Associação de fabricantes automóveis chineses considera tarifas da UE inaceitáveis

Agência Lusa , AM
13 jun, 08:43
Carros em centro de cidade na China (foto: Freepik/DR)

Fabricantes acusam a Comissão Europeia de "selecionar de forma tendenciosa as empresas para a amostragem" e de "abusar do seu poder de investigação"

A Associação de Fabricantes de Automóveis da China qualificou esta quinta-feira de "inaceitáveis" os possíveis aumentos pela União Europeia das tarifas de importação de veículos elétricos do país asiático em até 38,1%, e criticou a investigação das autoridades europeias.

Num comunicado publicado na sua conta oficial da rede social Wechat, citado pela Efe, a associação manifestou a sua "deceção" perante o que considera ser uma "distorção dos resultados da investigação" por parte da Comissão Europeia, enquanto garante que "a indústria automóvel da China colaborou ativante, fornecendo toda a documentação pedida pelas autoridades que investigaram".

Os fabricantes de automóveis chineses acusam a Comissão Europeia de "selecionar de forma tendenciosa as empresas para a amostragem" e de "abusar do seu poder de investigação".

Em comunicado divulgado na quarta-feira, a Comissão Europeia indicou que, provisoriamente, as importações de veículos elétricos da BYD passarão a ser taxadas em 17,4%, da Geely em 20% e da SAIC em 38,1%, sendo estas as marcas incluídas na amostra investigada.

Com base nas conclusões do inquérito, a Comissão estabeleceu, a título provisório, ser “do interesse da UE remediar os efeitos das práticas comerciais desleais detetadas, mediante a instituição de direitos de compensação provisórios sobre as importações de veículos elétricos provenientes da China”.

Para Bruxelas, a cadeia de valor dos veículos elétricos da China beneficia de subvenções injustas, o que está a causar uma ameaça de prejuízo económico aos construtores da UE.

A Comissão Europeia abriu no ano passado uma investigação a estas subvenções.

Para além dos três mencionados no comunicado, outros construtores chineses de carros elétricos que cooperaram com a investigação mas não foram incluídas na amostra serão taxadas em 21% e as que não cooperaram em 38,1%.

Bruxelas contactou ainda as autoridades chinesas para discutir estas conclusões e possíveis formas de resolver a questão, mas caso as conversações com as autoridades chinesas não conduzam a uma solução eficaz, estes direitos de compensação provisórios serão introduzidos a partir de 04 de julho através de uma garantia cuja forma será decidida pelas alfândegas de cada Estado-membro.

Europa

Mais Europa

Mais Lidas

Patrocinados