Morreu João Paes, antigo diretor do Teatro Nacional de São Carlos

11 nov, 10:40
António Costa visitou as obras no Teatro de São Carlos
António Costa visitou as obras no Teatro de São Carlos

Distinguido pela composição de "Os Canibais", o 'filme-ópera' de Manoel de Oliveira, João Paes foi também diretor da antiga Rádio Cultura

PUB

O compositor, musicólogo e crítico de música João Paes, antigo diretor artístico do Teatro Nacional de São Carlos, morreu em Lisboa, na quarta-feira, aos 93 anos, disse à agência Lusa fonte próxima da família.

Distinguido pela composição de "Os Canibais", o 'filme-ópera' de Manoel de Oliveira, João Paes foi também diretor da antiga Rádio Cultura (atual Antena 2), presidente da Juventude Musical Portuguesa e responsável pela programação musical da Lisboa 94 - Capital Europeia da Cultura, na área da música erudita.

PUB

João Carlos de Freitas Branco Paes nasceu em Lisboa, em 19 de janeiro de 1928, formou-se em Engenharia Eletrotécnica, pelo Instituto Superior Técnico, e privilegiou sempre a atividade no campo da música, tendo sido aluno de composição de Joly Braga Santos (1924-1988), por sua vez um discípulo de seu tio, o compositor Luiz de Freitas Branco (1890-1955).

João Paes foi diretor artístico do Teatro Nacional de São Carlos, entre 1974 e 1981, tendo aberto o palco do teatro lírico a óperas contemporâneas do século XX, como "Lulu", de Alban Berg, "Billy Budd", de Benjamin Britten, "Os Diabos de Loudun", de Krzysztof Penderecki, e "Elegy for Young Lovers", de Hans Werner Henze.

PUB
PUB
PUB

Promoveu igualmente a estreia de produções operáticas portuguesas como "Canto da Ocidental Praia", de António Victorino d'Almeida, em 1975, "Em Nome da Paz", de Álvaro Cassuto, em 1978, e a "Trilogia das Barcas", de Joly Braga Santos, em 1979.

Como compositor, destaca-se em particular o trabalho de João Paes como autor de música original para filmes de Manoel de Oliveira como "Benilde ou a Virgem Mãe" (1974), "Amor de Perdição" (1976-1978), "Francisca" (1980), "Le Soulier de Satin" (1984-1985), "O Meu Caso" (1986) e "Os Canibais" (1987), a ópera que dedicou ao realizador, que este transpôs para cinema e pela qual recebeu o prémio de melhor banda sonora, no Festival Internacional de Sitges, em Espanha.

A relação com Manoel de Oliveira, que o Dicionário do Cinema Português define de "uma fidelidade e simbiose singulares", colocou igualmente João Paes como consultor musical do cineasta, em filmes como "O Passado e o Presente" (1971).

Na área do cinema, João Paes também fez crítica, durante a década de 1960, para a revista O Tempo e o Modo e para o Jornal de Letras e Artes.

PUB
PUB
PUB

Conselheiro Cultural da Embaixada de Portugal em Washington, a partir de 1982, durante essa década foi também fundador da Orquestra Régie-Sinfonia, diretor de programação musical da Lisboa 94 - Capital Europeia da Cultura, membro do Conselho Nacional de Cultura, de 1994 a 1998, e presidente ou membro do júri de concursos internacionais de Canto, Composição e Direção de Orquestra, em concursos realizados em Portugal, Espanha, França, Itália e Suíça.

Quando em meados de 1990 assumiu a direção da Rádio Cultura - designação da Antena 2 durante a sua gestão, que manteve durante dois anos -, João Paes somava perto de três décadas de atividade na rádio portuguesa, tanto na produção e realização, como no trabalho de expansão da rede de emissores e retransmissores, para a cobertura do país.

A partir dos anos de 1960, foi responsável por programas como "Três séculos de ópera", "A ópera do século XX", "O anel de Wagner nos Festivais de Bayreuth", "Shakespeare e a música", "Debussy e o Simbolismo".

Na década de 1990, foi um dos principais colunistas do jornal Público, como crítico de música e, em particular, de ópera.

PUB
PUB
PUB

Na sua ação, quer como diretor do teatro lírico português e da "rádio clássica" nacional, quer como programador, conferencista ou autor de programas, teve sempre como objetivo a divulgação musical, a sensibilização para os diferentes repertórios e a procura de novos públicos.

No Teatro de São Carlos tomou a iniciativa de promover os ensaios gerais de portas abertas e de realizar sessões comentadas, em colaboração com a Juventude Musical Portuguesa, no contexto dos “ciclos de música viva”.

Foi também durante a sua direção que este teatro acolheu o pianista Bill Evans, num concerto histórico do compositor de "Waltz for Debby", acompanhado pelo contrabaixista Eddie Gomez, em 1975, que foi igualmente o primeiro concerto deste teatro na área do jazz.

“O que pretendemos é chamar o público jovem a concertos, óperas, ou seja ao que for, a tudo aquilo que represente uma cultura musical viva”, disse, numa entrevista de 1973, à revista da Juventude Musical Portuguesa.

João Paes era neto do matemático e antigo Presidente português Sidónio Paes e também sobrinho do maestro Pedro de Freitas Branco (1896-1963). Era tio do compositor e pianista Bernardo Sassetti (1970-2012).

PUB
PUB
PUB

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.

Cinema

Mais Cinema