Desemprego em Portugal avança para 5,8%

9 nov, 11:09
IEFP

População desempregada em Portugal aumenta para 305,8 mil pessoas. Taxa de desemprego aumenta 0,1 pontos percentuais face ao segundo trimestre de 2022

A taxa de desemprego em Portugal no terceiro trimestre deste ano foi de 5,8%, uma décima acima dos 5,7% registados no trimestre anterior, mas uma descida de três décimas face aos 6,1% registados no terceiro trimestre do ano passado.

A população desempregada, estimada em 305,8 mil pessoas, registou um aumento na ordem dos 7 mil pessoas face ao trimestre anterior e de 12,9 mil pessoas face ao período homólogo. A taxa de desemprego sofre assim um aumento de 0,1 pontos percentuais (p.p.) face ao segundo trimestre de 2022, embora se mantenha 0,3 p.p. abaixo do registado em igual período de 2021.

Segundo os dados do INE, a proporção da população empregada em teletrabalho foi de 17%, ou 836,7 mil pessoas, o que indica uma queda de 2,6 p.p. face aos 19,6% verificados no segundo trimestre de 2022. O número médio de dias trabalhados em casa foi de quatro dias, em linha com o observado no trimestre anterior. Por sua vez, o número médio de dias trabalhados em casa para os trabalhadores em sistema híbrido foi de três dias.

Já a população empregada cresceu 0,6% (27,3 mil) para as 4.929,1 mil pessoas, em relação ao segundo trimestre do ano. Comparativamente ao trimestre homólogo, este aumento foi na ordem de 1% (51 mil).

Enquanto a população inativa com 16 e mais anos diminuiu 0,8% (29 mil) em relação ao segundo trimestre do ano, para as 3.575,4 mil pessoas, a população ativa, estimada em 5.234,9 mil pessoas, aumentou 0,7% contra igual período. Já relativamente ao homólogo, a população inativa caiu 1% (36,8 mil), ao passo que a população ativa aumentou igualmente 0,7%.

A contribuir para a evolução homóloga da população desempregada esteve, principalmente, o decréscimo de 5,7% (8,2 mil) no número de homens e de 13,9% (10,7 mil) das pessoas dos 16 aos 24 anos. O INE aponta ainda que este indicador foi influenciado pela queda de 15,3% (14,7 mil) da população com ensino superior, 5,2% (14,3 mil) que se encontravam à procura de novo emprego e 16,2% (24,8 mil) que se encontravam desempregados há 12 e mais meses.

Fonte: INE, Inquérito ao Emprego – 3.º trimestre de 2022

“No 3.º trimestre de 2022, 42,1% da população desempregada se encontrava nesta condição há 12 ou mais meses (desemprego de longa duração), valor inferior em 8,8 p.p. ao do trimestre precedente e em 6,0 p.p. ao do trimestre homólogo”, esclarece o INE.

Em linha com o aumento da taxa de desemprego esteve também a evolução da taxa de desemprego de jovens (16 a 24 anos). O INE estima que este indicador se encontre nos 18,8%, um valor superior em 2,1 p.p. face ao trimestre anterior, mas que se mantém inferior em 3,8 p.p. face a igual período homólogo.

O gabinete de estatística destaca ainda que a taxa de desemprego foi superior à média nacional em três regiões, nomeadamente na Área Metropolitana de Lisboa (7,6%), na Madeira (6,2%) e nos Açores (6%). Já na região norte, este indicador manteve-se igual (5,8%), e inferior nas restantes regiões, nomeadamente 4,4% no Algarve e 4,3% no Centro e Alentejo.

Perfil do desempregado em Portugal

  • Mulheres: a percentagem de mulheres desempregadas é de 6,5% contra 5,2% dos homens. Mais de 170 milhares de mulheres encontram-se desempregadas
  • Jovens: A taxa de jovens desempregados (dos 16 aos 24 anos) foi de 18,8%, o que corresponde a 65,7 milhares de pessoas. Já os jovens desempregados entre os 25 e os 34 anos corresponderam a 78 milhares de pessoas.
  • Ensino básico ou secundário: 112 milhares das pessoas desempregadas registam um nível de escolaridade até ao terceiro ciclo do ensino básico. Em nível semelhante está também o número de pessoas desempregadas com escolaridade até ao ensino secundário e pós-secundário (112,2 milhares de pessoas).
  • Em busca de novo emprego: A maioria das pessoas já esteve empregada no passado, encontrando-se à procura de novo emprego (261,1 milhares).
  • Emprego de curta-duração: 177,2 milhares de pessoas encontram-se desempregadas por um período inferior a 12 meses.

Relacionados

Economia

Mais Economia

Patrocinados