Milhares de cidadãos russos e chineses estão a “votar com os pés” (opinião)

CNN , Opinião de Frida Ghitis
23 ago, 09:00
Xi Jinping e Vladimir Putin

Nota do editor: Frida Ghitis, (@fridaghitis), uma antiga produtora e correspondente da CNN, é colunista de assuntos mundiais. É colaboradora semanal da CNN, colunista colaboradora do The Washington Post e colunista da World Politics Review. As opiniões expressas neste comentário são as suas próprias.

Os líderes das duas maiores autocracias do mundo, a China e a Rússia, gostam de se promover contrastando os seus países com o Ocidente, declarando os seus regimes hierárquicos superiores à democracia de estilo ocidental. Mas, à medida que o Presidente da China, Xi Jinping, e o russo Vladimir Putin reforçam os mecanismos de repressão, um número crescente dos seus cidadãos decidiu que já estava farto.

A prática de "votar com os pés", ou deixar o país, é contar a história para pessoas que poderiam ir para a prisão por expressarem abertamente os seus pontos de vista.

Para alguns, a fuga à autocracia está a tornar-se cada vez mais atrativa.

Na China, o termo é "run xue," ou "filosofia de fuga". A expressão, até agora não bloqueada pelos censores chineses da Internet, está a atrair um intenso interesse online. Em Zhihu, um fórum chinês de perguntas e respostas, uma página sobre "run xue" recebeu quase 9,2 milhões de visualizações.

A prova mais dramática da pressão para escapar é o número de pedidos de asilo. A maioria das pessoas não segue esse caminho. A maioria passa por um processo normal de emigração, talvez procurando um emprego, candidatando-se a uma escola ou fazendo um investimento no estrangeiro para obter um visto. Mas o último recurso é o processo de asilo, que é complicado.

Desde que Xi assumiu o poder na China, em 2013, o número de pedidos de asilo aumentou quase oito vezes, atingindo quase os 120.000 no ano passado, de acordo com a Agência das Nações Unidas para os Refugiados, com cerca de 75% dos requerentes de asilo a pedir para viver nos Estados Unidos.

O número avassalador de requerentes de asilo no ano passado foi apenas a ponta do icebergue. Os que saem pelos canais formais são normalmente de classe média e alta. Outros, como Wang Qun, que permitiu à CNN seguir a sua odisseia desde a China até aos Estados Unidos, viajaram através do globo para chegar à fronteira EUA-México.

Wang foi claro sobre a motivação por detrás da sua decisão de deixar a China, dizendo à CNN: "Nos anos após Xi Jinping chegar ao poder, as políticas da China tornaram-se cada vez mais apertadas, a economia não está a ir bem...e a (sua) ditadura só está a piorar".

Xi não é o primeiro líder autoritário na China, mas a sua crueldade e ambição excedem de longe a maioria dos seus predecessores recentes. Até preparou o seu caminho para potencialmente governar para toda a vida, se assim o desejar.

Sob a direção de Xi, o regime criou o que eles chamam "centros de formação profissional", que a China diz estarem a combater o terrorismo religioso e o separatismo, mas que os críticos da comunidade internacional têm denunciado como um "genocídio".

E, em Hong Kong, o regime reprimiu duramente a liberdade de expressão e, basicamente, renegou o compromisso assinado em Pequim que permitia a Hong Kong gerir democraticamente os seus próprios assuntos até 2047. A repressão brutal das liberdades de Hong Kong em Pequim desencadeou uma enorme onda de emigração, a maior desde que o governo começou a registar os números, em 1961.

No continente, a última gota para muitos tem sido a política de pesadelo de Xi, um empurrão draconiano para acabar com todos os vestígios do coronavírus. A campanha anticovid da China fez com que quase todos os outros países parecessem pouco convictos. Cidades inteiras foram atingidas, completamente fechadas por apenas alguns casos, deixando as pessoas confinadas às suas casas durante semanas, por vezes, sem comida suficiente.

Isso seria impensável numa democracia.

Depois, há a Rússia, liderada por Putin, o parceiro de Xi na promoção do autoritarismo.

Tal como os chineses, milhões de russos escolheram ignorar ou, pelo menos, tolerar a repressão de Putin enquanto a economia estivesse a ir bem. As taxas de aprovação de Putin, na medida em que se pode acreditar, continuam a ser altíssimas. Tem beneficiado de um forte, mas não absoluto, apoio popular, em grande parte porque controla os meios de comunicação, alimentando as pessoas com uma dieta constante de propaganda. Aqueles que ousaram criticar a sua regra, que, como a de Xi, lhe permite continuar no poder enquanto desejar, viram-se presos, envenenados ou ambos. Outros tiveram de enfrentar "acidentes" infelizes, tais como cair de janelas. É suficiente para que a maioria escolha manter os seus narizes fora da política.

Mas quando a Rússia invadiu a Ucrânia, a repressão intensificou-se, tornando cada vez mais intolerável para muitos o facto de viverem sob as regras de Putin. As regras orwellianas, tais como a proibição do uso da palavra "guerra" para descrever a guerra, tornaram a vida na Rússia e a preservação da própria integridade quase impossível para aqueles que conhecem a verdade e rejeitam o que o seu país está a fazer. Uma mulher, por exemplo, estava numa praça de Moscovo a segurar um pedaço de papel que dizia: "duas palavras". As simples palavras, pelas quais tantos tinham sido presos, eram provavelmente "Nyet voinye" ou "não à guerra". Foi detida em segundos.

Depois de as tropas russas terem entrado na Ucrânia, em fevereiro, registaram-se mais de 15.000 detenções pelo The Economist e pelo projeto russo de direitos humanos OVD-Info.

Não existem estatísticas precisas, mas as pesquisas do Google por "Como sair da Rússia" atingiram o pico dos últimos dez anos. Em meados de março, um economista russo calculou que 200.000 pessoas tinham partido. Um perito em migração estimou que outros 100.000 já no estrangeiro decidiram não regressar. Pensa-se que até dois milhões partiram desde que Putin assumiu o poder. Impulsionado pela demografia preocupante, Putin acaba de ressuscitar um prémio da era de Estaline, a "Mãe Heroína", recompensando mulheres que têm dez filhos com um milhão de rublos, cerca de 16 500 dólares.

Novos grupos de exilados surgiram na República da Geórgia, Arménia e Turquia e dezenas de milhares de exilados foram enviados para a Austrália, Estados Unidos, Israel (impulsionados por um ressurgimento do antissemitismo) e outros lugares.

Isso foi há cinco meses. Agora, à medida que a guerra de Putin se aproxima do seu marco de seis meses sem vitória, a repressão da dissidência não mostra sinais de abrandamento.

A primeira corrida para fora do país incluiu aqueles que se sentiram mais diretamente ameaçados: ativistas políticos, escritores, artistas. Agora, surgiu uma segunda vaga. Inclui alguns que tentaram manter a cabeça baixa: proprietários de empresas, famílias, pessoas comuns que querem sair de um sistema que não só tenta conquistar o seu vizinho e esmagar as críticas no país, mas que também se está a tornar um pária internacional.

Putin e Xi continuarão a afirmar que os seus sistemas são superiores à democracia. Apontarão para as falhas, para as lutas dos sistemas democráticos, que certamente existem. Mas aqueles que discordam deles no país, incapazes de falar, ou se vão manter calados, ou vão manter as suas críticas em sussurros quase inaudíveis, ou vão votar com os pés, dirigindo-se para terras mais livres.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados