Davos está de volta. Será que a elite global percebeu que o mundo mudou?

CNN , Julia Horowitz
22 mai, 16:05
Fórum Económico Mundial (AP)

"Os últimos anos dramatizaram e tornaram claro o que já é verdade há algum tempo, que uma classe de elite plutocrática está não apenas a deixar o resto do mundo para trás, como está a prosperar precisamente enquanto pisa o pescoço de todos os outros", acusa Anand Giridharadas

A última vez que os principais políticos, presidentes de empresas e milionários se reuniram numa aldeia nas montanhas suíças para discutir os maiores problemas da sociedade e apresentar soluções, o surto de coronavírus na China era pouco mais que uma ameaça remota. A economia estava a fervilhar e um grande conflito armado na Europa não estava na lista de grandes riscos de ninguém.

Mais de dois anos depois, o mundo foi abalado pela pandemia de covid-19 e pela invasão russa da Ucrânia. Mas, para os ricos e poderosos que chegam a Davos, na Suíça, para o Fórum Económico Mundial, muito pouco mudou.

“Davos é síntese de um dos maiores desafios atualmente da sociedade, que são as elites que se autocongratulam”, afirma Jeffrey Sonnenfeld, professor de gestão de Yale, que fala regularmente com muitos executivos conhecidos.

A conferência – que combina painéis de alto nível com festas apelativas – visa reunir pessoas importantes para enfrentar questões prementes, como a desigualdade, as alterações climáticas, o futuro da tecnologia e os conflitos geopolíticos. Mas a lógica por trás de convidar algumas das pessoas mais ricas da Terra para resolver esses problemas a partir de estância turística parece ser ainda mais instável nos dias de hoje.

Os bilionários acrescentaram cinco biliões de dólares [4,7 milhões de milhões de euros] às suas fortunas durante a pandemia, de acordo com um relatório da Oxfam publicado em janeiro. Os 10 homens mais ricos do mundo viram a sua riqueza total mais do que duplicar entre março de 2020 e novembro de 2021. Enquanto isso, dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo foram empurradas para a pobreza extrema quando a economia global fechou e muitas famílias em dificuldades passaram a depender de apoios de emergência dos governos.

"Os últimos dois anos dramatizaram e tornaram claro o que já é verdade há algum tempo, que uma classe de elite plutocrática está não apenas a deixar o resto do mundo para trás, como está a prosperar precisamente enquanto pisa o pescoço de todos os outros", afirma Anand Giridharadas, autor do livro “"Winners Take All: The Elite Charade of Changing the World" [Tradução à letra: "Os Vencedores Levam Tudo: A Charada de Mudar o Mundo da Elite"].

A “liquidação” dos mercados financeiros este ano atingiu os ultra-ricos. Mas isso não serve de consolo para as pessoas, tanto nas economias desenvolvidas como nas economias em desenvolvimento que estão a enfrentar as piores crises de aumento de custo de vida em décadas. O aumento dos preços dos alimentos e dos combustíveis já está causando fome e dificuldades, alimentando a instabilidade, desencadeando protestos e encorajando insurgentes políticos.

O fórum de 2022 estava inicialmente agendado para janeiro, mas foi adiado após o surto da variante omicron. E embora os organizadores tenham remediado uma edição atrasada de primavera, que esperam que permaneça relevante, muitos pesos-pesados ​​​​têm conflitos de agenda ou estão a optar por não participar [Nota: António Costa, primeiro-ministro português, optou por não comparecer no encontro, para o qual foi convidado].

O CEO do JPMorgan Chase, Jamie Dimon, que lidera o maior banco dos Estados Unidos, não participará no evento, que coincide com a apresentação anual do dia do investidor da companhia. O presidente dos EUA, Joe Biden – que fez um grande discurso em Davos em 2017 – encerrará uma viagem à Coreia do Sul e ao Japão. A presença da China é muito reduzida, com as suas grandes cidades ainda dominadas pelo Covid-19 e seus titãs da tecnologia em baixa.

O acontecimento principal será provavelmente o discurso na segunda-feira do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, que deverá participar por videoconferência. O chanceler alemão, Olaf Scholz, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, também deverão fazer discursos no final da semana, que serão examinados enquanto os países da UE lutam para concordar com um embargo formal de petróleo contra a Rússia.

No passado, os políticos e oligarcas russos eram figuras sfixa em Davos. O fundador Klaus Schwab há muito enfatiza que o diálogo e os laços económicos mais profundos podem promover a paz entre adversários políticos. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, fez um discurso numa edição virtual do Fórum Económico Mundial no ano passado e foi convidado a falar aos participantes em 2015, depois de a Rússia ter anexado a Crimeia.

"Neste momento da história em que o mundo tem uma janela de oportunidade curta e única para passar de uma era de confronto para uma era de cooperação, a capacidade de ouvir a sua voz - a voz do presidente da Federação Russa - é essencial. ", disse Schwab ao apresentar Putin em 2021.

Em 2020, os CEOs da Lukoil, Sberbank e Yandex estavam na lista de participantes, juntamente com o ministro da Energia do país.

Este ano, Putin não estará presente. Nem quaisquer funcionários, magnatas ou executivos russos. Em vez disso, o programa apresenta discussões sobre questões como "Guerra Fria 2.0" e "Regresso à Guerra".

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados