China ❤️ Rússia? Como a nova amizade entre e Xi e Putin pode testar os EUA

CNN , Stephen Collinson
22 mar 2023, 21:00
Vladimir Putin recebe Xi Jinping em Moscovo (Foto: AP)

ANÁLISE. O Presidente russo, Vladimir Putin, reuniu-se esta semana com o Presidente chinês, Xi Jinping, no Kremlin, em Moscovo. O que é coreografia e o que é real? Uma coisa é inegável: a comum hostilidade ao ocidente.

Como a nova amizade entre e Xi e Putin pode testar os EUA

Enquanto dois autocratas trocavam tributos durante um festim de codornizes, veados, salmão branco siberiano e sorbet de romã, a China e a Rússia pareciam estar a conjurar a aliança anti-Ocidente que os Estados Unidos temem há muito tempo.

A visita de Estado do Presidente chinês, Xi Jinping, ao seu amigo Presidente Vladimir Putin ocorreu esta semana, num momento crítico da pantanosa guerra da Rússia na Ucrânia e da emergência de Pequim como grande potência, cuja influência se estende agora muito para lá da Ásia.

Toda a visita foi refratada através de um prisma de antagonismo mútuo de ambas as nações em relação aos Estados Unidos. A cada passo, Washington, observando de lado como um falcão, fez pouco da ideia da China como pacificador na Ucrânia, acusando Xi de dar cobertura diplomática a um líder russo rufia, que acabou de ser apontado pelo Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra.

Mas parece duvidoso que a China e a Rússia tenham de facto forjado o tipo de frente antiamericana há muito temida pelos profissionais de política externa de Washington.

Ainda assim, os Estados Unidos têm agora claramente nas mãos um sério desafio de política externa. Os EUA estão simultaneamente a preparar-se para o que muitos especialistas advertem que poderá tornar-se uma Guerra Fria com a China, e a travar uma batalha “por procuração” na Ucrânia com o seu inimigo na versão do século XX desse confronto. E a China e a Rússia, juntas, têm mais capacidade para frustrar os objetivos americanos na Ucrânia e noutros locais.

Xi e Putin estão unidos numa prioridade central da política externa – para desacreditar e até desmantelar uma ordem mundial que acreditam estar construída sobre a hipocrisia ocidental e que lhes nega o devido respeito como grandes potências globais. Este ressentimento tem ardido na mente de Putin desde que a União Soviética entrou em colapso, e ele tem tentado durante anos remodelar o sistema internacional. Mas, segundo a estratégia de segurança nacional do Presidente Joe Biden, a China é o único concorrente americano com “o poder económico, diplomático, militar e tecnológico” para remodelar essa ordem.

A curto prazo, a proposta de paz de 12 pontos da China para a guerra na Ucrânia vai em grande parte contra os objetivos dos EUA de punir Moscovo pela sua invasão não provocada, embora pareça ter poucas hipóteses de ganhar tração em Kiev, uma vez que assentaria na captura por Putin de extensões do território ucraniano. Um plano de paz separado proposto pelo Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky - que incluiria um tratado de paz final com Moscovo e um tribunal especial para alegados crimes de guerra russos -, não foi discutido entre Putin e Xi na terça-feira, segundo disse o Kremlin.

Mas mesmo que a China decline o que os EUA dizem ser pedidos russos de armas letais, a expansão dos laços económicos e comerciais do país com Moscovo poderá ajudar Putin a permanecer na guerra por muito mais tempo. Um conflito desgastante poderá não só sangrar as forças militares da Ucrânia, mas também testar a determinação dos EUA e dos aliados em continuar a financiar a resistência de Kiev, abrindo o tipo de clivagens políticas em torno da guerra que já são emergentes nas eleições primárias presidenciais republicanas nos Estados Unidos. E se Washington continuar profundamente empenhado na Ucrânia - e esgotar os seus próprios stocks de munições e armamento, por exemplo - poderá estar menos concentrado no que poderá ser uma disputa geracional com a China na Ásia. Isso seria muito bom para Pequim.

A fim de desmanchar a coreografia da unidade esta semana em Moscovo, a Casa Branca montou uma contra-ofensiva de relações públicas durante a cimeira de Xi-Putin. E reforçou o seu apoio multibilionário ao governo de Zelensky, anunciando na terça-feira o lançamento, mais cedo do que previsto, dos sistemas de defesa antimísseis Patriot dos EUA. Os ucranianos estão a aprender a operar os sistemas em Fort Sill, no Oklahoma, onde homens e mulheres com idades entre os 19 e os 67 anos estão a treinar das 7 da manhã às 18 horas, seis dias por semana, durante 10 semanas, noticiou Natasha Bertrand, da CNN. Os EUA também irão acelerar o tempo de envio dos tanques Abrams para a Ucrânia, enviando modelos mais antigos, disseram dois funcionários norte-americanos na terça-feira.

O objetivo americano aqui é óbvio - demonstrar que enquanto Putin pode estar a acolher Xi e a solicitar mais apoio para a sua guerra brutal, o Ocidente não está a vacilar no seu apoio à Ucrânia num conflito que Biden retratou como vital para salvar a democracia global dos autocratas.

Concorrência global

Mas a rivalidade entre os Estados Unidos e a China está a desenrolar-se num palco global muito mais vasto - um palco onde a Rússia, apesar da sua influência global diminuída, poderá também ser um aliado útil à China.

Xi não fez qualquer tentativa para esconder que a sua viagem a Moscovo estava ao serviço do enfraquecimento do poder americano e ocidental. Antes de partir, advertiu numa declaração que “o nosso mundo está confrontado com desafios de segurança complexos e interligados, tradicionais e não tradicionais, prejudicando atos de hegemonia, dominação e intimidação" - linguagem normalmente reservada a Washington.

John Kirby, coordenador do Conselho Nacional de Segurança para as comunicações estratégicas nos EUA, expôs os desafios estratégicos de forma mais sucinta numa entrevista com Christiane Amanpour, da CNN, na terça-feira.

“Este é um casamento de conveniência, não de afeto, não de amor... onde eles se cruzam é na pressão contra os Estados Unidos e a sua influência em todo o mundo”, disse Kirby. “Eles gostariam de mudar as regras do jogo, e veem um no outro uma ferramenta útil".

O modelo de capitalismo autoritário da China como base para um novo sistema global poderia revelar-se atrativo para alguns Estados em todo o mundo, uma vez que procura construir laços em África, na América Central e noutros locais. Algumas nações do “Sul global”, como a África do Sul, por exemplo, partilham a antipatia da China por algumas das políticas seguidas pelos EUA e seus aliados.

O antigo embaixador dos EUA em Pequim, Gary Locke, disse terça-feira que as conversações de Xi e Putin estavam enraizadas na hostilidade mútua de ambas as nações ao poder dos EUA.

“A China está a tentar apresentar-se como uma espécie de nova força, opondo-se às potências ocidentais ou à ordem ocidental. A China e muitos destes outros países que estão a emergir muito mais fortes económica e politicamente sentem que têm de cumprir as regras feitas pelos Estados Unidos e alguns dos países europeus”, disse Locke no programa “Inside Politics” da CNN. “E eles sentem que deveriam ter uma palavra a dizer nos chamados estatutos do clube. E eles ressentem-se realmente da mão pesada e do domínio dos Estados Unidos e dos países europeus em termos de muitas coisas no mundo".

Ao mesmo tempo, as ambições chinesas e russas enfrentarão um desafio pelo facto de a aliança ocidental ser agora mais saudável do que tem sido em anos, sob a liderança unificadora de Biden desde a invasão russa da Ucrânia.

A amizade Rússia-China pode também ser menos substantiva do que a pompa do Kremlin poderá sugerir. Não houve qualquer sinal da cimeira do Kremlin de que Xi se tivesse comprometido a dar o seu total apoio a Putin, armando as forças russas na Ucrânia, ou que tivesse persuadido o líder russo a afastar-se do seu caminho impiedoso de uma forma que pudesse legitimar o seu estatuto de pacificador.

E dado que o modelo China-Rússia assenta na autocracia e na intimidação, e que Moscovo é cada vez mais um pária e que a abordagem nacionalista da China também tem preocupado algumas potências mais pequenas, há razões para questionar até que ponto uma ofensiva diplomática global conjunta pode ser eficaz.

Um assombroso pesadelo geopolítico

A ideia de uma aliança estratégica Rússia-China há muito que preocupa os decisores políticos dos EUA.

A abertura da administração Nixon a Pequim, nos anos 70, foi em parte baseada na divisão da República Popular e da União Soviética, embora o antagonismo territorial e histórico entre os gigantes comunistas já existisse antes da iniciativa dos EUA. Após a Guerra Fria, a Rússia foi vista como uma ameaça muito menor para os EUA - até à dura reviravolta de Putin contra Washington durante as duas últimas décadas.

Um dos arquitetos mais venerados da política da Guerra Fria dos EUA, o diplomata George Kennan, avisou antes de morrer que a expansão da NATO aos antigos Estados do Pacto de Varsóvia na Europa de Leste poderia empurrar a Rússia para os braços de Pequim. No seu diário de 4 de janeiro de 1997, ele previu que Moscovo iria responder como se fosse vitimada, militarizar ainda mais a sua sociedade e “desenvolver relações muito mais estreitas com os vizinhos a leste, nomeadamente o Irão e a China, com vista a formar um bloco militar fortemente anti-ocidental como contrapeso a uma pressão da NATO para o domínio mundial”.

Tanto a China como a Rússia aproximaram-se recentemente do Irão - outro inimigo jurado dos EUA. Mas a sua relação, por muito calorosas que as palavras desta semana no Kremlin tenham sido, permanece muito aquém de um encontro militar, e não é uma aliança formal como aquelas que, por exemplo, os EUA mantêm na Europa para dissuadir a Rússia e no Pacífico, em parte para equilibrar o poder da China.

Os Estados Unidos, como parte dos seus comentários fora do palco sobre a cimeira, tentaram mantê-la assim, avisando há semanas que a China não deverá fornecer armas ou munições de que Moscovo tanto necessita, à medida que as suas forças lutam em muitas frentes contra a feroz resistência ucraniana.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg renovou o aviso na terça-feira.

“Não vimos qualquer prova de que a China esteja a entregar armas letais à Rússia, mas vimos alguns sinais de que este tem sido um pedido da Rússia, e que esta é uma questão que é considerada em Pequim pelas autoridades chinesas”, disse Stoltenberg aos repórteres em Bruxelas.

A questão de saber se a China fornecerá armas à Rússia é, no entanto, complexa.

Tal medida tenderia a prejudicar a reputação de evitar manobras ousadas de política externa fora da sua região, e alinhá-la irrevogavelmente ao lado de uma potência pária em Moscovo. A economia chinesa enfrentaria provavelmente duras sanções internacionais, numa altura em que tem lutado para retomar as suas estrondosas taxas de crescimento. Pequim poderia não só agravar as já torturadas relações com Washington, mas também perturbar os seus laços económicos igualmente cruciais com a União Europeia.

A China já está a colher benefícios significativos da guerra na Ucrânia - em termos de aumento do comércio e da capacidade de comprar gás e petróleo russos a preços reduzidos, por estarem bloqueados nos mercados europeus. As sanções poderiam ser um indesejável contrapeso a essa situação.

A história também sugere que Pequim geralmente condiciona as suas estratégias apenas a um cálculo impiedoso dos seus interesses nacionais. A sua imagem global - e um objetivo final de criar um sistema político e diplomático alternativo à ordem global liderada pelo Ocidente – poderá ser melhor servida fazendo-se passar por um pacificador na Ucrânia, em vez de um municiador de Putin numa guerra por procuração que a Rússia pode perder.

Assim, embora haja razões para os EUA estarem preocupados com a forma como a cooperação Rússia-China poderá expandir-se após a cimeira, parece improvável que seja a mudança de jogo que Putin - que em linguagem corporal e retórica se deparou tanto com o parceiro júnior - possa gostar que seja.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados