Portugal na rota dos detritos do foguetão chinês, "dos maiores que reentram na atmosfera nos últimos anos"

29 jul, 14:17
Lançamento do foguetão Soyuz MS-18

A queda deverá acontecer entre 30 a 31 de julho

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) alertou, esta quinta-feira, que os detritos do foguetão chinês lançado no domingo poderão atingir a Terra nos próximos dias, acrescentando que serão "dos maiores detritos que reentram na atmosfera nos últimos anos". Portugal está na lista de países que poderão ser atingidos.

No comunicado, pode-se ler que é "provável" que os detritos "voltem a entrar na atmosfera da Terra", sendo que a entrada irá acontecer "de forma descontrolada, entre 30 a 31 de julho de 2022".

"É difícil neste momento prever exatamente a trajetória dos detritos e onde na Terra as peças vão cair", ressalva a EASA. No entanto, são estimadas possíveis trajetórias de reentrada, sendo que os países que poderão ser afetados são Bulgária, França, Grécia, Itália, Malta, Portugal e Espanha.

A vermelho, os locais onde os detritos poderão cair (EASA)

O foguetão, que foi lançado a 24 de julho de 2022, tem uma massa estimada entre 17 e 22 toneladas, o que o torna "um dos maiores pedaços de detritos que reentram no atmosfera nos últimos anos". "Por isso, merece um acompanhamento cuidadoso", afirma a agência.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados