Ministério Público faz buscas em Lisboa e no Algarve por suspeitas de fraude fiscal e branqueamento de 4 milhões de euros

Agência Lusa , FMC
26 mai, 19:18
Justiça

Foram, esta quinta-feira, conduzidas oito buscas domiciliárias e não domiciliárias, incluindo escritórios de advocacia, nas zonas de Lisboa e Algarve. Seis pessoas foram constituídas arguidas

O Ministério Público conduziu esta quinta-feira oito buscas domiciliárias e não domiciliárias nas zonas de Lisboa e Algarve, no âmbito de um inquérito que fez seis arguidos e que investiga eventuais crimes no valor de quatro milhões de euros.

De acordo com uma nota publicada na página do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), que dirige o inquérito, “realizaram-se, hoje (quinta-feira), oito buscas domiciliárias e não domiciliárias, incluindo em diversas sociedades e em escritório de advocacia”.

“No processo investigam-se indícios de vendas não declaradas, cujo valor seria desviado para empresas ‘offshore’ e depois retornaria sob a aparência de negócios legítimos, como empréstimos ou aumentos de capital. O montante em causa ascende a cerca de quatro milhões de euros”, adianta o DCIAP.

Segundo a nota, os factos a ser investigados reportam-se aos anos de 2016 e 2017 e podem configurar crimes de fraude fiscal qualificada e de branqueamento de capitais.

“No decurso das diligências foram constituídos seis arguidos, tendo sido ainda apreendida vasta documentação e outros elementos de prova, acervo que será, agora, objeto de análise. A investigação prossegue com vista ao apuramento integral da matéria indiciada”, adianta ainda o DCIAP.

As buscas, que se realizaram nas zonas de Lisboa e Algarve, tiveram a participação de um juiz de instrução criminal, um magistrado do Ministério Público, dezassete inspetores e nove especialistas em informática da Autoridade Tributária e Aduaneira, e ainda de vinte militares da Unidade de Ação Fiscal da Guarda Nacional Republicana (GNR).

“Neste inquérito, o Ministério Público é coadjuvado pela Autoridade Tributária e Aduaneira – Direção de Serviços de Investigação da Fraude e de Ações Especiais (DSIFAE), contando também com a colaboração da Unidade de Ação Fiscal da Guarda Nacional Republicana”, refere a nota do DCIAP.

Relacionados

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados