Perdemos metade da chuva

Agência Lusa , AM
9 ago, 10:56

Este é o segundo ano mais seco desde 1931

Desde outubro do ano passado até hoje choveu praticamente metade do que seria um ano hidrológico normal, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Um ano hidrológico está compreendido entre 01 de outubro e 30 de setembro do ano seguinte e até agora, segundo os dados do IPMA, o ano hidrológico de 2021/2022 é o segundo mais seco desde 1931 (desde que há registos), só ultrapassado pelo ano hidrológico 2004/2005.

Segundo fonte oficial do IPMA, em resposta a perguntas da Lusa, choveu até agora neste ano hidrológico 419 milímetros (mm), 51% do que seria um valor normal.

Com todo o país continental em seca, 55% em classe de seca severa e 45% em seca extrema, o IPMA considera que a seca “teria um desagravamento significativo” se nos próximos dois meses chovesse acima da média. Mas adianta que tal só acontece em 20% dos anos.

Em termos médios teria de ocorrer em setembro em outubro, para que a situação melhorasse, algo como 150 mm em setembro e 175 mm em outubro.

Ainda que tenha chovido na primavera deste ano, nalgumas regiões acima da média em março, segundo resultados preliminares do boletim climatológico da primavera a precipitação na estação correspondeu a 80% do normal.

A situação de seca do corrente ano hidrológico já se vinha agravando desde o outono do ano passado, quando a quantidade de precipitação nos meses de setembro a novembro foi de 172,8 mm, o que correspondeu a cerca de 69% do valor médio. O último outono, segundo o IPMA, foi o terceiro mais seco desde 2020. E o mês de novembro foi especialmente seco, com menos 90,5 mm de chuva em relação ao valor médio.

Em resultado de um outono com pouca chuva, a seca meteorológica estendia-se a quase todo o território no fim de novembro e aumentou de intensidade a sul. No final do outono, 92% do território continental estava em seca meteorológica, ou seja com falta de chuva.

No inverno, segundo os dados do IPMA, a situação não melhorou, a estação foi a quinta mais seca desde 1931. Os números mostram que o total de precipitação nos meses de dezembro a fevereiro, 117.6 mm, correspondeu apenas a 33% do valor médio.

Janeiro foi classificado como muito seco e fevereiro como extremamente seco.

Juntando à falta de chuva as temperaturas elevadas (quarto inverno mais quente desde 1931), o inverno passado saldou-se por um agravamento da seca meteorológica, que se tornou mais intensa em todo o continente. No fim do inverno, 66% do continente estava nas classes de seca mais graves, severa e extrema.

E além das temperaturas elevadas o país registou já este ano duas ondas de calor.

Questionada pela Lusa sobre se tal agravou a situação de seca, a fonte do IPMA explicou que “a seca hidrológica que o território continental enfrenta está diretamente relacionada com o défice de precipitação persistente registado e não tanto com a ocorrência de ondas de calor”.

“As ondas de calor são fenómenos que, de alguma forma, são integrantes de caracterização climática do território continental e com impacto na evaporação da quantidade de água armazenada nas albufeiras, barragens e represas”, acrescentou.

E choverá nos próximos meses? Segundo o IPMA a atual previsão sazonal, “com todas as condicionantes conhecidas”, não indica “um sinal consistente de défice de precipitação”.

“Poderemos prever que a precipitação ocorrerá com valores normais para esses períodos”, diz a fonte.

Mas avisa que apesar do “sinal positivo em termos da precipitação”, e tendo em conta o que choveu até agora e o que se prevê, o défice de água nas barragens e albufeiras dificilmente será colmatado.

14 dos últimos 20 anos foram de pouca chuva

Nos últimos 20 anos só em seis choveu o considerado normal, em relação ao período 1970-2000, indica o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que alerta para secas mais longas e mais abrangentes.

“Em 14 dos últimos 20 anos registámos défice de precipitação em relação ao período 1970/2000, situação que propicia a ocorrência de períodos em que o território continental estará nas classes mais elevadas da seca meteorológica e consequentemente seca agrícola e hídrica”, disse fonte oficial do IPMA em resposta a perguntas da Lusa.

A propósito do período de seca que o país atravessa, com 55% do território continental em classe de seca severa e 45% em seca extrema, o IPMA alerta que em algumas das secas meteorológicas mais recentes os períodos secos duram mais tempo e “têm uma configuração espacial mais abrangente”.

E se ciclicamente a região sul do continente é a que regista maiores períodos de seca meteorológica, nos últimos anos mais regiões ficam em classes mais elevadas do índice de seca, nomeadamente a região norte transmontana e também o norte litoral, explicou a fonte do IPMA.

Se for considerado o ano hidrológico, que vai de 01 de outubro a 30 de setembro do ano seguinte, o atual ano, até à data, é o segundo mais seco de sempre (desde 1931, quando começaram a ser compilados os dados), só ultrapassado pelo ano hidrológico 2004/2005.

Se forem considerados os números apenas entre janeiro e julho (ano civil) o IPMA nota que o ano mais seco foi o de 2005, seguindo-se 2012, pelo que este é terceiro ano mais seco desde 1931.

De acordo com dados da página oficial do IPMA sobre a monitorização da seca, atualizados na segunda-feira, no último ano nunca o país esteve sem seca em alguma região.

Em julho do ano passado quase 40% do território continental estava normal e o restante em seca fraca, moderada ou severa. A situação agravou-se em agosto (22% do território) mas melhorou nos dois meses seguintes. Só que a partir de novembro piorou significativamente, só 8,1% do território estava então em condição considerada normal, passando a 6,3% em dezembro, ou seja piorando ainda mais.

A partir de janeiro deste ano todo o continente entrou em regime de seca, até hoje. Desde então tem predominado a seca extrema e a seca severa, exceções para março e abril em que a seca foi predominantemente moderada.

Segundo a fonte do IPMA ter áreas do continente em seca desde o início do ano hidrológico é uma “situação recorrente”, especialmente na região sul. Aliás, afiança a fonte, “já ocorreram secas meteorológicas que duraram mais do que um ano hidrológico”.

Este ano, apontou, o mês de março até teve precipitação acima do normal, quer na região norte (aproximadamente 130%), quer na região sul, com aproximadamente 200%.

Segundo a fonte até tem sido registada precipitação, mensalmente, em todo o território, durante o presente ano hidrológico.

“O que acontece é que os valores são muito reduzidos face ao que consideramos normal, isto é, quantidade de precipitação pouco expressiva quando estamos numa situação de défice de precipitação persistente”, acrescentou.

Meteorologia

Mais Meteorologia

Patrocinados