobs, primavera verão 2008, Los Angeles, 2007. Créditos: Juergen Teller


Na hora de escolher a capa do livro, Teller reparou que podia ter usado uma das suas fotografias mais reconhecíveis. Ele tirou fotografias icónicas com Kate Moss, Victoria Beckham e Björk, entre outras estrelas que fariam “com que vendesse mais exemplares". Mas tinha de ser esta fotografia, disse ele, porque o projeto é "íntimo e pessoal".

O livro também contém imagens e testemunhos dos colaboradores mais próximos de Teller, como a atriz Charlotte Rampling, que Teller fotografou várias vezes. Numa das fotografias, tirada no átrio do estúdio dele, a atriz está sentada com um ar imponente, com uma bela raposa ao colo. Algumas páginas depois, vemo-la de novo de mãos e joelhos no chão, a comer e beber do mesmo prato que a raposa. O absurdo da cena é uma alegoria comum em Teller, cujo sentido de humor é frequentemente sarcástico.

Charlotte Rampling, uma Raposa e um Prato," No.15, revista Document, Londres, Créditos: Juergen Teller
PUB
PUB
PUB


 

Charlotte Rampling, uma Raposa e um Prato," No.9, revista Document, Londres 2016 Créditos: Juergen Teller

As fotografias de Teller talvez sejam um pouco provocatórias para alguns. Há muita nudez, formas fálicas e imagens de lesmas e sapos dispersas pelas páginas do livro. As imagens dele obrigam o leitor a questionar-se o que é sensual, humorístico ou triste.

Também não é dado a pedestais. Numa fotografia, Kim Kardashian West rasteja no chão com collants, botas, roupa interior e um casaco de peles e o rabo apontado para o ar. Entretanto, fotografias de Kristen McMenamy totalmente nua revelam as partes mais íntimas da modelo.

Mas Teller rejeita a ideia de que seja muito exigente. Diz que estas cenas surgem naturalmente e acrescenta que nunca pede a ninguém para fazer algo que considere impróprio. "Não faço nada por capricho ou sem que a pessoa saiba o que estou a fazer. Creio que fica sempre claro aquilo que pretendo."

Então, o que pretendia ele com a foto de Kim Kardashian? "Estava completamente interessado no rabo dela e no que se passa ali", disse ele sem rodeios.

PUB
PUB
PUB
Kanye, Juergen e Kim," No. 70, revista System, Château d'Ambleville, Val d'Oise, 2015. Créditos: Juergen Teller

Mas centrarmo-nos demasiado na natureza provocadora do trabalho dele seria redutor. E tal como ele disse, à boa moda alemã: "Os ingleses encaram a nudez com estranheza."

A obra de Teller tem muitos momentos tranquilos, tal como as várias imagens da mãe e da natureza. Uma série de fotografias comoventes que ele tirou às crianças doentes num hospital londrino e as fotografias do seu tio que estava a morrer são cruas e emotivas, contando uma história bastante diferente.

Tal como escreveu o editor da Vogue britânica, Edward Enninful , no seu tributo a Teller no livro, o fotógrafo mostra as pessoas “tal como elas são” e é destemido na sua franqueza.

Mãe com prato na floresta," Arena Homme Plus, Bubenreuth, Baviera, 2016 Créditos: Juergen Teller

 

Críticas e felicitações

É notável que a indústria da moda, um setor reconhecidamente controlador e obcecado por apresentar a perfeição, tenha acolhido o trabalho dele. Igualmente confuso é o facto de que Teller prefira a indústria da moda ao mundo da arte de muitas formas, considerando-a "mais autêntica". Mas o mundo da moda que ele vê, através dos seus trabalhos, é mesmo assim. Ele fotografou para muitas marcas de alta-costura, como o trabalho dele para Marc Jacobs, sobretudo a imagem de 2008 das pernas nuas de Victoria Beckham a sair de um saco de compras, e a fotografia de Joan Didion para Celine são algumas das campanhas mais famosas.

PUB
PUB
PUB
Edward Enninful No. 3, Arena Homme Plus, Londres, 2017 Créditos: Juergen Teller


Teller é um fotógrafo que surgiu na década de 90, uma época em que as revistas ainda eram a principal forma de aceder à moda e à cultura. Ele ficou famoso em publicações de culto como The Face e a i-D, e fotografou vários artigos para a Vogue. Segundo ele, este novo livro é uma prova do seu amor pelas revistas.

Apesar de tanto sucesso e distinções, o trabalho dele nem sempre foi bem compreendido. Uma reportagem fotográfica para a revista W tornou-se viral no ano passado, após ser criticada nas redes sociais porque as imagens pareciam desleixadas e desrespeitosas. A sessão fotográfica, que apresentava uma série de antigos e novos talentos de Hollywood, como James Corden, Riz Ahmed, Gal Gadot e Taylour Paige, foi feita numa rua comum de Los Angeles, com uma série de carros estacionados como pano de fundo. Um tweet de Ahmed, no qual ele disse: "Esta sessão de fotos da @wmag foi a mais rápida da minha vida. Vinte segundos, dois cliques. Juergen Teller é mesmo rebelde", esteve na origem das críticas. Fotografias que deveriam ser espontâneas foram rotuladas por muitas pessoas como displicentes.

PUB
PUB
PUB
Riz Ahmed No.1, revista W, Los Angeles, 2021. Créditos: Juergen Teller


Esta indignação apanhou Teller de surpresa, mas magoou-o. "Sim, claro que me importo com as críticas. Importo-me sempre. E muito." Afirmou ele, refletindo sobre as reações negativas. “O facto de não terem percebido incomodou-me muito."

Ele acabou por transformar essa experiência noutro projeto, publicando os tweets e memes na edição primavera/verão 2021 da revista Pop, com o título "Notas Sobre o Meu Trabalho."

Algumas das imagens também figuram numa nova exposição na Galeria Suzanne Tarasieve em Paris. Com o nome "Auguri," que em Italiano significa "parabéns", a exposição assinala um novo capítulo para o fotógrafo de 57 anos, que acaba de casar com a sua parceira criativa e musa, Dovile Drizyte. Uma das séries fotográficas em exibição, "We are Building our Future Together", mostra o casal vestido com coletes refletores em vários estaleiros de construção, em Veneza e Nápoles, onde casaram este verão. Uma das fotografias mostra o casal sorridente com capacetes amarelos, em poses divertidas com canos de esgoto.

PUB
PUB
PUB
“We are Building our Future Together" No.96, Nápoles, 2021 Créditos: Juergen Teller

 

Reviravolta Inesperada

A nossa entrevista foi consideravelmente longa, mas Teller tem muitas histórias para contar. Muitas mais são contadas no livro, tal como o episódio da sessão fotográfica de O.J. Simpson, a conhecida ex-estrela da NFL, em Miami. Simpson, de quem Teller mal podia esperar para se afastar, ter-lhe-á perguntado sem rodeios, "Juergen, para si, quem foi o assassino?" (referindo-se ao homicídio de Nicole Brown) ao que Teller respondeu: “O.J., não faço ideia. Eu não estava lá." Simpson soltou uma gargalhada, levantou as mãos para o céu e disse: "Só Deus sabe."

O.J. Simpson, "Only God knows," Miami, 2000. Créditos: Juergen Teller


Uma parte do livro é também dedicada a uma viagem que Teller e Drizyte fizeram ao Irão, mesmo antes da pandemia. Mais uma vez, há uma reviravolta inesperada quando o casal perde o voo de regresso e vai parar ao aeroporto de Teerão, no dia em que o Irão lançou vários mísseis para bases iraquianas com tropas americanas, em retaliação por um ataque com drones que matou o alto comandante iraniano Qasem Soleimani, na semana anterior.

PUB
PUB
PUB

Por incrível que pareça, ofereceram ao casal - que rejeitou – dois lugares no fatídico voo da Ukrainian Airlines, que foi abatido pelas forças iranianas pouco após a descolagem, matando as 176 pessoas que seguiam a bordo.

Fazer a curadoria de um livro desta dimensão poderia ser avassalador, mas Teller parece imperturbável. Na verdade, fez questão de referir que este é apenas o Volume 1, deixando a sugestão de que haverá uma continuação.

As ambições dele não se ficam por aqui. Está a preparar uma grandiosa mostra individual à escala de um museu, no Grand Palais Éphémère de Paris, um espaço com 10 mil metros quadrados, construído para receber exposições, enquanto o histórico Grand Palais está em obras. Ainda não se sabe como ele disporá do espaço, mas não restam dúvidas de que ele não terá dificuldade em preenchê-lo devidamente.

"Juergen Teller: Donkey Man and Other Stories," publicado pela Rizzoli, já está à venda.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Livros

Mais Livros