Oito mitos sobre dieta, exercício e sono

CNN , Sandee LaMotte
23 jul, 17:00
Exercício físico

As crenças desenvolvidas na juventude sobre o que é ou não é saudável podem seguir-nos para toda a vida, dizem os especialistas. Mas e se essas crenças não se sustentarem no escrutínio científico?

Mito nº 1: As dietas populares estão por todo o lado, por isso devem resultar

Perder peso depressa. É sedutor, mas a dieta típica da moda, mesmo as mais estabelecidas, como a keto, enfatiza a limitação da ingestão nutricional, muitas vezes proibindo grupos alimentares inteiros. Keto, por exemplo, proíbe cereais, leguminosas e frutas, exceto um punhado de bagas. Cortar micronutrientes importantes não é saudável, e dietas restritivas "tendem a falhar a longo prazo", de acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA.

"Este tipo de restrição a longo prazo leva ao aumento de peso, não à perda de peso, e muitas vezes leva a flutuações de peso", disse Nina Taylor, gestora de educação da Aliança Nacional para os Distúrbios Alimentares.

Fazer dieta de forma intermitente pode acarretar flutuações de peso, chamando-se dieta ioió, e estudos têm ligado esse padrão alimentar a maior gordura corporal, tensão arterial e colesterol, tudo o que aumenta o risco de doença cardíaca coronária e morte cardíaca súbita nas mulheres.

Enveredar por uma dieta à base de plantas, controlar a ingestão de açúcar e limitar a alimentação inconsciente são ótimas formas de adicionar anos à sua vida, segundo demonstram várias investigações.

Mito nº 2: Não faz mal levar o smartphone para a cama

Quem não quer verificar as suas redes sociais uma última vez antes de as luzes se apagarem? Mas a ciência tem ligado o uso excessivo noturno de smartphones a problemas de sono, redução da duração do sono, cansaço diurno e até distúrbios de humor.

Quando usa o telemóvel, está a inundar os olhos com luz azul, o que elimina a produção de melatonina. Os peritos sugerem que se proíba qualquer luz de espetro LED uma hora antes de dormir.

Resumindo: Não leve o telemóvel e a sua luz azul nociva para a cama. Use um despertador à moda antiga para ajudá-lo a acordar.

Mito nº 3: As redes sociais podem inspirá-lo a fazer dieta e a praticar exercício

A pesquisa mostra que os jovens acreditam que recorrer a vídeos de fitness e dieta no TikTok, Facebook ou outras redes sociais os vai inspirar a serem uma melhor versão de si mesmos, disse Taylor.

"Eles acreditam que isso os vai motivar a praticar exercício ou a fazer dieta", disse Taylor. "No entanto, isso pode levar à insatisfação com o corpo - comparação social e muitas preocupações quanto ao corpo e ao peso. São todos fatores de risco para o desenvolvimento de distúrbios alimentares."

Os especialistas temem que a disforia corporal possa ter aumentado durante a pandemia, visto que mais jovens recorreram às redes sociais, ao mesmo tempo que se depararam com o isolamento social e viram as suas rotinas alteradas, disse Taylor.

"A alimentação desordenada é muitas vezes um mecanismo de defesa", disse. "É uma forma de sentir que se controla e lidar com emoções difíceis."

Comer intuitivamente é uma forma natural de ouvir as dicas do corpo quanto à fome e saciedade que os especialistas acreditam que cria uma forma mais saudável de comer. Alguns chamam-lhe "anti-dieta".

Mito nº 4: Carregar no snooze ajuda a dormir mais

À medida que a manhã se aproxima, o seu corpo está naturalmente a aproximar-se do fim do seu último movimento rápido dos olhos, ou ciclo de "sonho". Ao carregar no botão snooze, o seu cérebro volta a entrar num novo ciclo de sonho, dizem os especialistas. Quando o alarme tocar alguns minutos depois, é provável que esteja a meio desse ciclo e acorde grogue. E vai ficar grogue mais tempo.

Dica:  ponha o alarme do outro lado da sala, para que tenha de sair da cama para o desligar.

Mito nº 5: Pode perder gordura da barriga com abdominais

Na realidade, o exercício queima gordura em todo o corpo, não apenas a parte do corpo alvo dos seus treinos.

"Pode fazer um exercício para aumentar a força de um músculo, mas não pode especificar um local para remover a gordura", disse Angela Smith, ex-presidente da American College of Sports Medicine.

Especialistas sugerem aumentar a cardio para queimar gordura. Esforce-se para ter uma rotina de fitness equilibrada, variando a intensidade do treino para incluir treinos de alta e baixa intensidade.

Mito nº 6: É melhor ficar na cama com os olhos fechados quando não consegue dormir

Ficar na cama mais de 20 minutos se não conseguir dormir é uma das piores coisas que pode fazer, segundo especialistas de sono, porque treina o seu cérebro para associar a cama à falta de sono. Fazê-lo pode levar a insónias crónicas.

"É contraintuitivo, mas passar tempo acordado na cama transforma a cama na cadeira do dentista", declarou Michael Grandner, psicólogo clínico e especialista em sono, à CNN.

Em vez disso, levante-se e faça algo maçador, como dobrar roupa, até ficar com sono. Certifique-se que mantém a iluminação baixa e não veja o smartphone ou portátil.

Mito nº 7: Tenho que fazer exercício ou fazer dieta sempre para mudar o meu tipo de corpo

Há uma crença de que exercitar-se ou fazer dieta sempre pode mudar o seu tipo básico de corpo, disse Taylor. "Especialmente entre as faixas etárias mais jovens, a sensação é que ‘se eu fizesse uma dieta melhor, ou se me exercitasse mais, faria com que o meu corpo olhasse de uma certa maneira.’ A realidade é que há uma grande variedade e diversidade de tipos corporais que são todos normais e saudáveis."

A genética é a chave para como o exercício pode afetar o seu corpo, disse Smith. "Se os seus pais têm mais de 1,80m de altura, provavelmente não vai ter sucesso como ginasta, por exemplo", disse. "Parte disto pode ser determinado pela forma e dimensão dos músculos, e alguns deles podem ser determinados por equilíbrios hormonais que tinha à nascença."

A ideia de que todos podem perder ou ganhar peso ou aumentar para alguma imagem corporal ideal não faz sentido, disse Taylor. "Haverá sempre diversidade corporal. Afinal, nunca diriamos: "Devias ser mais alto," ou "Devias ser mais baixo," certo?"

Mito n.º 8: Suplementos de musculação anunciados nas redes sociais realmente funcionam

Os jovens do ensino secundário e universitário podem sentir que precisam de suplementos de treino de pesos depois de verem produtos anunciados nas redes sociais, declarou John Xerogeanes, chefe de medicina desportiva do Emory Orthopaedic & Spine Center e professor de ortopedia na Emory University School of Medicine, em Atlanta.

"O maior problema que tenho com os meus pacientes são os suplementos", disse Xerogeanes. "Um influenciador está a comercializar algo que é lixo completo e, de repente, o miúdo diz: 'Posso tomar este suplemento vou ficar com abdominais.'

Isso é um problema, disse ele, porque a Food and Drug Administration dos EUA não regula a indústria de suplementos.

"Pode dizer uma coisa no rótulo, mas realmente não sabe o que contém", disse Xerogeanes. "Os fabricantes podem pôr outros minerais ou até mesmo estimulantes na mistura, e é por isso que alguns atletas do liceu e da faculdade têm resultado positivo nos testes de doping."

Quando ele trabalha com equipas universitárias, disse: "Eu digo-lhes, se vão fazer algum suplemento, temos de ver o suplemento, e temos de o testar de forma independente."

Se tem uma dieta saudável e equilibrada, não é provável que precise de suplementos  a menos que esteja grávida, idosa ou que tenha uma limitação dietética específica

Vida Saudável

Mais Vida Saudável

Patrocinados