Discutir com alguém que se ama é saudável, se for como deve ser. Saiba como fazê-lo

CNN , Sandee LaMotte
23 abr, 10:00
Casal a discutir

Esqueça o ditado "no amor e na guerra vale tudo" quando se trata de uma discussão com um ente querido. Os golpes baixos estão definitivamente fora, dizem os especialistas, e manter uma comunicação amorosa, sincera e aberta deve ser uma prioridade.

"Uma das coisas mais importantes que vimos na nossa pesquisa é que as pessoas beneficiam mais se forem diretas", declarou Jim McNulty, professor de psicologia na Universidade do Estado da Florida, que estudou recém-casados e relações próximas ao longo do tempo. "Estar com rodeios, insinuar coisas, ser sarcástico não funciona."

"Quando as pessoas têm perspetivas diferentes - e todos temos - é importante exprimi-las", declarou McNulty, "mas têm de o fazer de uma forma clara e tão construtiva quanto possível."

É saudável discutir – ou seja, carinhosamente

Se discutir com um ente querido é tão difícil, porquê fazê-lo? Muitas pessoas orgulham-se de nunca entrar em batalhas com os seus parceiros, disse McNulty. Foi um erro grave, declarou.

"Quando as pessoas evitam 'discutir', evitam falar", disse McNulty. "Estou constantemente a dizer à minha companheira: 'Se alguma coisa te está a incomodar, prefiro saber a não saber, para que possa fazer algo quanto a isso. Se não sei, não posso fazer nada."

Um estudo de 2008 que seguiu quase 200 casais durante 17 anos concluiu que casais em que ambos suprimiram a sua raiva no casamento eram os mais propensos a acabar mais cedo do que aqueles que não o fizeram.

"Evitar conflitos não funciona", disse Caitlin Cantor, uma terapeuta sexual certificada e especializada em indivíduos e casais em Filadélfia.

"Se puderem discutir e aprender a relacionar-se nas vossas diferenças e aprenderem mais um sobre o outro através da discussão, isso é realmente saudável."

Escolha uma boa hora para discutir

A maioria das pessoas vê o amor como um encontro de momento, muitas vezes desencadeado por sentimentos como "Não aguento mais isto".

"Nesses momentos é mais difícil morder a língua ou pensar no que está a dizer antes de o dizer", disse McNulty. "Muitas vezes, as pessoas arrependem-se do que dizem mais tarde, por isso tentam evitar estar nesses momentos."

Assim que começar a sentir a pressão, agende uma altura para discutir os teus sentimentos com o teu ente querido para que ambos estejam livres de distrações e stresse, disse McNulty. É mais difícil do que parece, acrescentou, porque muitas vezes as pessoas deixam as coisas acumularem-se até explodirem, ou enfrentam divergências quando estão cansadas, stressadas ou "irritadas".

E se se encontrar a discutir numa altura dessas?

"Carregar no botão de pausa e terminar a discussão pode ser bom", disse McNulty. Mas tem de ficar claro para o seu parceiro que está comprometido com a relação e na resolução do problema, só que agora pode não ser a melhor altura."

Analise os seus sentimentos

Agendar uma discussão também permitir que pense nos seus sentimentos e tente chegar ao fundo deles, dizem os especialistas. Mas não tente mencionar muito numa só vez: "Eu chamo-lhe 'pensamento de cozinha', atirar tudo o que está errado para a panela ao mesmo tempo", disse McNulty.

"É muito importante não fazer isso", disse Cantor. "Faz uma grande diferença quando se fala de uma coisa e de como nos sentimos magoados por isso."

E se não conseguir perceber porque se sente assim?

"Se as pessoas começam a sentir raiva que não faz muito sentido para eles, como 'Porque é que estou tão zangado com esta insignificância?' é provavelmente outra coisa completamente diferente", disse McNulty.

"É nessa altura que as pessoas podem precisar de fazer alguma introspeção e até de obter ajuda profissional para perceber porque estão infelizes", disse. "Se há questões significativas que continuam a repetir-se, é provavelmente uma boa altura para procurar ajuda também."

Seja bom ouvinte

Muitas pessoas pensam que uma discussão bem-sucedida tem tudo a ver com o quão bem comunicam os seus sentimentos ao seu parceiro. Fazê-lo é realmente importante, mas os especialistas dizem que é igualmente fundamental ouvir.

Ser bom ouvinte, disse Cantor, significa ser capaz de regular as suas emoções. Depois, quando ouvir algo de que não gosta, pode concentrar-se em compreender as palavras do parceiro em vez de ficar na defensiva, magoada ou zangada.

"Normalmente estamos a comunicar mal quando não verificamos o que estamos a ouvir", disse. "Estamos apenas a funcionar com o que pensamos que estamos a ouvir - e isso normalmente é baseado nas nossas reações defensivas e não no que está realmente a ser dito pelo nosso parceiro."

Pode fazer isso parando e repetindo ao parceiro o que pensava que ele tinha dito antes de responder com os seus próprios sentimentos, disse McNulty.

"Quando recuperar o fôlego e pedir esclarecimentos, vai ficar surpreendido com a frequência com que vai ouvir: 'Não, eu realmente quis dizer isto em vez disso'", disse McNulty.

Mas não o faça de forma acusatória, avisa McNulty: "Às vezes, as pessoas pensam que ouvir ativamente é apenas atirar à cara de alguém o que ouviram. Não é isso. É apenas um pedido calmo e comedido de esclarecimento."

Não diga "tu", "nunca" ou "sempre"

Evite colocar o seu parceiro na defensiva em qualquer desacordo. Quando começa por dizer: "Fazes-me sentir", não está a ter os seus sentimentos, disse Cantor.

"Há grande diferença entre dizer: 'Estás a fazer isto', ou 'És isto', contra 'sinto-me assim quando fazes isto'", disse ela. Usando a frase "sinto-me..." é muito menos provocador.

Usar sempre a palavra "eu" não é fácil, especialmente quando se está zangado com o parceiro, acrescentou.

"No início, tem de ser realmente intencional", disse Cantor. "Abrande e pense realmente no que realmente sente antes de falar."

Cuidado com a linguagem não-verbal

Escusado será dizer que usar um tom de voz desagradável com o seu ente querido vai dar mau resultado, mas também pode enviar mensagens insultuosas não-verbais, dizem especialistas.

"Revirar os olhos é uma das piores coisas que se pode fazer. Está a comunicar indiretamente que a outra pessoa é idiota”, disse McNulty.

Se está no limite, tente controlar-se com respiração profunda, disse Cantor.

"Se está realmente focado manter o controlo, pode manter-se calmo", disse. "Quer ser alguém que está a prestar atenção e a mostrar isso na linguagem e na linguagem corporal."

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Amor e Sexo

Mais Amor e Sexo

Patrocinados