Patrões exigem "atitude diferente" para com as empresas

Agência Lusa , PF
9 fev, 11:56
António Saraiva

A diminuição da carga fiscal sobre as empresas e famílias, a celebração de um Pacto Social para o crescimento e o fortalecimento da estrutura financeira das empresas são algumas das propostas do CNCP

O Conselho Nacional das Confederações Patronais (CNCP) quer que o crescimento da economia seja a prioridade para Portugal na próxima legislatura e exige uma atitude diferente para com as empresas.

"A este novo ciclo político deverá corresponder um novo ciclo económico, marcado por um crescimento mais robusto, sustentável e duradouro" acentuou António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal e atual porta-voz do CNCP, na apresentação dos "Desafios e ambição para a legislatura" que contempla uma dezena de propostas.

"Exige-se uma atitude diferente para com as empresas que são quem cria emprego e riqueza para o país", refere o documento, que assinala ainda no rescaldo da crise pandémica, "sem precedentes" e que ainda não acabou, o imperativo deve ser a transformação da economia e não apenas a sua recuperação.

A diminuição da carga fiscal sobre as empresas e famílias, a celebração de um Pacto Social para o crescimento e o fortalecimento da estrutura financeira das empresas são outras das propostas do CNCP.

Lançado em 2021, o CNCP é composto pela Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), Confederação Empresarial de Portugal (CIP), Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) e Confederação do Turismo de Portugal (CTP).

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados