Novos estudos indicam que Ómicron tem menor probabilidade de causar danos nos pulmões

2 jan, 13:38
Covid-19 em Portugal
Covid-19 em Portugal

Estudos de seis grupos de investigadores apontam para que a nova variante cause doenças menos graves

PUB

Seis novos estudos publicados no final de 2021 dão força à tese de que a variante Ómicron não é tão grave quanto inicialmente se temia e de que, em comparação com a Delta, a Ómicron não afeta com tanta severidade os pulmões.

“A Ómicron parece mais capaz de infetar o trato respiratório superior – as células da garganta. Portanto, ele multiplica-se mais nessas células do que nas do pulmão. Isto é um resultado preliminar, mas os estudos apontam nessa direção”, afirmou Deenan Pillay, professor de virologia no Reino Unido, em declarações ao jornal The Guardian.

PUB

Dessa forma, o facto de infetar com maior facilidade o trato respiratório, torna-o mais transmissível, o que, segundo os peritos, ajudaria a explicar a elevada transmissão do vírus. No entanto, esse fator faz com que infete menos as células do tecido pulmonar, tornando-o possivelmente menos perigoso.

Apesar de os estudos ainda carecerem de revisão de pares, os investigadores da Universidade de Liverpool acreditam que os resultados que viram são promissores.

PUB
PUB
PUB

Não baixar a guarda

Esse foi o resultado de um dos estudos, levado a cabo em ratos de laboratório, que mostra que os animais infetados com esta variante perdem menos peso, têm cargas virais mais baixas e apresentam pneumonia menos grave.

“O modelo animal sugere que a doença é menos grave do que a variante Delta ou o vírus detetado em Wuhan. Parece também que os animais recuperam mais rápido”, explica James Stewart, professor do Instituto de Virologia Molecular da Universidade de Liverpool.

No entanto, o especialista sublinha que, apesar de os resultados serem “uma boa notícia, não são um sinal para baixar a guarda”.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados