Festa extravagante ao riquíssimo rei Carlos III é paga pelos contribuintes. "A nossa família vive de um saco de batatas"

CNN , Ivana Kottasová
3 mai 2023, 18:00
Reino Unido em crise imagens CNN

As queixas num país onde há muitos trabalhadores sem dinheiro para comida ou aquecimento. “Eles não vivem esta vida em que temos de lutar, em que temos de lavar o cabelo dos nossos filhos com uma barra de sabão porque não temos dinheiro para o champô”. Por outro lado, "esta coroação será o último grande evento real durante um período considerável".

“Não é uma boa imagem”. Com a crise do custo de vida a morder, alguns britânicos estão a questionar os gastos de dinheiro com uma coroação vistosa 

A primeira vez que Angela Davis foi a um banco alimentar foi mortificante. A mãe solteira de cinco filhos - com três crianças ainda a viver em casa - apercebeu-se de que, depois de pagar as contas, já não tinha dinheiro para comprar comida.

“Foi degradante. Fiquei um pouco deprimida”, disse à CNN durante uma chávena de chá e biscoitos servidos no café comunitário da Igreja de São João Evangelista, em Doncaster. A igreja gere o café juntamente com um banco alimentar que fornece gratuitamente alimentos, roupas, artigos para casa e outras necessidades aos habitantes locais em dificuldades.

Davis chegou à fila cedo, chegando duas horas antes da abertura das portas da igreja. A espera valeu a pena. Além de bens essenciais, como pão e legumes, recebeu um ramo de flores doado por um supermercado. “Vou pôr os lírios na minha jarra e o resto na campa da minha mãe”, afirma.

Quando o banco alimentar abriu, antes da pandemia, ele servia sobretudo pessoas sem-abrigo. Hoje em dia, muitos dos que entram pela porta são pessoas que trabalham a tempo inteiro.

“Eles estão a gastar todo o seu salário a pagar as contas e não têm dinheiro para a comida. É realmente triste que se tenha chegado ao ponto de alguém trabalhar a tempo inteiro e não ganhar dinheiro suficiente para cobrir as necessidades humanas básicas”, diz à CNN Andy Unsworth, um ministro da igreja que gere o banco alimentar Given Freely Freely Given.

Doncaster está entre as zonas economicamente mais carenciadas do Reino Unido, mas não é a única. Tal como muitas zonas do norte de Inglaterra, a cidade de South Yorkshire, com pouco mais de 300 mil habitantes, nunca recuperou totalmente do declínio industrial e do encerramento de minas nos anos 80 e 90. Já em dificuldades, a região foi duramente atingida pela grave crise do custo de vida que está agora a afetar todo o Reino Unido.

A inflação teimosamente elevada, os anos de estagnação salarial e o aumento súbito e acentuado dos preços da energia deixaram milhões de britânicos à beira da pobreza.

Mas, ao mesmo tempo, o governo britânico prepara-se para gastar dezenas de milhões de libras dos contribuintes num evento vistoso e extravagante para celebrar um homem muito, muito rico: o rei Carlos III.

Liz Coopey, à esquerda, voluntária no banco alimentar Given Freely Freely Given, em Doncaster, ajuda a residente Angela Davis com os seus sacos de compras. Ivana Kottasova/CNN

A coroação do Rei, no próximo sábado, irá mostrar alguma da enorme riqueza acumulada pela monarquia britânica ao longo dos séculos. Haverá carruagens douradas, jóias de valor inestimável e roupas de estilistas feitas à medida que custam mais do que a maioria das pessoas ganha em meses.

O governo recusou-se a calcular o custo da coroação, com as estimativas dos média britânicos a variarem entre 50 e mais de 100 milhões de libras (57 e 114 milhões de euros).

É um valor que muitos em Doncaster acham difícil de engolir.

“Sou um bocadinho monárquico e gosto da família real. Mas acho que eles não leram bem a situação, por assim dizer. Grande parte do dinheiro deveria ter vindo do seu próprio bolso e não dos contribuintes. E acho que deviam ter sido um pouco mais moderados”, afirma Laura Billington, professora numa escola da cidade.

Laura tem visto o impacto que a crise do custo de vida tem tido nos seus alunos. Muitos deles estão a chegar à escola sem o equipamento mais básico, como canetas e lápis. Também se apercebeu de mais problemas de comportamento e de concentração.

“Nunca vi alunos tão apáticos em relação à aprendizagem, seja por estarem cansados ou por terem fome, porque só têm direito a uma refeição na escola e é literalmente tudo o que vão comer hoje”, afirma.

Billington também está a sentir o aperto. As suas contas subiram e o seu salário não aumentou de acordo com a inflação, o que a deixa significativamente pior em termos reais. Ela não está sozinha. Em toda a Grã-Bretanha, os salários reais, incluindo os bónus, caíram 3% nos três meses até fevereiro, de acordo com o Office for National Statistics. Trata-se de uma das maiores quedas desde que começaram os registos, em 2001.

Billington é representante do sindicato na sua escola e, tal como centenas de milhares de colegas, fez greves nos últimos meses por causa dos salários. Segundo ela, os orçamentos escolares esticados significam que os professores estão a enfrentar cargas de trabalho cada vez mais difíceis de gerir.

Ela está a trabalhar a tempo inteiro, passando 22 horas por semana na sala de aula. Tem pouco menos de três horas por semana para preparação, planeamento e avaliação, o que, segundo ela, não é suficiente. Devido ao resto da sua carga de trabalho - reuniões, tempo de tutoria, tarefas pós-escolares, etc. - acaba por levar a maior parte do seu trabalho de preparação para casa. Calcula que este trabalho suplementar - não remunerado - perfaz cerca de 15 horas por semana. No domingo passado, preparava-se para passar a maior parte do dia a corrigir testes de História. Billington é professora de francês. Só dá aulas de História porque há falta de pessoal.

“Tudo o que eu sempre quis foi ser professora. Se não fossem os meus alunos, acho que já teria deixado de dar aulas há muito tempo”, desabafa.

O Reino Unido tem sido afetado por uma grande onda de greves nos últimos meses, com enfermeiros, médicos em formação, médicas-parteiras, trabalhadores do sector da saúde, pessoal universitário, maquinistas de comboios e funcionários públicos - incluindo o pessoal que verifica os passaportes nos aeroportos - todos em greve devido a disputas salariais.

À maioria dos trabalhadores do setor público foram propostos aumentos de 4% ou 5% para o ano fiscal em curso, o que é significativamente inferior à taxa de inflação anual, que se situa acima dos 10% há sete meses consecutivos. Os preços dos produtos alimentares estão a aumentar a um ritmo particularmente doloroso: o custo do pão aumentou 19,4% em março, em relação ao ano anterior.

O Rei herdou o Castelo de Balmoral da sua mãe, a falecida Rainha Isabel II. Ian Dagnall/Alamy

A riqueza da monarquia

A enorme riqueza privada e o estilo de vida luxuoso do Rei contrastam fortemente com a realidade que a maioria das pessoas no Reino Unido vive atualmente.

O Palácio de Buckingham recusa-se a comentar a situação financeira da família real, argumentando que esta tem direito à privacidade. O jornal The Guardian estimou recentemente a riqueza privada de Carlos em mais de 1,8 mil milhões de libras (cerca de dois mil milhões de euros) - embora o Palácio tenha dito ao jornal que esse valor era “uma mistura altamente criativa de especulação, suposição e imprecisão”.

A Forbes estimou no ano passado que a fortuna pessoal da falecida Rainha Isabel II valia 500 milhões de dólares, incluindo as suas jóias, coleção de arte, investimentos e duas residências, o Castelo de Balmoral na Escócia e a Casa de Sandringham no condado inglês de Norfolk. A Rainha herdou ambas as propriedades do seu pai, o Rei George VI, e passou-as a Carlos.

É aí que surge a maior vantagem financeira de ser monarca. O Rei está isento do pagamento de impostos e, embora opte por pagar voluntariamente o imposto sobre o rendimento, não teve de pagar qualquer imposto sobre a herança - normalmente fixado em 40% - sobre o que a sua mãe lhe deixou. Este facto permitiu-lhe poupar dezenas de milhões de libras que, de outra forma, iriam para o Tesouro britânico.

Craig Prescott, especialista em direito constitucional britânico e professor da Universidade de Bangor, diz à CNN que a isenção do imposto sucessório se resume ao desejo de manter a monarquia independente.

“Em teoria, a monarquia tem poderes constitucionais. No cenário mais extremo, não se quer necessariamente que um primeiro-ministro diga 'tem de dar o seu consentimento real a esta peça legislativa extremamente controversa e democraticamente subversiva, ou vou cortar o seu financiamento’", exemplifica.

“Manter os bens na linha de sucessão direta garante que a monarquia tem alguma independência em relação ao governo do dia.”

Embora a Rainha fosse extremamente rica, tinha a reputação de ser relativamente frugal. Os meios de comunicação social britânicos referiam frequentemente os rumores de que ela usava Tupperwares para guardar os seus cereais de pequeno-almoço e nunca deitava fora nada que ainda estivesse suficientemente bom para ser utilizado.

“Em termos relativos, a Rainha não estava muito interessada em exibições ostensivas de riqueza. Na sua condição privada, pessoalmente, vivia uma vida de contenção”, diz Prescott à CNN. “Inevitavelmente, penso que o Rei não tem exatamente a mesma imagem. Não tenho a certeza se o podemos descrever como sendo frugal ou contido", acrescenta.

O Rei Carlos III cumprimenta as pessoas enquanto visita a Mansion House em Doncaster, a 9 de Novembro de 2022. Molly Darlington/Getty Images

Pior do que nunca

Doncaster foi um dos primeiros sítios que Carlos visitou depois de se tornar rei. Foi num helicóptero em novembro para assinalar o facto de ela ter sido oficialmente declarada cidade.

Foi recebido com a pompa habitual - mesmo quando muitos dos residentes de Doncaster estavam a bater no fundo.

“Isto está pior do que nunca”, afirma Kelly Widdowson, gerente do Centro Comunitário Helping Hands, em Edlington, que fica nos arredores da cidade.

Tal como o banco alimentar de São João Evangelista, este centro comunitário tem registado um afluxo de novos clientes que lutam para fazer face às despesas, apesar de trabalharem a tempo inteiro. O centro oferece refeições e pacotes de alimentos a baixo custo, aconselhamento financeiro, programas pós-escolares e uma série de outros serviços.

“O preço do gás e da eletricidade subiu em flecha, o preço dos alimentos subiu em flecha”, relata Widdowson à CNN. “Tanto eu como o meu marido trabalhamos a tempo inteiro e estamos a passar por dificuldades. Não nos podemos dar ao luxo de viver. Tenho três filhos na escola primária. São três vezes 2,5 libras [2,8 euros] por dia para o jantar da escola", diz.

James Woods, director executivo da Citizens Advice Doncaster Borough, afirma que o maior equívoco da atual crise é a ideia de que são apenas as pessoas que se encontram na base da cadeia socioeconómica que se debatem com dificuldades.

“Temos assistido a um grande afluxo de pessoas que nos contactam das zonas mais ricas de Doncaster, pessoas que no passado não tiveram de enfrentar estes problemas. Um maior número de pessoas está a sofrer de pobreza no trabalho”, afirmou. Como diretor de um grupo imparcial de caridade, Woods sublinha que não está a expressar qualquer opinião sobre a monarca ou sobre o custo da coroação.

Woods conta que a maior parte das pessoas que procuram o gabinete de aconselhamento ao cidadão está a lutar com dívidas e contas de energia ou precisa de ajuda para navegar no sistema complicado de benefícios sociais.

“O que é preocupante, e vemos isto muitas vezes, é que as pessoas têm medo de ligar o aquecimento. Para mim, isso não está certo. Num país que é considerado bastante rico, não se devia estar numa situação em que se sente que não se pode ligar o aquecimento nos meses de Inverno”, diz à CNN.

Davis afirma que a sua fatura de gás e eletricidade é agora três vezes superior à do ano passado - e isto depois de ter reduzido o consumo de eletricidade, desligando regularmente o aquecimento.

“O Inverno foi muito frio. Andava sempre de roupão. Tenho chinelos de pele e calçava sempre um par de meias extra, mas estava muito frio”, conta. A sua artrite piorou devido ao frio, as suas mãos e dedos ficaram rígidos e os nós dos dedos inchados.

James Woods é o director executivo da Citizens Advice Doncaster Borough. Ivana Kottasova/CNN

Widdowson questiona se o governo compreende a gravidade da situação no terreno.

“Eles não vivem esta vida em que temos de lutar, em que temos de lavar o cabelo dos nossos filhos com uma barra de sabão porque não temos dinheiro para o champô, em que compramos um saco de batatas e uma caixa de ovos para tentar durar uma semana e, assim, comemos uma batata recheada num dia e batatas fritas no dia seguinte e batatas assadas no dia seguinte, porque a nossa família vive de um saco de batatas”, afirma.

"Tivemos um senhor que veio cá e estava a comer comida de cão porque era mais barata. Queria dar de comer ao cão e, em vez de comprar comida humana e dá-la ao cão, comprava comida de cão para ter a certeza de que o cão estava satisfeito e depois comia a comida de cão com o cão”.

Peter Davey, colega de Widdowson, afirma que quanto mais tempo dura a crise do custo de vida, mais complexos são os problemas que as pessoas enfrentam e maior é o impacto na sua saúde mental - algo que o sistema de saúde pública do país, o NHS [o equivalente ao SNS português], não está preparado para resolver.

“Se alguém está desempregado ou tem baixos rendimentos, não tem dinheiro, vai ter dificuldades de uma forma ou de outra. Não tem dinheiro para pagar as contas, vai preocupar-se, a seguir vem a ansiedade e fica deprimida, acaba a tomar medicamentos e a esperar meses por terapia”, denuncia.

Décadas de financiamento insuficiente e falta crónica de pessoal significam que os já longos tempos de espera para consultas de cuidados de saúde essenciais aumentaram com a pandemia.

O centro comunitário criou novos serviços de aconselhamento, bem como um grupo de apoio para um número crescente de sobreviventes de violência e abuso de parceiros íntimos. No Gabinete de Aconselhamento ao Cidadão, o pessoal fez uma formação de sensibilização para o suicídio depois de cada vez mais clientes terem começado a dar sinais de estarem em risco, diz Woods.

O pessoal e os voluntários do Centro Comunitário Helping Hands em Doncaster reúnem-se no seu café. Ivana Kottasova/CNN

Riquezas reais

Os fãs da realeza argumentam frequentemente que a monarquia oferece um bom valor aos contribuintes britânicos, porque estimula o turismo e o consumo, especialmente durante os grandes eventos. Mas com três grandes eventos reais - o Jubileu de Platina, o funeral da Rainha e a Coroação - a terem lugar em menos de um ano, as faturas estão a aumentar.

Com grandes zonas do país a sofrer, muitos questionam se é apropriado realizar mais um espetáculo real financiado pelo Estado - especialmente porque o Reino Unido é a única monarquia europeia que ainda realiza coroações.

“A coroação é um acontecimento de Estado, o que significa que deve ser pago pelo Estado”, afirma Prescott. “Até certo ponto, o rei não tem escolha. Sempre se esperou que houvesse uma coroação para um novo monarca”, afirmou, acrescentando que, no passado, houve monarcas que quiseram saltar a cerimónia - como Guilherme IV - mas estavam convencidos de que era uma necessidade constitucional.

Billington, o professor, acrescenta: “Tenho pena do Rei, porque ele esperou décadas para que isto acontecesse e agora, aos 70 anos, finalmente vai ser o rei e, de repente, a sua coroação é no meio de uma crise de custo de vida, que não é culpa dele”.

“Mas, ao mesmo tempo, ele tem todas essas propriedades, tem todo o dinheiro que vem das propriedades, poderia ter dito 'certo, bem, como família real, pagaremos metade da conta em vez de vir dos fundos públicos'", diz.

Como atual soberano, Carlos é dono dos 16,5 mil milhões de libras [18,7 mil milhões de euros] da Crown Estate [o património imobiliário da coroa], uma vasta carteira de propriedades e investimentos que inclui numerosos edifícios no centro de Londres, parques eólicos offshore e terrenos agrícolas.

Mas embora o rei seja tecnicamente o proprietário da propriedade, esta não é sua propriedade privada. Ele não tem qualquer poder de decisão sobre a forma como é gerida e não pode vender nada. Ao abrigo de um acordo que remonta a 1760, o monarca entrega todos os lucros da propriedade ao governo em troca de uma fatia, denominada Subvenção Soberana.

O subsídio é essencialmente a conta de despesas do rei, cobrindo itens como viagens, pessoal e despesas domésticas. Em 2017, o subsídio foi aumentado de 15% para 25% dos lucros durante os 10 anos seguintes para cobrir os custos de renovação do Palácio de Buckingham. Foi fixado em 86,3 milhões de libras (98 milhões de euros) para este exercício financeiro, o mesmo que no ano anterior.

Outra fonte importante de rendimento do rei é o Ducado de Lancaster, uma propriedade privada que data de 1265 e que vale 653 milhões de libras (740 milhões de euros). No ano financeiro mais recente, o ducado produziu 24 milhões de libras (27 milhões de euros) em receitas para o rei.

O fim de uma era

Na última década, o mundo habituou-se a assistir regularmente a eventos reais de grande dimensão. Desde 2011, houve dois grandes jubileus, vários grandes casamentos reais e um funeral de Estado único numa geração. No entanto, essa era está a chegar ao fim.

“Esta coroação será o último grande evento real, o último grande momento da monarquia durante um período considerável, até que talvez o Príncipe George se case daqui a 15 ou 20 anos”, especula Prescott.

O banco alimentar Given Freely Freely Given, em Doncaster, oferece aos seus clientes outros artigos para lá de alimentos, incluindo artigos para a casa e vestuário. Ivana Kottasova/CNN

Na Igreja de São João Evangelista, em Doncaster, o dia da coroação será apenas mais um sábado, com o banco alimentar e o café comunitário a funcionar normalmente. Os sábados têm sido muito concorridos nos últimos meses, porque tendem a ser o único dia em que as pessoas que estão a trabalhar podem vir.

Como todas as semanas, Unsworth e a sua equipa vão trabalhar arduamente para que as pessoas se sintam bem-vindas - especialmente as que vêm pela primeira vez.

Liz Coopey, uma das voluntárias no local, diz compreender que a ideia de depender de um banco alimentar pode ser assustadora para muitos. “Mas, neste momento, toda a gente está a sentir o aperto, a não ser que se seja milionário”, afirma.

Falando de um milionário em particular - o rei -, também ela diz que não tem a certeza de que seja sensato gastar milhões em dinheiro público na coroação.

“Não estou a dizer que a monarquia é uma coisa má, porque não acho que seja. Mas sabem que mais? Em termos simples, quando o país está de rastos, não é uma boa imagem”, afirma.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados