Três em cada 10 mulheres adiaram a maternidade devido à pandemia

Agência Lusa , NM
25 nov, 08:32
Médica segura recém-nascido em tempos de covid-19
Médica segura recém-nascido em tempos de covid-19

As conclusões deste estudo mostram que 22% da população portuguesa disse pretender realizar mais tratamentos de fertilidade durante o período pandémico e que 76% dos inquiridos vê como necessário o investimento no setor da saúde

PUB

Três em cada 10 mulheres portuguesas adiaram a maternidade por causa da pandemia, revela um inquérito europeu esta quinta-feira divulgado e que envolveu 10 países. O objetivo era avaliar as perceções sobre a saúde após dois anos de covid-19.

O estudo também conclui que o stress e a ansiedade foram sentimentos que afetaram quase metade dos inquiridos nacionais e que os portugueses são os que menos consideram o seu estado de saúde físico como “bom” ou “muito bom”.

PUB

O estudo ‘Merck survey: Europeans perception of health two years after the start of Covid 19’ foi realizado junto de pessoas com idades entre os 18 e os 65 anos residentes na Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Itália, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa e Suíça, através de uma abordagem CAWI (entrevistas realizadas através da Internet).

A amostra nacional foi de 600 pessoas e as entrevistas decorreram entre 31 de agosto a 8 de setembro de 2021.

As conclusões do estudo, divulgadas em comunicado, revelam que 29% das mulheres portuguesas com menos de 44 anos admitiram ter adiado os seus planos de maternidade por causa da pandemia.

PUB
PUB
PUB

Tratamentos de fertilidade

Apontam também que apenas 22% da população portuguesa disse pretender realizar mais tratamentos de fertilidade durante a pandemia, sendo a faixa etária acima dos 45 anos o grupo que mais considerou esta possibilidade.

“Mas a pandemia teve outros impactos, como o stress e a ansiedade (49%), medo e incerteza (38%), os sentimentos que afetaram mais de um terço das pessoas em Portugal, um stress que passou para 48% nos homens mais jovens e 57% nas mulheres”, refere o comunicado.

Os problemas psicológicos (33%) são uma das principais consequências da pandemia indicadas pelos portugueses, valor ligeiramente acima da média europeia (30%), e que se faz acompanhar pela dificuldade em cumprir as responsabilidades familiares e laborais (27%, igual a média europeia).

Quanto ao estado de saúde físico, 42% avaliaram-no como “bom” ou “muito bom”, o valor mais baixo entre os 10 países, seguido dos belgas e alemães (ambos com 49%).

Valor que baixa quando questionados sobre a saúde emocional, com 38% a considerar que é “boa” ou “muito boa”, um valor que coloca Portugal no segundo pior lugar, apenas atrás da Alemanha (37%).

PUB
PUB
PUB

Mais investimento na saúde

Para 76% dos inquiridos, é necessário mais investimento em medicina preventiva e saúde pública, um valor bem acima da média europeia (56%), seguido por uma maior aposta na saúde mental (57% versus 41% da média europeia) e cuidados de saúde primários (49% versus 43%).

O estudo destaca também aspetos positivos associados à pandemia, com 44% dos portugueses a afirmarem estar mais solidários, um valor acima da média europeia (33%), e 40% mais resilientes (22%, média europeia).

A vida social foi reduzida para seis em cada 10 europeus, um valor muito superior ao dos portugueses: apenas dois em cada 10 sofreram esta consequência da pandemia.

Os dados revelam ainda que 21% dos portugueses dizem ter melhorado a sua dieta (20% a média europeia), 25% reduziram o consumo de álcool e drogas (versus 24%) e 33% tiveram menos relações sexuais.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.

Família

Mais Família