BCE vai utilizar "todos os instrumentos" para baixar inflação para 2%, garante Lagarde

Agência Lusa , AM
3 nov, 14:12
Christine Lagarde (Associated Press)

No entanto, a presidente do BCE alerta que "2023 não será suficiente para conter a inflação"

O Banco Central Europeu (BCE) continua "resolutamente concentrado" na estabilidade dos preços na zona euro e utilizará "todos os instrumentos da caixa de ferramentas" para atingir um objetivo de inflação de 2% a médio prazo, disse Christine Lagarde.

Na Letónia, a presidente do BCE, Christine Lagarde, advertiu que "uma recessão moderada no final do ano e 2023 não será suficiente para conter a inflação" e disse que qualquer estímulo fiscal dos Governos deve ser temporário, direcionado e adaptado a setores vulneráveis selecionados da economia.

Tais medidas deveriam visar os mais vulneráveis e incluir incentivos para poupar energia, bem como despesas diretas para reduzir o consumo de energia, disse Lagarde.

Lagarde também disse que o aumento de 0,75 pontos percentuais das taxas de juro pela Reserva Federal dos EUA (Fed) na quarta-feira não deve ser visto como um sinal de que o BCE irá agir de forma semelhante.

"Os EUA e a zona euro não são semelhantes, existem diferentes fontes de inflação", disse Lagarde, explicando que os aumentos de preços nos EUA foram impulsionados por uma forte procura na economia e por um mercado de trabalho ajustado.

Havia 1,7 vagas por pessoa desempregada nos EUA, enquanto na Europa, os candidatos a emprego superavam as vagas em número.

Lagarde foi acompanhado num painel de discussão pelo vice-presidente executivo e Comissário Europeu do Comércio, Valdis Dombrovskis, que salientou a necessidade de uma combinação coerente de políticas em toda a União Europeia (UE), onde "a política monetária e orçamental não deve depender de objetivos cruzados".

Dombrovskis admitiu que "a cláusula de fuga (permitindo a violação da restrição orçamental) continua ativa" tendo em conta a grande incerteza que os países enfrentam, mas a posição da política orçamental está a mudar, com a Comissão Europeia a não recomendar estímulos fiscais, especialmente em países com dívidas elevadas.

O vice-presidente da CE disse que a UE continua a avançar para uma coordenação mais estreita das políticas orçamentais, no que diz respeito à despesa pública, utilizando o chamado quadro semestral europeu para uma supervisão e coordenação integradas das políticas económicas e de emprego em toda a UE.

Tanto Lagarde como Dombrovskis concordaram que as alterações climáticas são um fator subjacente à inflação e que as economias da UE teriam de sofrer picos temporários nos preços da energia como parte de uma transição para fontes de energia sustentáveis, renováveis e "mais verdes".

A presidente do BCE salientou que os países da UE deveriam acelerar a transição energética prevista para uma combinação de fontes alternativas compatíveis com as alterações climáticas, energias renováveis, incluindo a energia nuclear, que está a ser discutida em toda a UE.

Lagarde disse que o comércio seria afetado, bem como as cadeias de abastecimento, os preços aumentariam como parte da transição e a dependência de parceiros fiáveis também afetaria a inflação.

Citou um impacto das alterações climáticas numa grande economia, a Alemanha, observando que os baixos níveis de água no rio Reno tinham resultado em barcaças que transportavam mercadorias a metade da sua capacidade, afetando o comércio e o Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Dombrovskis disse que uma "política emblemática" para a CE é o Acordo Verde Europeu, e que a resposta da UE à guerra contra a Ucrânia foi acelerá-la, bem como avançar para a eliminação gradual dos combustíveis fósseis em geral.

Sobre a Ucrânia, o comissário disse que as instituições da UE estão a trabalhar num plano de reconstrução do país, que pressupõe que foram causados ao país cerca de 400.000 milhões de euros de prejuízos. O plano seguiria o princípio do "agressor paga" e utilizaria os bens russos confiscados para financiar a reconstrução e recuperação, disse Dombrovskis.

Dombrovskis e Lagarde falaram numa conferência para assinalar os 100 anos do banco central da Letónia, Latvijas banka, organizada pelo governador do banco central Martiņs Kazaks.

Economia

Mais Economia

Patrocinados