Sofre de ansiedade e depressão? Temos más notícias sobre doenças crónicas

CNN , Megan Marples
8 mai, 22:00
Algumas pessoas que têm ansiedade e depressão podem correr maior risco de desenvolver doenças crónicas como a asma e a maioria dos cancros, em comparação com as que não têm nenhuma delas, revela um novo estudo.

Mulheres de todas as idades e homens mais jovens com certas perturbações de humor são mais propensos a desenvolver certas doenças crónicas, de acordo com novas pesquisas.

Investigadores de um estudo retrospetivo publicado na revista JAMA Network Open analisaram dados clínicos de 40.360 adultos do condado de Olmsted, no Minnesota, do sistema de registos médicos do Projeto de Epidemiologia de Rochester. Esta base de dados recolhe informações médicas em curso de pessoas que vivem no condado de Olmsted.

A equipa de investigação dividiu os adultos em três grupos etários por sexo: 20, 40 e 60 anos. Cada participante foi classificado com base na celebração desses aniversários entre 2005 e 2014. O estudo incluiu ainda um acompanhamento a 31 de dezembro de 2017.

Os participantes foram ainda divididos em quatro grupos: os que têm ansiedade; depressão; ansiedade e depressão; ou nem ansiedade nem depressão.

As mulheres das três faixas etárias e homens na casa dos 20 anos que tinham depressão ou ansiedade e depressão tinham um risco significativamente maior de desenvolver uma condição crónica, em comparação com os participantes sem ansiedade ou depressão.

Algumas das 15 doenças crónicas observadas no estudo incluíram hipertensão, asma, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) e a maioria dos cancros.

"Temos tendência para pensar nos jovens como vitais, aptos e saudáveis. Também temos tendência para pensar que as condições médicas crónicas só afetam os mais velhos. Infelizmente, para as pessoas que sofrem de doenças mentais, a realidade pode ser muito diferente", disse Jasmin Wertz, professor de Psicologia na Faculdade de Filosofia, Psicologia e Ciências Linguísticas da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, que não esteve envolvido no estudo.

De todas as mulheres no estudo, as mulheres na casa dos 20 anos eram mais propensas a desenvolver doenças crónicas se tivessem ansiedade e depressão, com um aumento de risco superior a 61% em comparação com os participantes sem qualquer distúrbio mental. As mulheres na casa dos 60 anos tinham menos probabilidade se tivessem apenas ansiedade, com um aumento de risco superior a 5% em comparação com os participantes sem ansiedade nem depressão.

Dos homens no estudo, aqueles com ansiedade e depressão no grupo dos 20 anos eram mais propensos a desenvolver uma condição crónica, com um aumento de risco de quase 72% em comparação com o grupo de controlo, e os homens com ansiedade na faixa dos 60 anos eram menos propensos, com uma redução do risco superior a 8%.

Possíveis explicações para as disparidades

Os investigadores não foram capazes de determinar por que motivo as mulheres eram mais propensas a serem afetadas do que os homens, mas há algumas hipóteses possíveis, disse o autor do estudo, William Bobo, professor de psiquiatria e presidente e consultor do departamento de Psiquiatria e Psicologia da Clínica Mayo em Jacksonville, na Florida.

"Há diferenças sexuais na frequência de ansiedade diagnosticada e distúrbios depressivos, e isso pode ter tido algum peso", disse.

As mulheres têm mais probabilidade do que os homens a ser diagnosticadas com perturbação de ansiedade generalizada e mais do dobro das probabilidades de serem diagnosticadas com depressão, de acordo com a Clínica Mayo.

Os fatores hormonais, biológicos e psicológicos também podem ter influência, acrescentou Bobo.

Os participantes com ansiedade e depressão também foram afetados por múltiplas condições crónicas, e não apenas por uma ou duas, disse Wertz.

Mais pessoas podem ser afetadas

O estudo não incluiu doenças crónicas que as pessoas já tinham quando entraram no estudo, e limitou-se a analisar os dados recolhidos em cada marco etário, disse Kyle Bourassa, uma advanced fellow do Geriatrics Research, Education and Clinical Center do Durham VA Health Care System, na Carolina do Norte. Não esteve envolvida no estudo.

Alguém que está na faixa etária dos 60 anos pode ter tido ansiedade e/ou depressão durante a maior parte da sua vida e já ter desenvolvido doenças crónicas aos 60 anos por causa disso, explicou.

"Esta foi uma boa decisão numa perspetiva conservadora das estimativas do estudo, mas também pode resultar na subestimação do efeito entre os mais velhos aqui estudados", disse Bourassa.

Mais de 86% dos participantes eram brancos, o que é outro fator limitativo, de acordo com Wertz.

Há grandes disparidades raciais e étnicas na saúde mental e física porque as pessoas oriundas dessas minorias muitas vezes não têm acesso a cuidados de saúde de qualidade, disse.

Isto significa que as pessoas com origens étnicas e raciais podem ter uma maior associação entre ansiedade e depressão, o que pode traduzir-se num risco mais elevado de desenvolverem condições crónicas do que o relatado, explicou Wertz.

Como reduzir o seu risco

Existem tratamentos comportamentais e farmacológicos para ansiedade e depressão, que têm demonstrado melhorar o bem-estar de um paciente, disse Bourassa.

As descobertas feitas a partir deste estudo sugerem que esses tratamentos também poderiam melhorar a saúde física, especialmente quando as pessoas são mais jovens, disse.

Incluir atividade física suficiente, meditação consciente e sono na sua rotina diária também tem demonstrado diminuir a ansiedade e a depressão, de acordo com Bourassa.

Além dessas atividades, evitar o tabagismo e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas pode ajudar a reduzir o risco de desenvolver uma condição crónica, disse.

Se sentir que pode ter ansiedade ou depressão, deve falar com o seu médico ou terapeuta para criar um plano de tratamento, disse Wertz. A National Alliance on Mental Health também tem uma linha de ajuda, acrescentou.

Saúde Mental

Mais Saúde Mental

Patrocinados