Trump mobiliza aliados para o defenderem nas audições sobre a invasão do Capitólio

CNN , Melanie Zanona, Zachary Cohen e Ryan Nobles
6 jun, 08:00
Eleições norte-americanas: republicanos pressionam Trump a conceder derrota

Ex-Presidente quer os aliados do "Make America Great Again" (MAGA) a apoiá-lo nas audições da Câmara que investigam a invasão do Capitólio, do 6 de Janeiro de 2021, que começam dia 9 de junho nos EUA.

O ex-Presidente Donald Trump deixou claro que está à procura de cobertura dos seus aliados mais próximos nas próximas audições públicas da comissão da Câmara que investiga a insurreição do 6 de Janeiro [aquando da invasão do Capitólio] - e alguns nomes proeminentes no Congresso e no Partido Republicano estão a responder à chamada.

A equipa de Trump comunicou a alguns dos seus mais leais acólitos no Capitólio que o antigo Presidente quer que as pessoas o defendam vigorosamente e o façam avançar na comissão enquanto as audições públicas decorrem, de acordo com fontes do Partido Republicano familiarizadas com o pedido.

Os membros da comissão fizeram saber que as audições poderão centrar-se no papel direto de Trump em minar os resultados eleitorais. O comité tem estado a trabalhar em direção à tese de que a obsessão de Trump ao perder as eleições e o seu fluxo de falsas alegações sobre os resultados foi o que lançou as bases para o violento e mortífero motim no Capitólio.

A insistência de Trump de que os seus aliados defendam a sua honra mobilizou republicanos tanto dentro como fora do Capitólio, com uma vasta gama de planos para protegê-lo. Isto apesar da crença de alguns republicanos, de que deveriam desviar as atenções do 6 de Janeiro e, em vez disso, continuar a bater os tambores quanto a questões económicas e culturais atuais que têm ressoado nos eleitores.

No Congresso, a resposta direcionada às audições será supervisionada pelo líder da Casa Minoritária, Kevin McCarthy da Califórnia, que tem vindo a coordenar o esforço de resposta com membros do Partido Republicano.

O republicano da Califórnia Kevin McCarthy está a enfrentar uma pressão acrescida para mostrar o seu apoio ao Trump, depois de ter sido apanhado em flagrante no início deste ano a criticar o antigo Presidente e alguns dos seus colegas do Partido Republicano, no rescaldo imediato do ataque ao Capitólio.

O principal ator para manter os republicanos na mesma mensagem será a presidente da Conferência do Partido Republicano da Câmara, Elise Stefanik de Nova Iorque, que emergiu como uma das defensoras mais fortes de Trump durante o seu primeiro “impeachment” e substituiu a republicada do Wyoming Liz Cheney na liderança republicana. Fontes dizem que Stefanik terá a tarefa de coordenar a resposta do partido às mensagens, e de assegurar que os aliados e substitutos fundamentais tenham os focos de intervenção.

"Tal como no impeachment, a pedido do Presidente Trump e da sua equipa, Stefanik vai desempenhar um papel de grande envergadura na defesa do Presidente Trump e dos republicanos da Câmara sobre a questão da integridade do processo eleitoral", disse uma fonte sénior do Partido Republicano.

Dois membros que a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, recusou que integrassem a comissão desempenharão também um papel fundamental na frente de mensagens: o deputado Jim Banks do Indiana, conservador que preside à Comissão de Estudos Republicanos; e o deputado Jim Jordan de Ohio, que participou no esforço para inverter os resultados das eleições de 2020.

LEIA TAMBÉM
Exclusivo CNN: Mensagens do dia da invasão do Capitólio dizem que Trump podia ter parado a violência

"Vamos recuar", disse Banks à CNN. "Houve falhas graves que ocorreram a 6 de Janeiro que têm de ser corrigidas. Esta comissão fictícia não fez nada para resolvê-los".

banks e outros republicanos, incluindo Rodney Davis do Illinois, o republicano principal na Comissão de Administração da Câmara, também têm estado a trabalhar na sua própria contra-investigação sobre o 6 de Janeiro, que se centra diretamente nas falhas de segurança desse dia. Banks afirmou que estão a ser dados os "retoques finais" num relatório que esboça as suas conclusões e que esperam que seja publicado "numa questão de semanas", o que poderá coincidir com o fim das audições da comissão.

Parte do desafio para os republicanos - especialmente depois de terem decidido boicotar a comissão - é que têm pouca perceção do que a investigação descobriu e do que poderá ser revelado nas audições públicas, o que lhes dificulta a definição de uma estratégia precisa.

Outra é a perspetiva de que a comissão se apoiará fortemente nos testemunhos de antigos ajudantes do vice-Presidente Mike Pence para ajudar a fazer a sua defesa - um cenário que poderia forçar os republicanos a escolherem lados de uma forma mais pública do que o fizeram anteriormente.

Os aliados do Trump e alguns agentes republicanos já esperam que os testemunhos dos antigos ajudantes de Pence sejam apresentados de forma proeminente nas audiências - apenas para aumentar a animosidade já latente entre os dois campos.

Embora a Conferência da Casa Republicana tenha os seus planos, existe um desafio mais específico para os cinco membros que foram intimados pela comissão como parte da sua investigação. McCarthy, Jordan, o deputado Scott Perry da Pensilvânia, o deputado Mo Brooks do Alabama e o deputado Andy Biggs do Arizona resistiram todos às tentativas da comissão de se sentar para depor e fornecer documentos como parte da sua investigação.

Todos os cinco correm o risco de que a comissão tenha informações sobre o seu papel nas tentativas de minar os resultados eleitorais ou sobre o próprio motim que poderão ser reveladas durante a audiência.

Jordan e outros legisladores tentaram antecipar esse risco, tentando definir a comissão e o seu trabalho como nada mais do que uma caça às bruxas político-partidária. Jordan delineou este argumento durante os telefonemas com financiadores conservadores, organizados por grupos republicanos de angariação de fundos, incluindo o CPAC.

Mas esses legisladores e republicanos, de uma forma mais ampla, estão a ponderar se poderão beneficiar de uma resposta completa - especialmente tendo em conta que lhes foi dada a oportunidade de testemunharem à porta fechada e que todos se recusaram até à data.

De fora do Capitólio, o Comité Nacional Republicano e Matt Schlapp, o presidente da Conferência de Acção Política Conservadora, deverão ser protagonistas importantes no contra-ataque do Governo, segundo fontes. Não está claro, contudo, se o próprio Trump fará uma aparição ou se o ponderará à medida que as audições se desenrolam.

Enquanto os planos do partido ainda estão a ser concretizados, é provável que o contra-ataque republicano tome a forma de conferências de imprensa, artigos de opinião, aparições em telejornais e em postos de comunicação social, disseram fontes familiarizadas com o processo. Também se tem falado de uma “sala de guerra” para melhor permitir ao Partido Republicano desencadear respostas rápidas e em tempo real às audiências.

Trump está agendado para a próxima semana com muitos dos intervenientes, onde a sua estratégia pessoal e as suas exigências poderão tornar-se mais claras. Na segunda-feira e no dia seguinte, irá organizar uma angariação de fundos para Stefanik, e depois reunir-se com membros do Hardline House Freedom Caucus, lar de alguns dos seus aliados mais firmes.

Contra-atacar ou mudar de assunto

Mas embora os republicanos estejam dispostos a fazer o jogo de Trump, existe uma verdadeira ansiedade de que contrariar demasiado desviará a atenção das áreas que eles acreditam que os ajudarão mais nas eleições de Outono.

"Só precisamos de reforçar a narrativa de que os democratas estão obcecados com Trump e com o passado e não estão interessados em lidar com os problemas do presente", disse um agente republicano sénior que trabalha nas corridas ao Senado em todo o país. "É Biden, é a inflação, é a fronteira, é o preço do gás. A maioria dos americanos não está a falar do 6 de Janeiro".

Em vez disso, alguns operacionais estão a dar aos seus clientes tópicos de intervenção para os preparar para as inevitáveis questões que irão surgir à volta da audiência, mas com o objetivo de orientar a conversa de volta para questões internas.

"Precisamos de lidar com as coisas à medida que elas surgem, mas o objetivo é mantermos na mensagem", disse o operacional. "Se fizermos bem o nosso trabalho, mostraremos que estamos concentrados nas questões de que a maioria dos americanos estão a tratar todos os dias".

Este sentimento é ecoado pelos membros republicanos com vontade de recuperar a maioria.

"A maioria dos americanos não gosta do que aconteceu no 6 de Janeiro, mas classificam-no lá em baixo na sua lista de importância, quando comparado com a inflação, o custo do gás, a fronteira e o crime", disse à CNN Don Bacon, um republicano do Nebraska que representa um distrito de onde Biden ganhou. "Uma vez que Pelosi expulsou dois membros do Partido Repubicano, o que antes deste Congresso nunca tinha sido feito na história da Câmara, a legitimidade da Comissão pelo nosso lado é zero".

Outros dentro do partido, incluindo legisladores e operacionais, sugeriram que o melhor caminho a seguir pode ser o de não fazer nada, porque acreditam que a maioria dos eleitores republicanos está a prestar muito pouca atenção às próximas audições e as apresentações são consideradas pouco suscetíveis de mudar a opinião pública entre a base do Partido Republicano.

"Muitas pessoas sentem que não devemos sequer contra-atacar", disse uma fonte, acrescentando que o pensamento é simplesmente deixar a comissão continuar a fazer o que está a fazer, porque na realidade está a prejudicar politicamente os membros e a ter um impacto muito limitado nos republicanos.

"Pode não haver concorrência, nenhum contra-ataque formal e nenhum custo organizacional, porque a nossa base de poder não está a assistir", acrescentaram.

Mas, como em qualquer coisa na política republicana, os melhores planos estabelecidos poderão facilmente ser rebentados por Trump, que pode insistir que os seus apoiantes demonstrem o seu apoio de forma vocal e sem reservas.

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados