Buscas à casa de Trump relacionadas com potenciais crimes de espionagem

12 ago, 19:59
Donald Trump chega ao Gabinete da PG de Nova Iorque

Os agentes da polícia federal americana conseguiram recuperar 20 caixas de documentos do resort de Donald Trump

O FBI recuperou 11 conjuntos de documentos classificados durante uma busca à propriedade do antigo presidente norte-americano Donald Trump, em Mar-a-Lago, na passada terça-feira, avança o jornal The Wall Street Journal. Segundo o mandado de busca, as autoridades acreditam estar em causa potenciais crimes de espionagem.

A publicação dá conta de que os agentes da polícia federal americana conseguiram recuperar 20 caixas de documentos do resort de Donald Trump, incluindo várias pastas, conjuntos de documentos governamentais classificados, fotografias e pelo menos uma nota manuscrita.

Entre as provas recolhidas está, pelo menos, um documento com o nível mais alto de secretismo do governo americano. O jornal não especifica qual o tema tratado nos documentos.

O conteúdo é considerado de tal forma sensível que só poderiam ser consultados em instalações governamentais especiais para esse propósito. 

Porém, o The Wall Street Journal garante que um dos documentos recolhidos está ligado ao indulto concedido pelo antigo conselheiro do presidente, o controverso consultor político Roger Stone, que foi condenado em 2019 de mentir ao congresso durante a investigação de interferência russa às eleições de 2016.

As informações avançadas dão ainda conta da existência de um documento referente ao “Presidente de França”.

As autoridades fundamentaram a busca na propriedade do antigo presidente norte-americano, com violações ao Espionage Act, utilizado para acusar pessoas que divulga informações classificadas, obstrução de justiça e manipulação criminal de registos governamentais, de acordo com o jornal The New York Times.

Um dos casos mais conhecidos de pessoas acusadas com com a Ato de Espionagem é o de Edward Snowden, que divulgou vários documentos acerca das práticas de espionagem generalizada da NSA (National Security Agency), em 2013.

A inclusão dos crimes indica que o Departamento de Justiça tem causa provável para investigar esses delitos, o que garante as autoridades o poder para reunir provas durante uma busca.

Até ao momento, ninguém foi acusado de qualquer crime.

O ex-presidente, cujo alegado papel para derrubar a eleição de 2020 está atualmente sob investigação no Distrito de Columbia, afirma estar “a trabalhar e a cooperar com as agências governamentais relevantes” e chamou a operação de “não necessária ou apropriada”.

O Departamento de Justiça tem estado a investigar a descoberta de caixas com informação classificada que foram levadas para Mar-a-Lago depois de terminada a presidência Trump. Não está claro se a busca do FBI está relacionada com este assunto.

Uma investigação separada relacionada com os esforços dos aliados de Trump para anular os resultados das eleições presidenciais de 2020 e o assalto ao Congresso, em 6 de janeiro de 2021, também se está a intensificar em Washington.

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados