Saiba tudo sobre o Euro aqui
opinião
Professor Universitário e Doutor em Cibersegurança

A disrupção digital da nossa geração

9 dez 2022, 11:48

Para perceber os desafios digitais que se colocaram recentemente à nação e ao mundo, é necessário perceber o que é a disrupção digital e o porquê da sua necessidade na atualidade.

Parte significativa das evoluções humanas advieram de alguma necessidade, seja ela no campo de batalha com uma nova arma ou no mesmo campo de batalha como um instrumento médico, como foi o caso do raio X portátil à mão de Marie Curie.

É certo que a evolução ou as novas invenções recebem sempre resistência; resistência que acaba por ditar o fracasso de muitas iniciativas ou o atraso sistemático do seu uso pela população em geral.

Marie Curie (Fonte: Academia Nobel)

Olhemos para o caso da pegada ecológica. Só foi percetível para as organizações que poderiam contribuir para a sua diminuição quando começaram a perceber que ter os colaboradores em casa as fazia poupar imenso valor, seja ele capital ou humano, devido à menor perda de colaboradores para situações de profissão mais confortáveis. Aqui, no caso da ecologia, a mudança é por reflexo e não por caso direto. Não pode ser considerada uma mudança disruptiva, mas, e o que levou a que esta mudança existisse? O que levou a que a pegada carbónica das organizações descesse a valores não vistos em mais de 50 anos num espaço temporal de 2 meses?

Voltando à componente da resistência humana à mudança. Essa é natural e está intrinsecamente ligada ao processo de defesa natural da nossa espécie. É por haver receio ao diferente, ao estável, ao “normal” que a nossa espécie encontra conforto e capacidade de se reproduzir em serenidade. Porém, esta evolução em números da nossa espécie não significa evolução, apenas significa crescimento.

As evoluções advêm de vários processos, alguns naturais, outros do estudo e os mais ousados do risco, do inesperado, da saída da zona de conforto. Olhando para o Padrão dos Descobrimentos com o Infante D. Henrique à cabeça, a sua tez não reflete tranquilidade, mas sim ousadia, desafio, curiosidade. Pode dizer-se que tal interpretação é feita pelo artista que desenhou o monumento; porém, quando nos colocamos em Sagres na falésia do Forte e olhamos para o horizonte, o que se sente é medo e em tempos alguém ali esteve e não teve medo de navegar até ao Bojador.

A disrupção é precisamente ditada por algo que não é previsto, que acontece, que não é medido em perfeitas condições, mas que há a necessidade de reagir e de se rapidamente adaptar. Usando este raciocínio, parta-se à aventura nestas linhas de texto para perceber.

A tecnologia é o suporte quase total da nossa existência atualmente. Se o que nos rodeia ainda não está digitalizado, como por exemplo entrar num parque de estacionamento e não ter de pagar em espécie, no futuro 100% desta operação o será. Extrapolando este raciocínio para tudo o que nos rodeia, é fácil perceber porque é ao ser humano tão difícil aceitar uma mudança neste cenário, e porquê?

Primeiramente porque o custo para aqui chegar foi imenso. Se falarmos de Portugal, o nosso país ainda é um dos mais iletrados no que respeita à tecnologia. Ela é cara e passar do analógico, dos procedimentos burocráticos em papel, para o digital foi extremamente oneroso para o nosso país e para o mundo em geral, mas acima de tudo demorado, muito demorado. A evolução carece de tempo para amadurecer e para que não haja rejeição. Qualquer coisa que altere este cenário de parcimónia é desconfortável e, portanto, descartada. Para acelerar esta inevitabilidade basta adicionar custo; o custo das coisas, das mudanças, do treino, do equipamento, etc. 

Nas sociedades, a mudança ou qualquer tipo de alteração ao status quo é altamente estudado, experimentado, passando por uma infinita fita vermelha que condiciona tudo de forma sistemática. Mas algo mudou. Com o aparecimento da SARS-COV2, o mundo teve de parar e teve de continuar a ser sustentável do ponto de vista económico. De um dia para o outro tudo parou e todas as pessoas foram enviadas para casa, crianças, adultos, todos. A paragem foi penosa para a economia e para as organizações, mas foi benéfica para a humanidade.

Fonte: McKinsey & Company

Em Portugal, no meio do ensino superior, apenas a Universidade Aberta estava qualificada para uma operação 100% online, mas a necessidade era global. Processos que ditam abertura ou encerramento de ciclos de estudo foram rapidamente ajustados para que na segunda-feira seguinte os alunos pudessem voltar à escola, para que o país não levasse um duro golpe no seu futuro pela interrupção do ensino. Mas em que é que isto foi disruptivo?

A par do ensino superior também o não superior teve de parar. A par desta paragem, também as empresas tiveram de suspender a sua atividade e legiões inteiras de trabalhadores estiveram em casa parados durante algum tempo. Mas em que é que isto foi disruptivo?

As ruas ficaram vazias e a imprensa estava focada na onda de choque devido ao avultado números de vítimas. As ruas ficaram vazias e reportava-se que Veneza havia sido visitada por golfinhos. Tudo estagnou e porquê? Porque o processo de ajuste é lento e a sociedade toma o seu tempo para tudo, até para abrir uma carta e ir pagar um imposto que, tradição por cá, é feito à última da hora, tal como as compras de Natal. Aqui chegados, ou algo acontecia ou a queda poderia ter um reflexo geracional.

Nas organizações a tecnologia já permitia trabalhar remotamente, mas em quantidades menores. Os serviços maioritariamente presenciais ou mudavam ou paravam. Aqui deu-se o evento catalisador da mudança, o tal evento disruptivo. Do dia para a noite, a reboque do desconhecimento das possíveis consequências, as empresas, as escolas, as sociedades tiveram de redesenhar os seus serviços, equipas, processos e tecnologias para poder acomodar por cá milhões de portugueses a trabalhar, estudar, a conviver, a passar a consoada e, acima de tudo, a visitar familiares no hospital e em muitos tristes casos, a carpir os mortos da nação de forma totalmente remota.

Quando se pergunta o que é a disrupção digital, a resposta é simples e complexa pois depende do ramo ou sector onde esta aconteceu e do raio de ação do evento. Usando o caso do ensino superior, a disrupção aconteceu porque, sem tempo para fazer ajustes, houve a necessidade de transformar um setor tipicamente presencial em algo que dispensasse a presença em sala. Todos os trâmites de todas as ações que levam o seu tempo e que carecem de comissões para tudo e que chegam algumas a demorar meses ou anos com estudos, em 15 dias estavam ultrapassadas com a simples fé. Sem saber o impacto real de colocar uma nação a trabalhar em casa e o peso nas tecnologias ou se estas na prática suportariam tal ato, deu-se o salto em frente como fizera em tempos o nosso Infante. Recorde-se que até na saúde tudo mudou com o rápido aparecimento das vacinas. Todos estavam preocupados com os ensaios clínicos e os seus timings, mas enquanto se decidia, morriam pessoas diariamente.

Fonte: McKinsey & Company

Foi disruptivo? Foi. Nada voltou a ser o que era antes em todos os aspetos do nosso dia a dia. As pessoas estão em casa ainda. As pessoas mudam de emprego porque não querem perder tempo nas filas de estrada, compram no supermercado diretamente online e encomendam o seu jantar sistematicamente pelo smartphone. O ensino remoto deixou de ser considerado de segunda por ser online. Deixou também de ser considerado desacompanhado e deficitário face ao que há dentro das salas de aulas. Os processos digitalizaram-se, as pessoas digitalizaram-se, os hábitos digitalizaram-se e o ensino evoluiu. Os professores passaram a usar os mecanismos até então típicos e únicos das empresas para poder dar aulas. Havia riscos? Sim, o usar algo que ainda não se conhece a 100% deu direito a várias aberturas de jornal com os invasores das sessões Zoom para incomodar o processo de ensino.

É graças a este evento disruptivo a nível mundial que todos os dias o processo de digitalização aumenta; mais inteligência artificial nos processos, redes mais avançadas como por exemplo o 5G, processos dispersos pela Cloud, mais automatismo, mais mobilidade, mais Internet das Coisas, mais realidade aumentada, visitas virtuais, comunicações, mais segurança, mais carros e camiões a conduzir autonomamente e cada vez menor dependência de equipas grandes.

Isto é Disrupção Digital porque antecipou o resultado da normal a evolução digital e está disponível já hoje.

Colunistas

Mais Colunistas

Mais Lidas

Patrocinados