O presente e o futuro do setor automóvel

Conteúdo patrocinado
12 abr 2023, 17:00
forum 3

A CNN Talks promoveu o Fórum Automóvel com o tema "O presente e o futuro do setor automóvel", uma conversa conduzida por Sara Sousa Pinto com as participações de Nuno Castel-Branco, diretor-geral da StandVirtual, Massimo Senatore, diretor-geral da BMW Portugal, e Nuno Mendonça, diretor-geral da Audi Portugal. Uma conversa sobre tudo o que se passa no mercado dos carros.

https://www.standvirtual.com/O setor automóvel contribui de forma importante para a economia da União Europeia (UE). Mais de 6 % do emprego total da UE está ligado ao setor automóvel, cujo volume de negócios representa mais de 7 % do produto interno bruto (PIB) da UE. É, ao mesmo tempo, o maior investidor privado em investigação e desenvolvimento, contudo, esta indústria encontra-se numa encruzilhada, com várias tendências a alterá-la.

A indústria automóvel, tem evoluído de forma evidente, acompanhando a integração de novos estruturas e recursos potenciados pela evolução tecnológica. A era do elétrico é uma realidade e está para ficar. Os principais visados passam oficialmente a ter de lidar com a proibição que está no horizonte, banir os motores a gasolina ou a gasóleo. A era da combustão tem um fim anunciado.

Os automóveis são responsáveis por quase um terço das emissões de CO2 para a atmosfera, uma das principais causas do efeito de estufa. O Conselho Europeu confirmou a proibição de vender na UE, partir de 2035, automóveis ligeiros novos com motor a combustão, sendo só permitidos os de emissões zero de dióxido de carbono (CO2).  Desta forma, todos os automóveis de passageiros que entrem no mercado a partir de 2030 e até 2034 devem ter uma redução de 55% das emissões, enquanto para veículos comerciais novos esta redução deverá ser de 20% face aos níveis de 2021.

Estas metas trazem clareza para a indústria automóvel e estimulam inovação e investimentos no sector. Exemplo disso é a Audi é que optou por começar a criar as suas propostas próprias, construídas de base. A marca alemã veio tomar uma posição firme e anunciou que irá produzir o último automóvel a combustão em 2033, mas em Portugal, a ambição é ainda maior e pretende ser 100% elétrica em 2030.

"Foi uma medida que a marca assumiu, tendo em conta a procura que os seus clientes têm feito dos produtos 100% elétricos, mas também fruto do nosso desenvolvimento interno que nos permite ter produção suficiente para estarmos no mercado com viaturas 100% elétricas na data em que nos propomos" afirma Nuno Mendonça, diretor-geral da Audi Portugal.

No decorrer da conversa Nuno Castel-Branco, diretor-geral da StandVirtual, questionou Massimo Senatore, diretor-geral da BMW Portugal sobre a posição da marca uma vez que a questão dos combustíveis foi assumidamente muito promovida pelas marcas alemãs.

"A BMW sempre afirmou que não quer apostar só numa tecnologia, ou seja, a eletrificação é claramente um caminho que está a ser desenvolvido na nossa marca e temos um plano claro. Para o ano, prevemos que 15% dos carros vendidos sejam elétricos, e até 2030 prevemos que esta percentagem suba para 50%. Não será 100% porque no final, a eletrificação não é um desafio só das marcas".

 

A BMW, ao contrário de outros construtores, não marcou uma data no calendário de quando vai abandonar os motores de combustão. Mas deixou avisos acerca dos efeitos do fim prematuro desta solução. O diretor-geral da BMW Portugal, Massimo Senatore, levanta questões sobre as estruturas criadas para que a circulação absoluta dos automóveis elétricos seja possível. "Precisamos de Governantes e Líderes Políticos para criarmos as condições para que a mobilidade elétrica seja eficiente" conclui. A marca alemã aposta por isso no na investigação de diferentes tecnologias.

 

"Há muitos países que não têm as condições para a eletrificação por isso temos de manter os automóveis atuais reduzindo a pegada de carbono melhorando o nosso motor a combustão".

Certo é que as medidas que visam combater a poluição através da redução drástica de todas as emissões nocivas para a atmosfera representam desafios na indústria automóvel numa altura em que os interesses alargados da UE neste setor já se encontram ameaçados pela maior concorrência mundial de empresas novas e existentes oriundas da região da Ásia e Pacífico e da América do Norte.

Nuno Castel-Branco, diretor-geral da StandVirtual, alerta que a Europa foi o único Continente a colocar esta meta.

 

"Os chineses querem ampliar o seu território e veem na Europa, continente a aposta nos veículos elétricos, uma oportunidade para engrossar o seu leque de potenciais clientes", afirma.

Vendas de carros elétricos aumentam 143%
 

2023 arrancou com um novo recorde mensal de vendas de carros elétricos em Portugal. As entregas de ligeiros de passageiros totalmente elétricos em Portugal iniciaram 2023 com um novo recorde mensal. Os 2.253 veículos matriculados superam o anterior máximo histórico alcançado em setembro do ano passado.

Veja a talk na íntegra:

 

Automóvel

Mais Automóvel

Na SELFIE