"Viver com o vírus". Noruega anuncia fim da maioria das medidas restritivas

2 fev, 09:21
Jonas Gahr Stoere (Associated Press)

Governo norueguês anunciou o fim do teletrabalho obrigatório ou as restrições à venda de álcool

A Noruega decidiu retirar a maioria das suas restrições para conter a pandemia covid-19 com efeito imediato, avança a Reuters. Segundo o primeiro-ministro norueguês, apesar do aumento das infeções no país, os serviços de saúde não estão em risco.

"Apesar de mais pessoas estarem a ser infetadas, menos estão a ser hospitalizadas. Estamos bem protegidos pelas vacinas. Isto significa que podemos relaxar nas medidas apesar das infeções estarem a aumentar rapidamente", afirmou Jonas Gahr Stoere, em conferência de imprensa, citado pela Reuters.

O anúncio surge depois da Dinamarca e da Finlândia terem dado passos na mesma direção: o regresso à normalidade.

Assim, o governo norueguês anunciou o fim da maioria das medidas sanitárias, como o teletrabalho obrigatório, dizendo que a sociedade pode e deve "viver com o vírus".

"Hoje chegámos finalmente ao ponto em que podemos eliminar muitas das medidas sanitárias com que tivemos de viver este inverno. Teremos de viver com um elevado nível de infeções, podemos viver com um elevado nível de infeções", acrescentou o primeiro-ministro norueguês.

Quais as medidas em vigor?

Atualmente, já não existem restrições à venda de álcool em bares e restaurantes, ou a obrigatoriedade de ser servido sentado, ou de encomendar antes das 23:00.

O teletrabalho também já não é obrigatório, o limite recomendado para o número de convidados em cada habitação desapareceu e o mesmo se aplica ao limite do número de pessoas em eventos desportivos.

Também deixou de ser necessária a realização de um teste na fronteira para entrar na Noruega, assim como a quarentena em caso de infeção de um contacto próximo - embora seja recomendado o teste diário durante cinco dias - e o período de isolamento de pessoa infetada foi reduzido de seis para quatro dias.

No entanto, permanecem algumas restrições para evitar a infeção simultânea de demasiadas pessoas e para permitir que a sociedade continue a funcionar, como é o caso do uso de máscara em áreas onde não é possível respeitar a distância, como lojas e transportes públicos.

Noruega, que foi o país nórdico que mais restrições colocou em março de 2020, avança assim para a normalidade com cautela, ao contrário da Dinamarca que retirou todas as medidas. 

Esta terça-feira, na Noruega, foram registados 23.237 novos casos, sendo a média de 7 dias superior a 19 mil casos. Desde o início da pandemia, o país contabiliza mais de 804 mil casos e 1.440 óbitos.

Relacionados

Europa

Mais Europa

Patrocinados