Congresso do Peru proíbe viagem do presidente a Bruxelas, Londres, Roma e Vaticano

Agência Lusa , DCT
7 out, 05:55
Pedro Castillo (AP Photo/Guadalupe Pardo)

De acordo com a lei peruana, o presidente deve receber a aprovação do Congresso para cada viagem ao estrangeiro

O Congresso do Peru proibiu esta quinta-feira o Presidente, Pedro Castillo, de viajar para Bruxelas, Londres, Roma e Vaticano, para onde planeara visitas de trabalho na próxima semana.

A autorização solicitada pelo Presidente de esquerda foi rejeitada por maioria de votos numa sessão plenária em Lima, onde também se realiza atualmente a Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), na presença do secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken.

Castillo tinha planeado uma viagem de 12 a 18 de outubro, de acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros peruano, e deveria encontrar-se com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e com o papa Francisco.

O ministro dos Negócios Estrangeiros peruano, César Landa, instou o Congresso a mudar de ideias numa conferência de imprensa conjunta com Blinken, dizendo que essa decisão comprometia à política externa do país.

De acordo com a lei peruana, o Presidente deve receber a aprovação do Congresso para cada viagem ao estrangeiro.

Esta não é a primeira vez que o parlamento peruano, dominado pela oposição de direita, impede Castillo de viajar para o estrangeiro. Em agosto não pôde assistir à tomada de posse do Presidente colombiano, Gustavo Petro, em Bogotá.

No entanto, Castillo pôde viajar para Nova Iorque em setembro para a Assembleia Geral das Nações Unidas.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados