Plataforma de criptomoedas Celsius Network declara falência

Agência Lusa , CF
14 jul, 07:55
A sucursal portuguesa do Bison Bank tem agora condições para oferecer os mesmos serviços de um banco tradicional, mas adaptado ao mundo das criptomoedas. Foto: Kin Cheung/Arquivo/AP

Celsius anunciou ter ativos e dívidas entre mil milhões e 10 mil milhões de dólares, devido à alta volatilidade das criptomoedas

A plataforma de negociação e empréstimo de criptomoedas Celsius Network anunciou que pediu a declaração de falência nos Estados Unidos, um mês após suspender transferências e levantamentos.

Num comunicado divulgado na quarta-feira, a Celsius disse ter ativos e dívidas cujo valor variam entre mil milhões de dólares (mil milhões de euros) e 10 mil milhões de dólares (10 mil milhões de euros), devido à alta volatilidade das criptomoedas.

A Celsius, com sede em Nova Jersey, nos Estados Unidos, admitiu ter apenas 167 milhões de dólares (167 milhões de euros) de liquidez para fazer face aos custos da reestruturação, que tem como objetivo estabilizar o negócio e retomar as operações normais.

A Celsius oferece produtos com juros para clientes que depositam criptomoedas na plataforma, para depois emprestar os ativos digitais de forma a obter retorno.

A plataforma conta com mais de 1,7 milhões de clientes, aos quais pagava rendimentos que ultrapassavam mais de 19% em algumas contas.

No dia 12 de junho, a Celsius anunciou a suspensão de todos os levantamentos e transferências entre contas a fim de "honrar, a longo prazo, as obrigações de levantamento", alegando "condições de mercado extremas".

Este é o segundo colapso de grandes dimensões no universo das criptomoedas em menos de três meses. A criptomoeda Terra implodiu no início de maio, fazendo desaparecer fortunas numa questão de horas. As chamadas criptomoedas estáveis, como era considerada a Terra, eram vistas como relativamente seguras, porque devem ser suportadas por ativos duros, tais como uma moeda ou ouro.

Tal como a Terra, a plataforma Celsius apresentava-se como um investimento seguro, neste caso para os detentores de criptomoedas depositarem fundos.

O mercado de criptmoedas, que atingiu recordes históricos durante a pandemia, entrou este ano em queda. Uma das mais populares, a bitcoin, fechou a primeira metade do ano com perdas de 72% do seu valor desde novembro.

Dinheiro

Mais Dinheiro

Patrocinados