Dona das bananas Chiquita (sim, essas) considerada culpada por financiamento de grupo paramilitar

CNN , Samantha Delouya, Mauricio Torres, Verónica Calderón e Sahar Akbarzai
12 jun, 12:00
Bananas da Chiquita Brands International Inc. na secção de produtos hortícolas de uma mercearia da Kroger Co. em Louisville, Kentucky, na quarta-feira, 14 de junho de 2017. Luke Sharrett/Bloomberg/Getty Images

É um dos maiores produtores do mundo, com vendas de bananas em muitos países - incluindo Portugal: a Chiquita Brands International foi condenada a pagar um total de 38,3 milhões de dólares às famílias de oito vítimas das Autodefensas Unidas de Colombia

Um júri da Florida, nos EUA, considerou esta segunda-feira a empresa de bananas Chiquita Brands International responsável pelo financiamento do grupo paramilitar colombiano Autodefensas Unidas de Colombia (AUC).

O júri do processo civil, no tribunal federal do Distrito Sul da Flórida, considerou que “a Chiquita prestou conscientemente assistência substancial às AUC num grau suficiente para criar um risco previsível de danos a terceiros”.

A Chiquita, um dos maiores produtores de bananas do mundo, foi condenada a pagar um total de 38,3 milhões de dólares (35,6 milhões de euros) às famílias de oito vítimas das AUC, um grupo paramilitar de extrema-direita designado como organização terrorista pelos Estados Unidos. O grupo dissolveu-se em 2006, de acordo com o Projeto de Mapeamento de Militantes da Universidade de Stanford.

Num processo alterado na Flórida, que foi apresentado em 2008, os queixosos alegaram que os pagamentos da Chiquita às AUC apoiaram a violência do grupo paramilitar na Colômbia e que a empresa deveria ser responsabilizada pelos assassinatos do grupo.

Numa declaração à CNN, a Chiquita disse que tenciona recorrer do veredicto do júri.

"A situação na Colômbia foi trágica para muitos, incluindo os que foram diretamente afectados pela violência no país, e os nossos pensamentos permanecem com eles e com as suas famílias. No entanto, isso não muda a nossa convicção de que não há base legal para estas reivindicações", diz o comunicado da empresa. “Embora estejamos desapontados com a decisão, continuamos confiantes de que a nossa posição legal acabará por prevalecer.”

A Searcy Law, uma firma de advogados que representa as vítimas do AUC e as suas famílias, aplaudiu a decisão através de um comunicado de imprensa.

“O veredicto envia uma mensagem poderosa: as empresas serão responsabilizadas quando as decisões de negócios derem prioridade aos lucros sobre as vidas humanas”, disse Searcy Law.

As vidas das vítimas foram devastadas como resultado da violência da AUC, afirmou a Searcy Law. A CNN entrou em contato com as famílias das vítimas.

Em 2007, a Chiquita declarou-se culpada de fazer mais de 100 pagamentos às AUC, totalizando mais de 1,7 milhões de dólares (1,6 milhões de euros), apesar de o grupo ser considerado uma organização terrorista. A Chiquita registou os pagamentos às AUC como “serviços de segurança”, apesar de a empresa nunca ter recebido quaisquer serviços reais desses pagamentos, de acordo com um comunicado de imprensa do Departamento de Justiça dos EUA da altura. A empresa concordou em pagar ao governo dos EUA uma multa de 25 milhões de dólares (23,2 milhões de euros ao câmbio atual), segundo o comunicado.

Um executivo da empresa, que não foi identificado, disse ao Departamento de Justiça que os pagamentos tinham sido efectuados sob ameaça de violência, ainda segundo o comunicado. No entanto, o júri da Flórida decidiu que a Chiquita não “agiu como um empresário razoável teria agido nessas circunstâncias”.

“A alegação da Chiquita de que foi forçada a apoiar os terroristas porque ela própria foi vítima de extorsão foi uma defesa expressamente rejeitada pelo júri”, afirmou a Searcy Law.

Victoria Mesa-Estrada, advogada da Searcy Law, disse que o veredicto é um alerta para que as empresas “reavaliem as suas operações e garantam que não estão a apoiar, mesmo que indiretamente, a violência ou os abusos dos direitos humanos”.

Numa publicação nas redes sociais, o presidente da Colômbia, Gustavo Petro, reagiu à decisão do júri americano na terça-feira e perguntou por que a mesma decisão não foi tomada no seu país de origem.

"Porque pode a justiça dos EUA determinar com verdade judicial que a Chiquita Brands financiou o paramilitarismo em Urabá? Porque é que a justiça colombiana não pode?", afirmou num post no X, traduzido do espanhol.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados