Dois civis foram mortos pelas costas por soldados russos: já identificaram um dos suspeitos – a partir da reportagem da CNN

CNN , Sara Sidner, Lauren Kent, Victoria Butenko, Sandi Sidhu e Kostyantyn Gak
1 set, 22:00

Crimes de guerra: procuradores ucranianos identificam soldado russo suspeito de ter disparado contra civis a partir de reportagem da CNN

Foi um tiroteio arrepiante: soldados russos apanhados por câmaras a matar civis ucranianos desarmados, pelas costas, enquanto se afastavam após uma troca de palavras, na periferia da capital, Kiev.

A CNN publicou notícias sobre o tiroteio pela primeira vez em maio (ver vídeo no topo desta notícia), após ter obtido um vídeo exclusivo de vigilância do que está agora a ser investigado como um crime de guerra.

Os procuradores ucranianos dizem ter informado a Rússia de que a sua investigação pré-julgamento reduziu-se a um dos perpetradores russos, que acreditam ser o responsável.

O Gabinete do Ministério Público de Bucha, na região de Kiev, diz que a reportagem exclusiva da CNN foi fundamental para ajudar a identificar o soldado russo.

Os procuradores afirmam que o suspeito é Nikolay Sergeevich Sokovikov, acrescentando que a Rússia foi informada das suas acusações de "violação das leis e costumes da guerra" e de "assassinato intencional".

A CNN solicitou comentários ao Ministério da Defesa da Rússia, mas não obteve resposta. A CNN também pediu ao Ministério da Defesa russo uma resposta à reportagem original em maio e nunca recebeu uma resposta.

Os procuradores ucranianos identificaram o suspeito como Nikolay Sergeevich Sokovikov. Imagem obtida pela CNN

Civis alvejados nas costas

Em filmagens do incidente obtidas pela CNN recentemente - esta semana -, dois soldados podem claramente ser vistos a disparar contra algo próximo de um estabelecimento que acabaram de tomar. Outros vídeos do incidente revelam que o seu alvo foram dois civis desarmados, alvejados pelas costas imediatamente a seguir ao que parece ser uma conversa calma com os soldados.

O incidente aconteceu em março no exterior de um concessionário de veículos numa aldeia perto de Kiev, quando as forças russas tentaram tomar a capital ucraniana nos primeiros dias da invasão.

Sokovikov, juntamente com outro soldado não identificado, infligiu pelo menos 12 ferimentos de bala aos civis, segundo os procuradores ucranianos. Fizeram parte de um grupo de soldados que depois saquearam o estabelecimento e carregaram bens roubados para um carro com a marca "Tank Special Forces RUS", afirmaram os procuradores num comunicado.

A CNN identificou previamente as vítimas. Um era o proprietário do concessionário saqueado, cuja família não quer ser nomeada. O outro era Leonid Oleksiyovych Plyats, um avô de 68 anos que trabalhava como guarda no local.

As imagens das câmaras de vigilância obtidas pela CNN mostram o suspeito dentro do concessionário que o grupo de soldados russos saqueou

Além do homicídio, o vídeo de vigilância mostra mais comportamentos não profissionais do grupo de cinco soldados, que são vistos na câmara a beber e a brindar uns aos outros. O grupo foi identificado como sendo constituído por membros da força invasora pelos seus uniformes, pela análise de quem controlava aquela área na altura e por depoimentos de testemunhas. As filmagens foram verificadas pela CNN.

Os procuradores não irão revelar exatamente como identificaram este soldado em particular. Mas a CNN noticiou anteriormente uma parte do processo que está a ser utilizado pelas autoridades ucranianas - a tecnologia de reconhecimento facial.

O Ministério da Transformação Digital da Ucrânia carrega imagens de suspeitos em software que varre websites de redes sociais à procura de fotografias correspondentes. Quando os investigadores têm uma correspondência, corroboram-na com amigos e familiares nos meios sociais dos suspeitos.

A identificação deste último suspeito de crimes de guerra foi feita durante meses, segundo os procuradores.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados