BCE aponta nova subida das taxas de juro para 0,75. Lagarde diz que banco "vai fazer o que tem de fazer"

CNN Portugal , HCL
28 set, 20:17
Christine Lagarde - Banco Central Europeu

Banco Central Europeu aumentou as suas taxas de juro nas duas últimas reuniões de 0,5 para 0,75, num esforço para combater a inflação recorde da zona euro. Mas a presidente da instituição disse que este nível ainda estava abaixo da taxa neutra

O Banco Central Europeu deverá aumentar as taxas de juro em 0,75 pontos percentuais no próximo mês e, em dezembro, essas taxas deverão chegar a um nível que já não estimula o crescimento económico, disseram esta quarta-feira vários dos decisores políticos do banco.

"Vamos fazer o que temos de fazer, que é continuar a subir as taxas de juro nas próximas reuniões", afirmou a presidente do BCE Christine Lagarde num evento do Atlantic Council em Frankfurt, acrescentando que o "primeiro destino" do banco era elevar as taxas para uma "zona de neutralidade", que não impulsiona nem restringe o crescimento. 

O BCE aumentou as suas taxa de juro nas suas duas últimas reuniões de 0,5 para 0,75, num esforço para combater a inflação recorde da zona euro. Mas Lagarde disse que este nível ainda estava abaixo da taxa neutra, que se estima estar entre 1 e 2%. 

Outros membros do conselho do BCE também se pronunciaram esta quarta-feira para dizer que poderiam aumentar as taxas em 0,75 pontos percentuais para uma segunda vez consecutiva no próximo mês, seguida de um novo aumento antes do final do ano.

"Há razões para tomar uma decisão sobre outra subida significativa das taxas, seja 75 ou 50 pontos base ou outra coisa qualquer", disse à Reuters o chefe do banco central finlandês Olli Rehn, um moderado do conselho do BCE. "Há um argumento mais forte a favor de uma acção determinada."

"O nosso objetivo principal não é reduzir o crescimento, o nosso objetivo principal não é pôr as pessoas no desemprego, o nosso objetivo principal não é criar uma recessão, o nosso objetivo principal é a estabilidade de preços e temos de cumprir com isso", disse Christine Lagarde, acrescentando que, "se não o conseguirmos, prejudicaremos muito mais a economia".

O BCE define a estabilidade de preços com uma inflação de 2%, mas espera-se que o crescimento dos preços na zona euro aumente para um novo recorde de 9,7% quando os dados de setembro forem divulgados na sexta-feira. Lagarde disse que a inflação tinha sido "mais persistente e de uma magnitude que ninguém esperava".

Relacionados

Economia

Mais Economia

Patrocinados