Lucía já existe. E por isso quer salvar os oceanos

29 jun, 23:17
Marcha Azul Pelo Clima

E não é só os oceanos que as crianças querem salvar - é o planeta inteiro: "Já ouviu falar da petição 30x30?"

Entre pedaços recortados de cartões e canetas coloridas, Elli e Lucía preparam-se para participar na Marcha Azul Pelo Clima, em Lisboa. São irmãs, têm respetivamente oito e 12 anos: pintam mensagens e desenham o fundo do mar em cartazes depois de terem saído de uma palestra da Seashepard na FIL - que recebe alguns dos eventos paralelos à Conferência dos Oceanos.

"Queríamos muito fazer parte da marcha e por isso precisamos de cartazes", explica Lucía enquanto ultima a frase "save our oceans". "Os oceanos são muito importantes e têm de ser salvos porque sem o oceano não podemos viver e, por isso, temos de o proteger. Já tínhamos de o proteger há muito tempo mas eu não existia, não podia fazer nada. Agora já posso."

Lucía (à esquerda) e Elli (à direita) desenham os cartazes para a marcha

E, enquanto espera que a irmã mais nova acabe o cartaz, Lucía faz uma pergunta: "Já ouviu falar da petição 30x30 - que é proteger 30% do nosso Oceano até 2030? Se estivesse lá dentro no plenário da ONU [na Conferência dos Oceanos], diria para protegermos mais áreas do oceano e também para se concentrarem nos animais e terem cuidado com as espécies mais vulneráveis".

Apaixonada por tubarões, Lucía quer ser bióloga marinha. "Ou alguma coisa que tenha que ver com o oceano, de certeza." É também por isso que um dos seus cartazes diz "save our sharks". "Os tubarões estão em perigo porque há muita gente a pescá-los por causa da sua carne e das barbatanas. Pescar demasiado é um problema muito grande. Temos de fazer alguma coisa. E ir a uma marcha ajuda", garante Lucía, que é prontamente interrompida pela irmã mais nova, Elli: "Mas também se não fazemos nada... não vai ser nada bom".

Enquanto falam à CNN Portugal, as duas jovens ativistas pelo clima são observadas pela mãe - está orgulhosa. Mas Stephany Huffman, que é membro da Sharks Education Institute (SEA), uma fundação recente em Portugal sobre o estudo dos tubarões, nega ter tido grande influência nos gostos das filhas: "Elas fazem isto tudo sozinhas, são muito interessadas em fazer muitas coisas. Acho que esta paixão que elas têm pelo oceano vem também porque vivemos perto do mar. Por isso tento procurar coisas para fazermos, como levá-las à praia, ir a museus, vir a sítios como este. E aprendo muitas coisas com elas".

"Políticos falam, os oceanos morrem"

Lucía e Elli na Marcha Azul Pelo Clima
Lucía e Elli na Marcha Azul Pelo Clima

Elli e Lucía juntaram-se a cerca de 500 pessoas que, pouco depois das 18:30 desta quarta-feira, partiram da Gare do Oriente em direção às imediações do Altice Arena, onde se realiza a Conferência dos Oceanos.

Sob o mote “Salvar o Oceano é Salvar o Clima”, a marcha teve por base um manifesto subscrito por mais de 60 organizações nacionais e internacionais, a maioria ambientalistas mas também partidárias, incluindo o Bloco de Esquerda, representado no desfile pela coordenadora, Catarina Martins.

De acordo com o porta-voz da organização, Nicolas Blanc, o manifesto reclama, entre outras medidas, a recuperação dos ecossistemas marinhos, o fim de todas as isenções e subsídios à pesca prejudicial e aos combustíveis fósseis e a proibição de novas explorações de petróleo e gás offshore.

Os manifestantes, alguns envergando t-shirts azuis e bandeiras com fundo da mesma cor, entoaram cânticos, “a nossa luta é todo o dia pelo oceano e pela ecologia”, empunharam cartazes, “salvem os tubarões, salvem o oceano”, “políticos falam, os oceanos morrem”, “ouçam a ciência, revolução climática já!”.

A conferência da ONU sobre os Oceanos entrou esta quarta-feira no seu terceiro dia e termina esta sexta-feira. É co-organizada por Portugal e pelo Quénia e visa impulsionar a adoção de medidas globais para a preservação dos oceanos.

Clima

Mais Clima

Patrocinados