Folhetim de voto: Não basta falar alemão para se ser Merkel

4 jan, 07:30

Na coluna diária de análise e opinião sobre a pré-campanha, assinada pelo jornalista de política Filipe Santos Costa, há uma espécie de entrevista de Ventura a Rio, várias promessas de Costa, e a promessa de ponderar uma promessa. Faltam 26 dias para as eleições

PUB

Por estes dias, a pré-campanha faz-se quase em exclusividade nas televisões, seja porque a pandemia praticamente riscou do mapa as ações de rua, seja por que os frente-a-frentes dominam as atenções, e os líderes partidários ou estão a debater, ou estão a preparar o debate seguinte.

Prova disso é a magra agenda de pré-campanha de hoje: só há iniciativas marcadas com Jerónimo de Sousa (encontro com trabalhadores dos CTT), Catarina Martins (debate sobre teletrabalho) e João Cotrim Figueiredo (visita a duas escolas). O resto da ação (salvo seja) é televisiva. Costa e Jerónimo têm encontro marcado na TVI (21h), Francisco Rodrigues dos Santos debate com Inês de Sousa Real (RTP3, 22h) e Catarina Martins e Rui Tavares têm uma espécie de drink de fim de tarde na SIC-N (18h30).

PUB

Ontem, a noite teve apenas um confronto, entre Rui Rio e André Ventura, talvez o mais importante debate à direita para estas eleições. “Um debate surpreendentemente afável”, constatou a Mafalda Anjos, na CNN Portugal. “Os dois jogaram à defesa”, acrescentou Rui Calafate. Afável, sim; à defesa... só um deles.

PUB
PUB
PUB

 

PSD. Sim, Rui Rio esteve quase sempre à defesa ao longo dos 25 minutos. Mas começou com outra disposição. Ensaiou um ataque no início do debate, demarcando-se do Chega, por ser um partido contra o regime. “Eu reconheço que o regime democrático está com muitas falhas, muito desgastado, e precisa de um abanão e de uma série de reformas. Mas aquilo que eu quero é pôr o regime democrático democrático, eu não quero outro regime”. (Pode questionar-se quão mais democrático se tornará o regime se os ataques de Rui Rio à liberdade de imprensa, à independência das magistraturas ou ao papel dos deputados fizerem o seu caminho na arquitetura institucional. Mas esse é assunto para outra ocasião.) Daí, Rio partiu para a acusação de que o Chega é um partido “instável”, com o qual “a negociação não pode chegar nunca a uma situação em que haja uma coligação, que haja ministros do Chega”.

Note-se que Rio não recusou a hipótese de negociar com o Chega - discordo do Rui Calafate quando ele disse (no Jornal da CNN) que do lado de Rio houve “um muro” em relação ao partido de Ventura. Houve a recusa de uma coligação, mas não de negociações. Não é um pormenor. Na Alemanha, Angela Merkel respondeu à subida da extrema-direita dando uma ordem terminante ao seu partido: ninguém negoceia o que quer que seja com a extrema-direira. Nem a nível nacional, nem a nível regional. Por cá, a nível regional, nos Açores, o PSD tem um acordo de governo com o Chega, e a nível nacional, Rio admite negociar, ainda que com linhas vermelhas. Rui Rio usa muitas vezes os exemplos alemães, elogia frequentemente Merkel, foi aluno do Colégio Alemão e é fluente naquela língua. Mas não basta falar alemão para se ser Merkel.

PUB
PUB
PUB

Chega. Ia o debate a pouco mais de metade, quando André Ventura - que por vezes mais parecia entrevistador do que oponente - colocou a questão marcante do frente-a-frente: “Então, qual é a nossa diferença? Qual é o radicalismo? Onde está o radicalismo do Chega?”, perguntou Ventura, depois de ouvir Rio concordar com ele que não pode haver cortes de pensões (pergunta também lançada por Ventura) e depois de o líder do PSD ter admitido que em certos contornos poderia admitir a prisão perpétua para crimes graves (outra questão levantada por Ventura - sim, foi assim o tempo todo: um a perguntar, o outro a responder). 

O líder do Chega apresentou-se, de facto, menos agressivo com Rio do que vimos noutros debates - mas porque essa era a postura necessária para passar a sua mensagem principal neste frente-a-frente: a disponibilidade para entendimentos com vista a uma maioria de direita que afaste a esquerda do poder. Mas não jogou à defesa. Pelo contrário, manteve pressão constante sobre o seu oponente, com frases de efeito (“O dr. Rio não tem de gostar de mim, isto não é o programa Quem Quer Namorar com o Agricultor”), ora colando Rio a António Costa, ora fazendo-o comentar as propostas eleitorais do Chega. Como se fosse o Chega o partido grande em relação ao qual os outros têm de se posicionar. Enfim, o mundo do avesso.

PUB
PUB
PUB

O maior triunfo de Ventura é que Rio caiu na armadilha. E quando o líder do PSD teve de responder ao essencial - “Qual é a nossa diferença? Onde está o radicalismo do Chega?” - balbuciou umas coisas sobre o regime, mas não lhe ocorreu demarcar-se do racismo e xenofobia do Chega, ou das propostas de confinamento étnico para ciganos, ou da demonização dos beneficiários do rendimento mínimo, ou sequer demarcar-se da velha máxima de Salazar agora ressuscitada por Ventura - “Deus, Pátria, família e trabalho”.

 

Os comentários. Na análise ao debate, Cristina Figueiredo e Luís Pedro Nunes, na SIC-N, eram os mais perplexos com a prestação de Rui Rio. “Foi um desastre”, considerou a editora de política da SIC. “É extraordinário que Rui Rio acabe este debate completamente atrás de tudo o que André Ventura quis deixar em cima da mesa, e não se consegue retirar uma ideia concreta de qualquer proposta de Rui Rio.” Um debate “muito mau” para o líder do PSD, que cometeu “uma série de erros”, na opinião de Luís Pedro Nunes, 

PUB
PUB
PUB

Menos crítico, no Observador, o editor-adjunto de política viu um ponto a favor de Rio na forma como este colocou nas mãos do Chega a responsabilidade de viabilizar um eventual programa de Governo do PSD, mesmo sem antes ter negociado políticas ou lugares. Apesar disso, Miguel Santos Carrapatoso acha que “André Ventura foi mais eficaz a seduzir o eleitorado do Chega e quiçá alguns indecisos”; enquanto Rio “não foi tão eficaz a provar porque é que um voto no PSD é mais útil do que um voto no Chega”. Ora, se Rio falhou a demonstrar a utilidade do voto no PSD face ao Chega, numas eleições em que o voto útil será a questão determinante, conseguiu exatamente o quê?

 

Muita matéria. Luís Pedro Nunes apostou que Rio deu na noite passada “muita matéria para ser usada por António Costa num futuro debate”. O diretor do Inimigo Público corre o risco de ganhar a aposta. Por muito que diga que não quer o eleitorado do Chega, a forma como Rio aceitou a ideia de prisão perpétua “mitigada”, deixou correr a proposta de castração química para predadores sexuais (convém não esquecer que o secretário-geral do PSD já validou, em tempos, essa ideia, quando precisou de justificar a candidatura de Suzana Garcia na Amadora), embarcou na conversa da “subsídiodependência”, prometendo mais fiscalização... tudo isso dará pano para mangas.

PUB
PUB
PUB
António Costa na apresentação do programa eleitoral

PS. António Costa e Mariana Vieira da Silva apresentaram ontem o programa eleitoral do PS (está revelado o núcleo-duro do próximo governo, caso Costa volte a chefiar o Executivo). O Público sistematizou as 12 promessas com que o PS espera ganhar as eleições. Estão lá bandeiras antigas de Costa, como o crescimento e o rigor das contas públicas, a transição verde ou a “agenda do trabalho digno”, mas também a novidade da “ponderação de aplicabilidade em diferentes sectores das semanas de quatro dias”. Manuel Carvalho, diretor do Público, estranha que, em vez de estudar, ponderar, e depois propor, o PS opte pelo “facilitismo” de... propor ponderar. É uma opção curiosa, de facto, sobretudo quando incluída num programa eleitoral no meio de mãos cheias de promessas. Parece uma promessa, mas é só a promessa de pensar nisso.

 

Choque liberal. No Crossfire, na CNN Portugal, Ana Pedrosa Augusto chocou-se com esta ideia de ponderar em Portugal a semana de trabalho de quatro dias.  “Mas o Estado vai entrar na esfera dos privados e dizer que afinal as empresas vão ter de ter uma semana de quatro dias?”, indignou-se a liberal. Sim. Por sinal, os Estados fazem isso há séculos. Primeiro, à boleia dos preceitos religiosos, e com aval real, foi o descanso semanal ao domingo; depois, no final do século XIX e início do século XX, os Estados impuseram limites semanais de horas de trabalho. Não foi por auto-regulação do mercado que os trabalhadores ganharam folgas, férias ou direito ao descanso. Foi sempre por decisão do Estado, entrando “na esfera dos privados” e dizendo às empresas quais são as regras. Agora, imagine-se, até o Japão, insuspeito de estatismos e outros esquerdismos, está a ponderar a semana de quatro dias.

PUB
PUB
PUB

 

Elogio comunista. Também no Crossfire, Bernardino Soares achou “estranho” que o PS “agora queira dizer que só com a sua maioria absoluta é que o salário mínimo vai aumentar” na próxima legislatura. Ainda por cima, notou o comunista, um aumento “poucochinho”. “Este aumento, que é anunciado agora até 2026, é um aumento a um ritmo inferior do que aquele que tivemos a 1 de janeiro”. Ah!, a ironia de ouvir o PCP referir-se ao último aumento do salário mínimo como uma medida grande… há dois meses, esse aumento era tão pequeno (apesar de ser o maior de sempre) que foi uma das razões para o chumbo do PCP ao Orçamento. 

 

Task force mode. Não será a promessa mais relevante, mas entra no saco das promessas: depois de chefiar o governo mais gordo da democracia, Costa garantiu que terá “um governo mais compacto”, espécie de “task force ao serviço da recuperação do país” (é só a mim que o uso da expressão task force parece forçar uma equivalência com a task force da vacinação, provavelmente aquilo que melhor funcionou em Portugal nos últimos anos?)

PUB
PUB
PUB

 

Programa. Sexta-feira será a vez de Rui Rio apresentar as “linhas gerais” do seu programa eleitoral.

 

Volt. Ainda ontem, escrevia aqui que se tem dado nesta campanha demasiada atenção à política e pouca às propostas políticas. No Público, li um texto (da Lusa) todo sobre propostas políticas de um partido, o Volt Portugal. O partido quer legalizar a prostituição e a comercialização de drogas leves, e taxar essas atividades, para aumentar a receita fiscal. Também defende, entre outras ideias, que Portugal deve apostar na energia nuclear..

 

BE. No dia a seguir ao embate com André Ventura, em que o líder do Chega carregou no discurso racista, Catarina Martins foi a uma associação de apoio a migrantes, para fazer mais um statement em apoio da integração justa e com direitos de quem procura Portugal para viver e trabalhar. Aos mitos alimentados pelo Chega, respondeu com factos sobre o número de imigrantes e refugiados que vivem em Portugal, e sobre as contribuições que estes fazem para a economia nacional e para a segurança social. E denunciou as redes de exploração e abuso daqueles que já são dos mais vulneráveis da sociedade. “A nossa responsabilidade é combater este negócio feito abuso e violência sobre os imigrantes que trabalham no nosso país.”Se houvesse dúvidas de que o mano-a-mano do BE é com o Chega, Catarina Martins dissipou-as, apelando a que o seu partido se mantenha como terceira força política, lugar que, segundo as sondagens, disputa com o Chega.

PUB
PUB
PUB

 

A frase do dia.

“O PS houve um momento em que deixou de querer soluções para querer eleições.”

Jerónimo de Sousa em ação de campanha eleitoral

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Política

Mais Política

Patrocinados