Crucial circulação oceânica na Antártida está em risco se a poluição com efeitos de estufa continuar elevada

CNN , Hilary Whiteman
7 abr 2023, 14:00
A superfície do Oceano na Antártida derrete no verão e congela no inverno. Foto: Sebnem Coskun/Anadolu Agency/Getty Images

Se tudo se mantiver como está, o derretimento do gelo poderá acabar com um sistema oceânico que tem ajudado a sustentar a vida durante milhares de anos

O derretimento do gelo na Antártida não está apenas a fazer subir o nível do mar, mas também a abrandar a circulação das águas profundas do oceano com vastas implicações para o clima global e para a vida marinha, adverte um novo estudo. 

Liderado por cientistas da Universidade de New South Wales e publicado na revista Nature, o estudo revisto por pares modelou o impacto do derretimento do gelo da Antártida nas correntes oceânicas profundas que escoam os nutrientes do fundo do mar para os peixes perto da superfície. 

Três anos de modelação por computador descobriram que a inversão de circulação na Antártida – também conhecida como a inversão abissal do oceano – está a caminho de abrandar 42% até 2050 se o mundo continuar a queimar combustíveis fósseis e a produzir altos níveis de poluição com efeitos de estufa. 

Espera-se que este abrandamento acelere o derretimento do gelo e tenha o potencial de acabar com um sistema oceânico que tem ajudado a sustentar a vida durante milhares de anos. 

"As projeções que temos mostram que a inversão da Antártida iria entrar em colapso neste século", diz Matthew England, vice-director do Centro de Excelência em Ciências da Antártida do Conselho Australiano de Investigação, que coordenou o estudo. 

"No passado, estas circulações de inversão mudaram ao longo de cerca de 1000 anos, e estamos a falar de mudanças dentro de algumas décadas. Portanto, é bastante dramático", diz. 

A maioria dos estudos anteriores centraram-se na Circulação Meridional Invertida do Atlântico (AMOC), o sistema de correntes que transportam água quente dos trópicos para o Atlântico Norte. A água fria, mais salgada, afunda-se e corre para sul. 

O seu equivalente no Oceano Sul é menos estudado, mas faz um importante trabalho deslocando água rica em nutrientes da Antártida para norte, passando pela Nova Zelândia e para o Oceano Pacífico Norte, o Atlântico Norte e o Oceano Índico, disseram os autores do relatório numa conferência. 

A circulação das águas profundas do oceano é considerada vital para a saúde do mar – e desempenha um papel importante no sequestro do carbono absorvido da atmosfera. 

Segundo o relatório, enquanto um abrandamento do AMOC significaria que as águas profundas do Oceano Atlântico se tornariam mais frias, a circulação mais lenta das águas densas na Antártida significa que as águas mais profundas do Oceano Sul irão aquecer. 

"Uma das coisas preocupantes desta desaceleração é que pode resultar num maior aquecimento do oceano na base das plataformas de gelo em torno da Antártida. E isso levaria a mais derretimento do gelo, reforçando ou amplificando a mudança original", diz England. 

Como é que funciona

Um penguim no meio de gelo a derreter na Antártida. Foto: Sebnem Coskun/Anadolu Agency/Getty Images

Com o aumento da temperatura global, espera-se que o gelo da Antártida derreta mais rapidamente, mas isso não significa que a circulação das águas profundas irá aumentar – de facto, significa o contrário, dizem os cientistas. 

Num sistema saudável, a consistência fria e salgada – ou densa – do gelo da Antártida derretido permite que se afunde até à camada mais profunda do oceano. A partir daí, ele flui para norte, transportando carbono e níveis de oxigénio mais elevados do que os que normalmente estariam presentes na água a cerca de 4.000 metros de profundidade. 

À medida que a corrente avança para norte, ela vai agitando camadas profundas de detritos no fundo do oceano – restos de vida marinha em decomposição ricos em nutrientes – que alimentam o fundo da cadeia alimentar, dizem os cientistas. 

Em certas áreas, principalmente a sul da Austrália no Oceano Sul e nos trópicos, esta água fria rica em nutrientes move-se em direção à superfície num processo chamado upwelling, distribuindo os nutrientes pelas camadas mais altas do oceano, diz England. 

Contudo, este estudo mais recente descobriu que à medida que as temperaturas globais sobem, o gelo marinho derretido "refresca" a água à volta da Antártida, diluindo a sua salinidade e aumentando a sua temperatura, o que significa que se torna menos densa e não cai para o fundo tão eficientemente como outrora. 

O coautor do relatório, Steve Rintoul da Organização de Investigação Científica e Industrial da Commonwealth da Austrália e do Programa Australiano de Parceria para a Antártida, disse que a vida marinha em águas de todo o mundo depende de nutrientes que são trazidos de volta à superfície, e que a inversão da Antártida é uma componente chave desta circulação ose nutrientes. 

"Sabemos que os nutrientes exportados do Oceano Sul para outros sistemas atuais sustêm cerca de três quartos da produção global de fitoplâncton – a base da cadeia alimentar", diz. 

"Mostrámos que o afundamento da água densa perto da Antártida irá diminuir em 40% até 2050. E será algures entre 2050 e 2100 que começaremos a ver os impactos disso na produtividade à superfície". 

England acrescenta: "as pessoas nascidas hoje vão estar vivas nessa altura. Portanto, são certamente coisas que irão desafiar as sociedades no futuro". 

Aviso sobre as alterações climáticas

Viveiros flutuantes de peixe em Rongcheng, na China. Foto: VCG/Getty Images

Os autores do relatório dizem que o abrandamento da inversão do oceano na Antártida desencadeia outros efeitos no planeta – por exemplo, poderia deslocar as faixas de chuva nos trópicos em até 1.000 quilómetros. 

 "Acabar completamente com esse sistema resulta nesta redução da precipitação numa zona a sul do Equador e um aumento na região a norte. Assim, poderíamos ver impactos na precipitação nos trópicos", diz England. 

No início deste mês, o Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC) advertiu no seu último relatório que os impactos do aumento da temperatura global eram mais severos do que o esperado. Sem mudanças imediatas e profundas, o mundo vai sofrer as consequências cada vez mais perigosas e irreversíveis das alterações climáticas, acrescenta. 

O relatório do IPCC constatou que o objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais ainda era possível, mas está a tornar-se mais difícil de atingir quanto mais tempo o mundo falhe a conseguir reduzir a poluição de carbono. 

England salienta que as previsões do IPCC não incluem o derretimento do gelo das placas e camadas de gelo da Antártida. 

"Essa é uma componente muito significativa da mudança que já está em curso na Antártida, com mais para vir nas próximas décadas", diz England. 

Rintoul diz que o estudo é outro aviso urgente, para além de todos os que vieram antes dele. 

"Mesmo que o efeito direto sobre as pescas através da redução do fornecimento de nutrientes possa demorar décadas a revelar-se, são as escolhas que fizermos durante a próxima década que nos vão comprometer com esse futuro." 

Clima

Mais Clima

Patrocinados