Cidade chinesa de Cantão coloca o maior distrito sob confinamento

Agência Lusa , AM
21 nov, 10:29
Coreia Sul

A China é o único grande país do mundo que continua a impor medidas altamente restritivas de prevenção epidémica, incluindo o bloqueio de distritos e cidades inteiras, a realização de testes em massa e o isolamento de todos os casos positivos e respetivos contactos diretos

Cantão, uma das maiores cidades da China, impôs esta segunda-feira um bloqueio no principal distrito, que inclui a suspensão dos transportes públicos e a exigência de teste negativo à covid-19 aos residentes que quiserem sair de casa.

O surto em Cantão é um teste à tentativa da China de adotar uma abordagem mais “direcionada”, enquanto mantém a estratégia de ‘zero casos’ de covid-19. A capital da província de Guangdong registou quase 9.000 casos nas últimas 24 horas, de longe o maior surto ativo no país.

A China é o único grande país do mundo que continua a impor medidas altamente restritivas de prevenção epidémica, incluindo o bloqueio de distritos e cidades inteiras, a realização de testes em massa e o isolamento de todos os casos positivos e respetivos contactos diretos.

O distrito de Baiyun, em Cantão, também suspendeu as aulas presenciais nas escolas e bloqueou os espaços universitários. As medidas devem durar até sexta-feira, anunciou a cidade.

“Está tudo em suspenso”, descreveu Alexandre Castro, treinador português de futebol radicado há três anos na cidade chinesa. “Já armazenamos comida para pelo menos duas semanas”, disse à agência Lusa.

No domingo, Pequim registou duas mortes. Foram os primeiros óbitos em todo o país, em mais de seis meses, provocados pelo novo coronavírus.

Embora os críticos tenham questionado os dados da China e, especificamente, o número de mortos, a estratégia chinesa evitou surtos maciços e manteve os novos casos diários mais baixos do que no resto do mundo.

Diretrizes nacionais publicadas no início deste mês pediram aos governos locais que sigam uma abordagem científica e direcionada, e que evitem medidas desnecessárias.

As autoridades querem evitar bloqueios de cidades inteiras, para tentar minimizar o impacto na atividade económica, mas sem abdicar da estratégia que visa eliminar surtos do novo coronavírus, tendo anunciado uma redução do período de quarentena para viajantes oriundos do exterior e contactos diretos de casos positivos, e o fim da interrupção dos voos com casos a bordo, entre outras medidas.

O relaxamento de algumas medidas é uma tentativa de tornar as políticas mais “científicas e precisas”, disse o vice-diretor da Comissão Nacional de Saúde, Lei Haichao.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados