Vítima de Dani Alves recusa ser examinada por psicólogo contratado pela defesa do jogador

21 mar, 20:05
Dani Alves (Getty Images)

Defesa da jovem considera que avaliação é desnecessária e que exame de perito forense do Instituto Médico Legal é suficiente para o caso

A jovem que acusa Dani Alves, ex-jogador do FC Barcelona, de a ter violado na discoteca Sutton, em Barcelona, apresentou um recurso à juíza responsável pelo caso no qual se recusa a ser examinada pelo psicólogo contratado pela defesa do ex-jogador, avança a agência EFE.

O recurso já foi apresentado por Esther García, advogada da vítima, contestando a decisão da juíza para permitir a perícia proposta pelo advogado da defesa, Cristóbal Martell, e que quer determinar se o testemunho e sintomas da jovem são compatíveis com uma agressão sexual.

Cristóbal Martell pediu que a jovem fosse examinada quer por um perito independente do Instituto Médico Legal, assim como por um psicólogo contratado por Dani Alves. Já Esther García considera que a avaliação do perito forense do IML é suficiente. Para além da defesa da vítima, também o Ministério Público recorreu da decisão da juíza. 

Assim sendo, o exame psicológico da vítima continua suspenso. O exame é considerado um teste essencial nos casos de agressão sexual para determinar se o testemunho da vítima e os sintomas que esta apresenta são ou não compatíveis com o facto de ter sido violada.

O advogado de Dani Alves quer ver aprofundada a a sua tese de que a queixa da vítima sofre de uma "distorção narrativa" e pediu ao tribunal não só um perito especializado, mas também que o exame psicológico da jovem fosse filmado. A gravação do exame acabaria por ser contestada, inclusive pelo Ministério Público, que considerou tal pedido invulgar na esfera criminal, e o juiz de instrução acabou por rejeitá-la, uma recusa que, por sua vez, conduziu a um recurso da defesa.

Dani Alves foi detido a 20 de janeiro, depois de um regresso a Espanha para o funeral da sogra. Foi de imediato levado a tribunal e está desde então preso preventivamente, em Barcelona, por suspeita de ter violado uma jovem de 23 anos na madrugada de 30 de dezembro de 2022. 

defesa do jogador tem visto frustradas as suas tentativas de alterar a prisão preventiva e o facto de todos os intervenientes já terem sido ouvidos, as autoridades terem recolhido todas as provas no local e a vítima ter sido de imediato atendida num hospital, cujo relatório aponta para sinais de violência, jogam contra Dani Alves, fará com que o julgamento deva começar ainda este ano. O brasileiro pode ser condenado até 12 anos de prisão.

Na semana passada, a mulher de Dani Alves anunciou que tinha decidido separar-se do ex-jogador depois de oito anos de casamento. Depois de ter apagado todas as fotografias que tinha com o jogador nas redes sociais, Joana Sanz, de 29 anos, publicou no Instagram imagens de uma carta escrita pela própria, à mão, a prestar alguns esclarecimentos e a anunciar a separação.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados